nsc
nsc

Opinião

Desfile de blindados em Brasília polui o ar com cheiro de golpe

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
10/08/2021 - 13h13 - Atualizada em: 10/08/2021 - 14h26
Presidente Jair Bolsonaro assiste com comandantes das forças armadas desfile militar
Presidente Jair Bolsonaro assiste com comandantes das forças armadas desfile militar (Foto: Marcos Corrêa/PR)

O desfile de blindados na Praça dos Três Poderes, na manhã desta terça-feira (10), ficará marcado como mais um episódio da distopia para onde o bolsonarismo empurrou o Brasil. Um arremedo daquelas exibições militares que são comuns em países comandados a mão-de-ferro (com uma frota de tanques de guerra que incluía peças dignas de museu).

Receba as principais informações de Santa Catarina pelo Whatsapp

Seria apenas patético não fosse o simbolismo perverso: o fumacento espetáculo, que remete à ditadura, é uma tentativa de demonstrar força e adesão militar por um governo fraco, encurralado pela inflação galopante, os altos índices de desemprego e a instabilidade política. Uma tentativa de pressionar o Congresso Nacional horas antes da votação da desnecessária e obtusa PEC do voto impresso.

Distritão, voto impresso, Código Eleitoral: o que está em jogo na reforma política

A “parada militar” desta terça-feira expôs o abjeto descaso do presidente da República e dos comandantes de forças militares, que se exibiram sem máscaras em meio a uma pandemia que já matou mais de meio milhão de brasileiros, e poluiu o ar com um insuportável cheiro de golpe. 

Há uma conhecida expressão em inglês que diz que “se algo parece com um pato, nada como um pato e grasna como um pato, é bem provável que seja um pato”. Mesmo assim, governistas tentaram minimizar o fato. Entre eles o vice-líder do governo, senador Jorginho Mello (PL), que disse na CPI não ter visto nada demais. Foi repreendido, com veemência e para todo o Brasil ver, pelo senador Omar Aziz: “O senhor já tem idade para saber um pouco da história”. 

Em guerra com a democracia, Bolsonaro diz que "só Deus" o tira da presidência em Joinville

Bolsonaro diz que "não tem como comprovar se eleições foram fraudadas"

Enebriados pelo grande apoio popular que o presidente recebeu no fim de semana em SC, um dos estados com maior número de apoiadores do governo no país, parte dos parlamentares catarinenses engoliu a seco o compromisso que firmaram com a Constituição. É lamentável que a grande maioria da bancada apoie a PEC do voto impresso e alardeie que as urnas pelas quais foram eleitos não são seguras ou “auditáveis” – o que, como bem sabem, é mentira. 

Conselho das Federações de SC se manifesta favorável ao voto impresso

Quem surfa a onda do golpismo em troca de votos sabe que põe a democracia em risco e conhece (ou finge desconhecer) o preço a ser pago. Ulysses Guimarães disse: “Temos ódio à ditadura. Ódio e nojo”. O Brasil será sempre melhor com a democracia - a mesma democracia que ajudou a eleger quem hoje covardemente a ataca.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz

Leia mais

Voto impresso: veja como funciona e entenda a polêmica

Deputados de SC votarão em peso a favor do voto impresso

Distritão, voto impresso, Código Eleitoral: o que está em jogo na reforma política

Site omite que pesquisa com vantagem para Bolsonaro foi feita apenas em SC

Checamos: vídeo não prova fraude nas eleições com urna eletrônica em 2014

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas