nsc
hora_de_sc

Após confusão

Trabalhadores da Comcap decidem pela continuidade da greve em Florianópolis

Serviço de coleta seletiva foi suspenso na terça-feira (21) após a paralisação dos servidores

22/09/2021 - 10h01 - Atualizada em: 22/09/2021 - 12h08

Compartilhe

Catarina
Por Catarina Duarte
Manifestantes fizeram ato em frente ao Centro de Valorização de Resíduos (CVR)
Manifestantes fizeram ato em frente ao Centro de Valorização de Resíduos (CVR)
(Foto: )

Os trabalhadores da Comcap decidiram pela continuidade da greve iniciada na terça-feira (21). A deliberação aconteceu após assembleia da categoria na manhã desta quarta (22). A paralisação do serviço foi marcada por uma confusão em frente ao Centro de Valorização de Resíduos (CVR), no bairro Itacorubi, em Florianópolis. Manifestantes e a Guarda Municipal de Florianópolis (GMF) entraram em confronto. Pelo menos seis pessoas ficaram feridas.

> Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

Após a assembleia, que aconteceu na sede da Comcap na região Continental, os trabalhadores fizeram um ato na Câmara Municipal de Florianópolis. Até as 13h, eles ainda estavam no local.

A greve dos trabalhadores da Comcap foi motivada pela privatização de parte das rotas do serviço de coleta seletiva pela prefeitura da Capital. O Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Florianópolis (Sintrasem), que representa a categoria, alega que uma decisão judicial impede a ação.

As rotas do Continente e do Norte da Ilha passaram a ser feitas pela empresa Amazon Fort. Em desacordo com a ação, após deflagrar a greve, os manifestantes bloquearam a entrada do CRV na terça. O objetivo era impedir que caminhões de lixo da empresa privada acessassem o local.

A Guarda Municipal esteve no local para permitir que os caminhões entrassem no CRV. Por volta do 12h, sem acordo com os manifestantes, foi iniciada uma confusão. Os agentes usaram spray de pimenta e bala de borracha para dispersar o grupo. Um guarda acabou ferido com uma pedrada e um servidor da Comcap precisou levar quatro pontos da cabeça após se machucar.

Os servidores continuaram bloqueando o local até que às 16h uma decisão judicial determinou o desbloqueio imediato. Mais um confronto foi registrado, agora com intervenção também da Polícia Militar. A área foi liberada após a ação

Em entrevista ao Bom dia Santa Catarina, da NSC TV, nesta quarta-feira (22), o prefeito Gean Loureiro (DEM) criticou a greve dos trabalhadores e defendeu a privatização total da coleta seletiva.

— Nós não vamos ser reféns de sindicato e vamos manter essa discussão no foco que tem que ter: serviço público com mais economia para investir em outras áreas — afirmou.

> Vídeo mostra atropelamento de PM em Florianópolis; veja imagens

Já o diretor do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Florianópolis (Sintrasem), Bruno Ziliotto, também ao Bom dia Santa Catarina, disse que a privatização vai diminuir a qualidade do serviço.

— Os trabalhadores entraram em greve para defender a Comcap pública. Não é por salário, não é por equipamento dessa vez. É para defender a existência da Comcap — pontuou.

Leia também

Morador de Florianópolis joga R$ 25 mil no lixo e encontra dinheiro com ajuda de garis, diz Comcap

Coleta seletiva de Florianópolis recolhe 18,5 toneladas de vidro em um mês

Gari de Florianópolis encontra R$ 1,2 mil que dono guardava para pagar aluguel

Colunistas