nsc
    hora_de_sc

    Coronavírus

    Ultrafreezers da UFSC podem ser cedidos para conservar vacina da Covid em Florianópolis

    Universidade identificou oito equipamentos de ultrabaixa temperatura após receber solicitação da prefeitura para apoio em ações contra a pandemia

    05/01/2021 - 15h00 - Atualizada em: 06/01/2021 - 10h34

    Compartilhe

    Por Guilherme Simon
    Vacina da Pfizer contra a Covid-19 é preparada para ser aplicada em hospital na França
    Vacina da Pfizer contra a Covid-19 é preparada para ser aplicada em hospital na França
    (Foto: )

    Pelo menos oito freezers de ultrabaixa temperatura que pertencem à Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) podem ser cedidos para a Prefeitura de Florianópolis para armazenamento de vacinas contra o coronavírus.

    > Prefeitura de Florianópolis estuda usar Ticen como centro de vacinação contra Covid

    A universidade identificou os equipamentos após receber um ofício da Diretoria de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis solicitando apoio para ações de combate à pandemia.

    Segundo a assessoria da Secretaria de Saúde da Capital, uma reunião entre integrantes da pasta e a universidade para tratar do assunto está prevista para a próxima sexta-feira (8).

    De acordo com a UFSC, os freezers de ultrabaixa temperatura poderiam ser utilizados para armazenamento de vacinas contra a Covid-19 que exigem conservação a temperaturas de -70 graus Celsius.

    Em alguns casos, os ultrafreezers que pertencem à UFSC são usados para conservar culturas de células, material bioativo e bactérias e seu uso para as vacinas depende da transferência de parte das amostras, informou a universidade.

    > Entenda a vacina Oxford-AstraZeneca e seu uso no Brasil

    Algumas vacinas desenvolvidas e já em uso em outros países, como a do laboratório Pfizer, necessitam ser conservadas em temperaturas ultrabaixas. Isso é apontado por especialistas como um fator que dificultaria uma campanha de imunização em larga escala.

    No Brasil, ainda não há uma vacina aprovada para o início da campanha. O governo federal tem um acordo de produção e distribuição fechado com os desenvolvedores da vacina da Universidade de Oxford e do laboratório AstraZeneca. O acordo prevê a compra de 100,4 milhões de doses, que devem ser processadas pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

    > SC tem risco de aumento de casos e mortes por Covid-19 e falta de leitos após aglomerações de fim de ano

    O imunizante é mais barato é mais fácil de administrar que a vacina da Pfizer/BioNTech, por exemplo, já que pode ser armazenada a uma temperatura de entre 2ºC e 8ºC.

    A compra de vacinas da Pfizer, porém, também é uma opção levantada pelo Ministério da Saúde.

    Em Santa Catarina, o governo do Estado espera integrar o plano de imunização nacional, e aguarda os encaminhamentos do governo federal. Segundo o plano de vacinação do Estado, a estimativa é vacinar inicialmente 2,8 milhões de pessoas, pertencentes aos grupos prioritários previstos no plano nacional.

    > Quer receber notícias por WhatsApp? Inscreva-se aqui

    Nesta terça, a Prefeitura de Florianópolis informou que cidades da região estudam unificar o plano de vacinação. Uma das possibilidades estudadas é usar o Ticen (Terminal de Integração do Centro) como um ponto de vacinação contra a Covid-19. A intenção, conforme a assessoria da prefeitura, seria transformar o local em um ponto unificado de imunização, com a possibilidade de vacinação de moradores de diferentes cidades da região da Grande Florianópolis.

    Próxima pandemia? Entenda de onde ela virá

    Leia também

    > Opinião: Festas com aglomeração debocham dos gestores públicos em Santa Catarina

    > São Paulo confirma dois casos da variante do coronavírus identificada no Reino Unido

    > Painel do coronavírus: confira em gráficos como foi o avanço da doença em SC

    Colunistas