nsc
nsc

Por dentro do EAD

Voltar a estudar depois dos 40 traz benefícios à carreira profissional e à vida pessoal 

Da recolocação no mercado de trabalho à realização de um sonho, são inúmeros os motivos que levam as pessoas a voltarem a estudar, e os cursos a distância ajudam quem pretende conciliar carreira e estudos 

02/10/2020 - 14h34 - Atualizada em: 05/10/2020 - 10h30

Compartilhe

Estúdio
Por Estúdio NSC
Voltar a estudar depois dos 40 traz benefícios à carreira profissional e à vida pessoal
(Foto: )

Para grande parte dos brasileiros, fazer um curso superior é um sonho que precisa ser adiado, pois nem sempre é possível ingressar em uma faculdade logo após a conclusão do Ensino Médio. Em geral, isso acontece pela necessidade de começar a trabalhar e pela dificuldade de conciliar obrigações profissionais e familiares com os estudos.

No entanto, o aumento da oferta de cursos de educação a distância (EAD) vem permitindo que cada vez mais pessoas voltem a estudar depois dos 40 anos, seja para cursar a primeira ou a segunda graduação. Isso é o que apontou o mais recente Censo da Educação Superior, realizado em 2018 pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Atualmente, há mais de oito milhões de estudantes brasileiros matriculados em algum curso superior no país, desses, mais de 640 mil têm acima de 40 anos. O número de alunos acima dos 40 anos aumentou 27,7% em apenas dois anos, entre 2011 e 2013, quase o mesmo aumento da oferta de vagas em cursos de EAD, que passou de 20% em 2008 para 40% em 2018. Ainda segundo o Censo da Educação Superior 2018, o número de alunos que ingressou em cursos de graduação presenciais caiu 13% entre 2013 e 2018, o que mostra uma preferência pela educação a distância.

Por que voltar a estudar depois dos 40

A flexibilidade de horário dos cursos EAD é uma dos principais fatores que contribuem para o acesso ao Ensino Superior de pessoas com mais de 40 anos e uma rotina atarefada. E as razões para retomar os estudos e fazer uma faculdade depois de alguns anos longe das aulas são muitas. Conheça as principais:

Conhecimento teórico

Pessoas que começam a trabalhar cedo, muitas vezes aprendem o ofício na prática e, mesmo que desempenhem bem suas funções, a falta de conhecimento teórico pode ser um empecilho para a progressão na carreira.

Os cursos de Ensino Superior possuem conteúdo programático planejado para garantir o aporte teórico e científico aos alunos, a fim de formar profissionais aptos a atuarem com eficiência e competência, melhorando ainda mais os processos dentro de uma empresa. Essas características são bastante desejadas pelos recrutadores.

>> Leia mais: Cursos de graduação a distância trazem novas perspectivas para enfrentar a crise

Empregabilidade

De acordo com "Empregabilidade e Ensino Superior em tempos de pandemia", divulgado em julho de 2020 pelo Instituto Semesp, pessoas com nível superior completo têm 50% menos chance de ficarem desempregadas durante e após a pandemia de Covid-19 em relação às que cursaram até o Ensino Médio.

Isso se explica pela redução nos quadros de funcionários das empresas. Com a crise, as organizações precisarão diminuir o número de colaboradores para reduzir os gastos. Nesse processo, os profissionais mais formalmente qualificados tendem a ser mantidos no cargo.

>> Leia mais: Quais são as expectativas e os desafios do mercado de trabalho para depois da pandemia?

Mais competitividade

Profissionais com diploma de curso superior são mais competitivos e saem na frente em processos seletivos e recrutamentos internos.

Como a maioria das empresas consideram a formação acadêmica e o conhecimento teórico requisitos importantes para o preenchimento de cargos mais elevados, quem deseja alcançar patamares mais altos na carreira profissional deve concluir uma graduação.

Maior remuneração

Segundo a última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD), do IBGE, de 2013, o salário dos profissionais brasileiros aumenta em média 15% a cada ano de estudo. Isso significa que o nível de escolaridade está diretamente relacionado ao aumento real da renda do trabalhador.

