nsc
nsc

Análise

Aplicação de ozônio é mais uma das medidas de ilusão da prefeitura de Itajaí contra o coronavírus

Compartilhe

Ânderson
Por Ânderson Silva
04/08/2020 - 11h10 - Atualizada em: 04/08/2020 - 11h23
Prefeito de Itajaí, Volnei Morastoni: aplicação de produtos sem comprovação científica
Prefeito de Itajaí, Volnei Morastoni: aplicação de produtos sem comprovação científica (Foto: Luis C. Kriewall Filho, Especial, BD)

A aplicação do ozônio retal anunciada pelo prefeito de Itajaí, Volnei Morastoni, não é isolada. Soma-se aos outros medicamentos usados para iludir os moradores no enfrentamento ao coronavírus. O ozônio, por exemplo, não tem comprovação científica nem para outras doenças. Antes da "nova descoberta", o médico Morastoni já apelou também para a cânfora e a ivermectina, também sem efeito confirmado para o coronavírus.

> Tratamento com ivermectina e cloroquina é criticado por pesquisadores da UFSC

Itajaí tem 105 mortes pela Covid-19. Mesmo sendo a sexta cidade em população de Santa Catarina, é a segunda em óbitos pela doença. Desde maio a prefeitura disponibiliza medicamentos homeopáticos para aumentar a imunidade dos moradores. Mas, pelos números, a medida não surte efeito. Agora, o prefeito aposta no ozônio de aplicação retal, uma medida contestada por entidades médicas, organizações científicas, especialistas, profissionais de saúde e órgãos controladores.

A doutora em microbiologia Natalia Pasternak escreveu durante a manhã desta terça-feira em sua rede social que a ozonioterapia sugerida por Itajaí não é prática médica. Além disso, trouxe à tona um artigo que conta a proibição da prática nos EUA por um clínica que tentava usá-la contra o coronavírus. Alexandre Barbosa, infectologista da Unesp e membro da Sociedade Brasileira de Infectologia, lembra que a aplicação traz efeitos colaterais. Segundo ele é uma terapia que não tem reconhecimento de eficácia por estudos científicos sérios.

Vacina contra coronavírus: 15 milhões de doses podem chegar ao Brasil até o fim do ano

A falsa sensação de segurança é o pior dos recados que Morastoni transmite. Ao dizer que o ozônio tem "excelentes resultados", o prefeito coloca na cabeça dos moradores uma ilusão perigosa, capaz de elevar a já preocupante curva de casos do município do Litoral Norte catarinense. É bom lembrar que a cidade fica na região que está há mais tempo no nível gravíssimo para coronavírus em Santa Catarina.

Comprovadamente, segundo cientistas e médicos especialistas em infectologia, a medida mais eficaz para o combate à doença é o isolamento social. Nada mais mostrou-se tão eficaz no momento quanto a redução do contato entre as pessoas. Mesmo assim, espalham-se tentativas de um medicamento que seja o "salvador da pátria", como se o coronavírus fosse uma doença simples e de fácil combate, algo que comprovadamente não se confirma.

A busca desenfreada de autoridades por métodos "milagrosos" prejudica o combate à doença baseado em evidências científicas. Nestes casos, além do desperdídio de tempo e da ilusão causada nas pessoas, trata-se de dinheiro público. O momento pede ação, mas não apostas sem um criterioso embasamento científico. O que se vê em Itajaí é uma fábrica de ilusões no momento em que mais se deve passar segurança.

>Confira os detalhes do avanço do coronavírus em SC em um mapa interativo

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Mais colunistas

    Mais colunistas