nsc
nsc

Opinião

Balneário Camboriú dá "tiro no pé" ao rejeitar passaporte de vacinação

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
24/08/2021 - 13h02 - Atualizada em: 24/08/2021 - 16h34
Praia Central de Balneário Camboriú no Carnaval 2021
Praia Central de Balneário Camboriú no Carnaval 2021 (Foto: Luiz Carlos Souza, Arquivo NSC)

A repercussão do anúncio de que Florianópolis terá um “passaporte de vacinação” até a temporada fez o prefeito de Balneário Camboriú, Fabricio Oliveira (Podemos), avisar de antemão que não seguirá o exemplo da Capital. A informação foi publicada por ele nas redes sociais, ainda na noite de segunda-feira (23).

Em Florianópolis, o “passaporte” está longe de ser unanimidade e provocou reação e notas de protesto entre entidades que atuam no turismo. A alegação dos empresários é que o setor, já prejudicado pela pandemia, poderia sofrer com restrições de acesso.

Passaporte de vacinação em Florianópolis agrava a crise em bares e restaurantes, diz Abrasel

Mas, sejamos honestos: quantos brasileiros não vão se vacinar? Uma estimativa feita pelo Instituto Datafolha, em abril, apontava que 94% da população era favorável à vacina contra a Covid-19. Temos uma população que em sua grande maioria não rejeita vacinas, graças a um modelo exemplar de acesso com um programa público, gratuito e capilarizado.

Para atender àquela pequena parcela de cidadãos que se nega a receber a vacina, nosso turismo abre mão de se vender como um destino mais seguro. A ideia é exigir os “passaportes de vacinação” apenas em locais fechados e com potencial de aglomeração, justamente onde os riscos são mais altos.

Prédios que balançam com o vento: engenharia desafia a física em Balneário Camboriú

Prédio balança em Balneário Camboriú com vento e causa "ondas" em triplex de R$ 17 milhões

A iniciativa tem funcionado em países europeus e nos Estados Unidos. Além de estimular os “fujões” a buscarem a vacina – o que já valeria o passaporte - no caso dos destinos turísticos ela tem outras funções. É um recado, um selo simbólico de segurança para os visitantes. Além disso, protege o sistema de saúde.

É fato que as vacinas não controlam sozinhas a transmissão da Covid-19, mas elas evitam uma boa parte das internações e mortes, e isso tem implicações na rede local de assistência. Vale lembrar que, no verão passado, hospitais do Litoral também atenderam turistas com Covid-19. No mínimo, as vacinas ajudam a reduzir esses números.

É uma pena que um destino popular como Balneário Camboriú, que atrai milhares de turistas todos os anos, deixe de “surfar a onda” da segurança. Se eu estivesse hoje em busca de um lugar para passar as férias, colocaria os destinos com passaporte de vacinação no topo da lista.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz

Leia também

Teve reação à vacina da Covid-19? Saiba o que fazer

Entenda o conflito no Afeganistão com volta do Talibã ao poder em 10 perguntas e respostas​​​​

Variante Delta: veja a eficácia de cada uma das vacinas da Covid​​

Conheça os 16 animais mais estranhos e raros vistos em SC

As diferenças entre as vacinas da Pfizer, Astrazeneca e Coronavac

Nevascas históricas em Santa Catarina; veja fotos e quando aconteceram

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas