nsc
hora_de_sc

Economia

Venda de osso de boi deve ser incentivada, defende associação dos frigoríficos de SC

Polêmica começou com foto de açougue vendendo osso por disparada no preço da carne; Procon defende a doação

06/10/2021 - 10h59 - Atualizada em: 06/10/2021 - 11h09

Compartilhe

Fernanda
Por Fernanda Mueller
Osso de boi é vendido por R$ 4 em mercado de Florianópolis
Osso de boi é vendido por R$ 4 em mercado de Florianópolis
(Foto: )

A Associação dos Frigoríficos Independentes de Santa Catarina (Afisc) se manifestou contrária a nota técnica do Procon SC e da Associação Catarinense de Supermercados (Acats) recomendando que açougues e mercados não vendam osso de boi. Segundo a Afisc, essa é uma prática feita há anos, já que os ossos são usados em pratos tradicionais. 

> Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

A medida do Procon foi tomada depois da repercussão da imagem de uma placa dentro de um estabelecimento de Florianópolis: "Osso R$ 4,00 Kg. Osso é vendido e não dado". O diretor do órgão, Tiago Silva, afirmou que o ato era "desumano", neste momento de crise. 

No entanto, para o presidente da Afisc, Miguel do Valle, a questão só chamou a atenção porque mais pessoas passaram a procurar pelos ossos, já que a carne está muito cara. Ele afirma que a venda já era comum antes da crise. 

— A venda de carne com osso, como um retalho, ou só o osso, sempre foi tradicional na venda de açougues. Existem pratos que precisam de ossos, existe um retalho de osso, principalmente de suíno, que é muito comercializado, o pessoal no inverno faz a "Quirera" e bota esses ossinhos. Isso vem sendo feito tradicionalmente há muitos anos — afirma. 

Ele ainda disse que estimular a venda de ossos, contribui para reduzir a inflação, pois haverá menos competição pelos mesmos cortes de carne: 

— A venda deve ser continuada e incentivada como uma alternativa de segurar inflação e preços. Porque quando as pessoas buscam alternativas mais baratas, elas freiam o consumo de cortes mais caros e faz com que a economia mais rapidamente volte a estabelecer os patamares de preços.

— A partir do momento que o Procon proibir isso, vai tirar uma fonte de proteína importante que são esses retalhos. Isso vai encarecer o preço da carne e mais gente vai disputar a mesma carne — completa.

Leia também

Por que o arroz e o feijão de SC continuam tão caros em 2021?

Frango ou carne bovina: qual é a melhor opção?

Café nosso de cada dia ficou mais caro? Entenda o que afeta o preço da bebida

Colunistas