nsc
an

Joinville que Queremos

Teste de Mobilidade em Joinville: Trajeto de ônibus é exercício de paciência

Jornal "A Notícia" refez experiência de sair com diferentes modais do Terminal Norte ao Sul às 18 horas. Transporte coletivo levou mais tempo do que em 2009, 2013 e 2017 

28/09/2019 - 12h53 - Atualizada em: 28/09/2019 - 13h38

Compartilhe

Luan
Por Luan Martendal
Hassan
Por Hassan Farias
Luan Martendal entrou no Norte/Sul às 17h59 para realizar todo o trajeto desta linha
Luan Martendal entrou no Norte/Sul às 17h59 para realizar todo o trajeto desta linha
(Foto: )

Para testar como está a mobilidade de Joinville, o jornal "A Notícia" reeditou um teste realizado em 2009, 2013 e 2017 com uma bicicleta, uma moto, um carro e um passageiro dentro de um ônibus. O percurso foi o mesmo das outras edições do "Teste de Mobilidade": os 8,5 quilômetros do terminal de ônibus Norte até a estação Sul.

O transporte coletivo guiou as regras do percurso: o trajeto devia ser feito pelas ruas Blumenau, Nove de Março, Juscelino Kubitschek, Getúlio Vargas e Santa Catarina, o mesmo caminho realizado pela linha 0200, a do Norte/Sul.

Confira a reportagem completa

O repórter Luan Martendal fez o caminho de ônibus. Ele relatou a experiência e a conversa com os outros usuários do transporte público:

Às 17h59 de terça-feira, exatamente no horário previsto de saída, deixei o terminal Norte de Joinville como passageiro na linha 0200 Norte/Sul. Já no momento da partida era possível observar que todos os assentos estavam ocupados e algumas pessoas ficaram de pé e teriam de completar o percurso daquela maneira ou torcer para vagar um lugar nas paradas seguintes. Durante a passagem pela Rua Blumenau, as obras de mobilidade que estão em curso, afogaram o trânsito e o tornaram bastante lento - situação de impacto principalmente para o transporte público, que temporariamente precisa disputar seu corredor exclusivo com carros e motos. Além disso, de parada em parada, nos pontos e semáforos, aumentava o número de passageiros e também a sensação de calor devido à falta de ar condicionado aliada a quantidade de pessoas. Em certo ponto visualmente parecia haver quase a mesma quantia de gente em pé do que pessoas sentadas nos cerca de 30 bancos do ônibus.

Este foi o trecho mais demorado e consumiu quase metade do tempo total de viagem. O mesmo cenário permaneceu até a Avenida JK e, somente quando já estávamos perto da zona Sul, entre a Avenida Getúlio Vargas e a Rua Santa Catarina (Estação da Memória), o movimento começou a se inverter e mais pessoas passaram a deixar o coletivo do que embarcar nele. Para a sorte de alguns, era possível até mesmo conseguir um assento nos quilômetros finais da viagem.

Ao longo dos pouco mais de oito quilômetros de estrada eu aproveitei para conversar com os companheiros de viagem e parte deles afirmou usar o ônibus por necessidade, enquanto muitos preferem andar de coletivo para economizar, evitar o stress de dirigir na hora do rush, descansar a mente ou mesmo para melhorar a fluidez do trânsito. Enquanto a viagem seguia, para alimentar a sensação de que o tempo estava passando mais rápido, os passageiros davam cada um o seu jeito: havia gente lendo livro, gente ouvindo música, conversando, enquanto outros ficavam vidrados no celular.

Entre um papo e outro, também houve quem aproveitasse para defender melhorias como, por exemplo, o aumento de linhas e mais conforto que justifiquem o atual preço das passagens. Outros preferiram sugestões propositivas como a criação de "semidireto" para o trecho e mais consciência dos próprios usuários, visto que muitos passageiros seguem do Terminal Norte com destino ao Centro da cidade e poderiam optar por outras linhas, contribuindo assim para desafogar o ônibus e oportunizar maior comodidade para quem precisa encarar todo o trajeto da zona Norte até a zona Sul, feito em exatos 40 minutos naquele fim de tarde.

Os tempos de cada veículo

Moto: 25 minutos (velocidade média de 20,7 km/h)

Carro: 30 minutos (velocidade média de 17 km/h)

Ônibus: 40 minutos (velocidade média de 12,8 km/h)

Bicicleta: 61 minutos (velocidade média de 8,4 km/h)

Leia também:

Teste de mobilidade: Moto foi a mais rápida, mas exigiu dobro de atenção

Teste de mobilidade: Sem espaço exclusivo, bicicleta perde velocidade e segurança

Teste de mobilidade: De carro, tempo entre Terminal Norte e Sul diminuiu 42% em relação a 2017

Colunistas