nsc
    dc

    ONDA GIGANTE

    Tsunami atingiu Santa Catarina em 2019, confirma estudo

    A onda foi registrada nas cidades de Balneário Rincão, Imbituba, Florianópolis e se dissipou próximo a Balneário Camboriú

    29/10/2020 - 18h33

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    A onda foi registrada nas cidades de Balneário Rincão, Imbituba, Florianópolis e se dissipou próximo a Balneário Camboriú
    A onda foi registrada nas cidades de Balneário Rincão, Imbituba, Florianópolis e se dissipou próximo a Balneário Camboriú
    (Foto: )

    Uma publicação na revista científica Natural Hazards confirmou que a “maré alta” que invadiu boa parte do Litoral de Santa Catarina um ano atrás, em 29 de outubro de 2019, causando alagamentos repentinos e deixando um rastro de destruição, era um tsunami. Um tipo específico do fenômeno, conhecido por meteo tsunami, e que está relacionado a questões meteorológicas.

    > Quer receber notícias por WhatsApp? Inscreva-se aqui

    A onda foi registrada pelas estações maregráficas da Epagri. A primeira cidade atingida foi Balneário Rincão. Depois, a onda passou por Imbituba, Florianópolis e se dissipou próximo a Balneário Camboriú, duas horas e meia depois do primeiro registro. Barcos e carros foram carregados pela força das águas, que chamou atenção. 

    O estudo detalhado sobre o fenômeno foi sugerido à Epagri/Ciram por Rogério Candella, pesquisador da Marinha do Brasil no Rio de Janeiro. Em parceria com o oceanógrafo Carlos Eduardo Araújo, da Epagri/Ciram, ele descreveu como a onda formada viajou a cerca de 84 quilômetros por hora, e como o conjunto estações meteorológicas e estações maregráficas instaladas ao longo da costa ajudou a confirmar a ocorrência do fenômeno. 

    Araújo explicou que os meteo tsunamis ocorrem com relativa frequência. São formados pelo alinhamento de uma rápida mudança na pressão atmosférica, que cause ventos significativos, com as ondas que chegam às águas mais rasas, na costa. 

    O pesquisador usou uma analogia simples para explicar a diferença entre um tsunami causado pelo movimento de placas tectônicas, e o meteo tsunami. No primeiro caso, o movimento vem de baixo para cima. É como bater no fundo de um pote de sorvete cheio de água, exemplifica o especialista.

    > VÍDEO: saiba como se formam os principais tipos de marés do litoral de SC

    No segundo caso, do meteo tsunami, o movimento vem de cima para baixo. É como soprar a água que está dentro do mesmo pote de sorvete. O impacto é menos brusco do que o das placas tectônicas, que ocasionou o tsunami que atingiu o Oceano Índico, em 2004.

    Para os especialistas, a confirmação do fenômeno em Santa Catarina mostra a importância do monitoramento. Acompanhar esses movimentos ajuda a prevenir prejuízos materiais e perda de vidas.

    Leia também:

    Entenda o que causou o tsunami meteorológico no litoral do Rio Grande do Sul

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas