nsc

Futebol

"Tomamos dois gols bestas", diz Jorginho após eliminação do Figueirense na Copa do Brasil

Técnico do Furacão diz que queda na estreia é um resultado "financeiramente e futebolisticamente horrível"

19/03/2021 - 09h45 - Atualizada em: 19/03/2021 - 09h49

Compartilhe

Leandro
Por Leandro Lessa
Técnico Jorginho Figueirense
Técnico Jorginho, após queda do Figueirense na Copa do Brasil 2021
(Foto: )

O Figueirense foi eliminado logo na primeira fase da Copa do Brasil, após derrota para o FC Cascavel por 2 a 1. Um dos gols sofridos ocorreu após uma cobrança de lateral; o outro gol, após um longo lançamento, que o jogador adversário entrou nas costas do marcador. Após um primeiro tempo "ruim", o técnico Jorginho considerou que a equipe atuou "razoavelmente bem" na segunda etapa.

> Receba notícias de Florianópolis e região no seu WhatsApp

- Tomamos dois gols bestas. Poderiam ter sido evitados, mas erramos no posicionamento (nos dois lances). Por isso, pagamos um preço caro - declarou o comandante do Furacão, após a derrota que fez com que o clube não conseguisse os R$ 675 mil oferecidos pela CBF, se o time tivesse avançado à segunda fase da competição. Um empate bastava para a classificação alvinegra. 

> Debate Diário: Figueirense eliminado na Copa do Brasil e a volta do Catarinense 2021

Apesar de considerar o resultado "financeiramente e futebolisticamente horrível", ele chamou a atenção para o fato de que o goleiro não foi tão exigido a ponto de ser o principal nome da partida, como ocorreu em momentos da Série B do Campeonato Brasileiro, ano passado. O titular foi novamente foi Emerson Júnior, que havia se destacado no clássico contra o Avaí, no último dia 3, pelo Estadual.

Ainda em referência ao grupo para a temporada 2021, o volante Patrick ganha mais importância. Após a primeira partida depois da pausa entre Série B e Catarinense - foi substituído no segundo tempo -, o capitão da equipe no jogo desta quinta-feira (18), que chegou a ter sua saída cogitada do clube, terá a chance de ser o líder de uma equipe com muitos reforços e jovens atletas, em cenário de orçamento reduzido. 

- Eu já vejo o Patrick há uns três jogando aqui. Vejo que tem uma crítica muito grande em cima dele, talvez por alguns momentos errados fora (de campo), acredito. Mas ele é um grande jogador de clube, como também há outros "meninos". O clube tem que colocar os seus "garotos" para jogar e poder ter retorno financeiro. E também tem que ganhar os jogos - enfatizou Jorginho. 

> Copa do Brasil troca Continental pela catarinense Intelbras

Sobre os problemas financeiros do clubes, Jorginho acredita que a cúpula do clube consegue blindar a situação aos jogadores. Em capítulos recentes, o contrato com a empresa Elephant foi completamente extinto, e o Tribunal de Justiça legitimou o pedido de recuperação do Figueirense, após a negativa em primeira decisão, na Vara Regional de Recuperações Judiciais, Falências e Concordatas de Florianópolis.  

Veja a entrevista coletiva do técnico Jorginho

(Imagens: TV Figueira)

Colunistas