A PNAD mostrou que um profissional com Ensino Médio completo recebe 38% a mais que quem estudou apenas 10 anos ou menos; enquanto um profissional com nível superior completo ganha, em média, 142% a mais do que alguém que estudou menos 14 anos.

Experiências e desenvolvimento de habilidades além da capacitação técnica

Além do conhecimento teórico, os cursos de graduação proporcionam atividades extracurriculares, como cursos de extensão, palestras e estágios. Mesmo em cursos de educação a distância, é possível aproveitar os anos da faculdade para participar de eventos que promovem a troca de conhecimentos e de experiências.

O contato com colegas, tutores e professores também favorece a aprendizagem, contribuindo para a ampliação do senso crítico, da inteligência emocional, da flexibilidade e da criatividade, enriquecendo o currículo profissional de diversas formas.

Realização pessoal

Além das vantagens na vida profissional, voltar a estudar após os 40 anos pode ser a realização de um sonho. Não é raro encontrar pessoas que voltam à faculdade para fazer uma segunda graduação depois de ter uma carreira consolidada.

Quando ingressamos em um curso superior recém-saídos do Ensino Médio, nem sempre há maturidade e autoconhecimento suficientes, e isso faz com que muitas pessoas se formem e trabalhem uma vida inteira em uma área mesmo desejando estudar outros assuntos. Para essas pessoas, mais que um progresso profissional, retomar os estudos pode significar uma conquista pessoal, que implica em maior autoestima e, por consequência, em mais felicidade.

Alunos com mais de 40 anos tendem a ser pessoas mais experientes, por isso tendem a encarar a vida acadêmica com mais seriedade e comprometimento. Isso reflete na maneira como focam nos estudos e adquirem novos conhecimentos.

O repertório cultural e a vontade de aprender também são pontos a favor dos estudantes que entram na faculdade mais maduros.

Oportunidade de crescimento

Quando o assunto é ensino a distância, a UNIASSELVI se destaca por ter um dos EADs mais reconhecidos do mercado. Há mais 15 anos a instituição oferece cursos de graduação e pós graduação com uma metodologia exclusiva, desenvolvida para proporcionar uma experiência de ensino com mais proximidade e eficiência.

Os cursos são divididos em três modalidades:

Cursos SMART: na modalidade SMART, o aluno estuda a distância por meio da Ambiente Virtual de Aprendizagem. O material de estudos é disponibilizado em uma biblioteca digital, com livros e autores renomados . O curso tem duração de 12 meses, mas o acesso à biblioteca fica disponível por mais seis meses para que o aluno aprofunde seus conhecimentos. Durante o curso, o aluno tem suporte pedagógico que está disponível no Ambiente Virtual de Aprendizagem, com diversas ferramentas de contato e tutoria com formação na área do seu curso.

Curso on-line: a modalidade permite iniciar os estudos a qualquer momento e onde quiser, com material didático exclusivo. É uma modalidade caracterizada pela flexibilidade, já que dispensa a necessidade de cumprir rotinas e horários. O aluno deverá realizar as avaliações que serão disponibilizadas no Ambiente Virtual de Aprendizagem, respeitando o prazo estabelecido pelo cronograma do seu curso. Nesta modalidade as turmas abrem mensalmente, não dependo do fechamento de turma.

Semipresencial com encontro virtual: Nesta modalidade o curso é a distância, mas com encontros virtuais por disciplina e conta com o acompanhamento de um tutor e material didático exclusivo. Tem acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem para realizar a avaliação e acompanhar as atividades desenvolvidas durante o período do curso.

Nas três modalidades, o material didático é exclusivo e há suporte pedagógico com um tutor on-line especializado com formação na área de atuação e dedicação exclusiva a cada turma, que acompanham a evolução do aluno do começo ao final do curso, servindo como um ponto constante de apoio na educação a distância.

Para conhecer os cursos da UNIASSELVI, acesse o site da instituição.

Colunistas