nsc
dc

Cinema

"Tempo": filme relata contato com a morte e faz refletir sobre a pandemia

O novo filme de M. Night Shyamalan faz pensar no que a humanidade tem vivido nos últimos 18 meses

20/09/2021 - 13h46 - Atualizada em: 20/09/2021 - 13h48

Compartilhe

Andrey
Por Andrey Lehnemann
"Tempo", de M. Night Shyamalan
No longa, testemunha-se o primeiro contato com a morte, o primeiro nascimento, o primeiro assassinato, os preconceitos, o racismo e a passagem da juventude
(Foto: )

Eu assisti ao maravilhoso filme de M. Night Shyamalan, Tempo, duas vezes neste mês, e me peguei pensando nos últimos 18 meses. O quanto crescemos, o quanto nos diminuímos e o quanto guardamos tristeza, rancor ou frustração. Há algo no filme do cineasta indiano que condensa a vida na tela. É uma pretensão que se garante numa narrativa intimista.

> Saiba como receber notícias do NSC Total no WhatsApp

No longa, testemunha-se o primeiro contato com a morte, o primeiro nascimento, o primeiro assassinato, os preconceitos, o racismo e a passagem da juventude para a vida adulta com suas responsabilidades. Tudo dentro de um espaço em que o tempo passa rápido demais.

O diretor está falando, claro, do cinema. É o próprio Shyamalan que interpreta o homem que registra as experiências das pessoas doentes que são condicionadas entre os rochedos da ilha. Ele aponta a forma com a câmera conta a vida. Estamos diante do olhar divino do quadro, da paisagem e do cinema. A vida serve para outro fim - a arte.

> Põe na Lista: as séries canceladas que deixaram saudades

Em uma sessão de cinema, o filme pode ser qualquer um em cartaz, mas a essência da experiência permanece a mesma: a tela imerge o público numa outra realidade, numa história particular, mas que precisa conversar com todas as expectativas. Do lado de fora, no entanto, as histórias nos jogam num terror sem fim.

Os noticiários falam sobre esperança, porém ela parece muito longe. A realidade acabou se tornando um cinema de múltiplos gêneros. As pessoas se aventuram na rua. A ciência parece envolta numa trama de ficção científica. O vírus transmite horror. Os aplicativos providenciam romances. O drama pandêmico parece nunca ter um final feliz. O que sobra aos diretores e aos cinemas? Que tipo de história contar?

Num tempo como o nosso, como viver da arte? Como contá-la? Frank Capra, um dos grandes diretores americanos dos anos 1930, driblava a crise de 29 ao narrar a vida com otimismo. O famigerado sonho americano era apreciado pelas plateias, que correspondiam com bons números de bilheteria e a crítica respondia com prêmios. Os protagonistas de Capra eram pessoas boas. Sonhadores, mas que conquistavam o que precisavam: uma boa vida, com paz, cercada por outras boas pessoas.

> Animação catarinense Sonhos da Isah é selecionada para festival internacional de cinema científico

A crise assolava a América. Mas as plateias ainda conseguiam se refugiar imersos entre os filmes. Na Alemanha, o próprio fascismo percebeu o poder da arte e projetou seus anseios em mensagens audiovisuais. O cinema foi se tornando um reflexo imenso de suas respectivas realidades e, igual, do tempo. Uma sala de cinema representava um olhar de fora da sociedade, ainda que falasse sobre ela. Condensava uma vida diferente, uma vida agradável e sem o tumulto do dia a dia. O grande cinema era um lugar de sonhos e de esperança.

O que sobra aos cinemas de 2021? A crise não é mais apenas financeira. O mundo mudou. O streaming trouxe a fuga do dia a dia para dentro de casa, com uma imersão menor e com um tempo mais subjetivo. O cinema de hoje é um momento entre pausas. Pausas curtíssimas. A arte virou TikTok.

Para onde o cinema pode ir? Quais tipos de narrativas construirá e como resgatará a sua essência de mundo de sonhos? Isso é uma resposta que não tenho a pretensão de dar. A história a construirá, no seu próprio tempo.

Veja o trailer de Tempo:

Leia também:

> Especial Nos Trilhos do Blues: as origens e os subgêneros de um dos estilos mais influentes da música

> Mario Prata lança livro sobre a origem do futebol: "Um esporte jogado com os pés é tão importante quanto a Revolução Industrial"

> Não Olhe Para Cima, da Netflix, ganha primeiro trailer

Colunistas