Considerada a maior investigação de suspeitas de corrupção em Santa Catarina, a Operação Mensageiro – concentrada até agora em contratos de prestação de serviço do Grupo Serrano ligados à coleta e descarte de lixo – deve ultrapassar o setor de resíduos sólidos. A coluna apurou que a investigação deve estender os tentáculos a outros dois serviços fornecidos às prefeituras: saneamento básico e iluminação pública.

Continua depois da publicidade

Receba notícias do DC via Telegram

De acordo com as investigações, o grupo também teria contratos nesses dois setores com dezenas de municípios em Santa Catarina. Mas a tendência, segundo informações, é a de que as investigações ultrapassem os limites da Serrana. Negociações dos municípios com outras empresas da mesma área de atuação já estão na mira do Grupo de Atuação no Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) e do Grupo Anticorrupção (Geac).

Empresa do “Propinoduto do Lixo” teria participado de 780 licitações em SC

As suspeitas dos investigadores são as de que o esquema generalizado de corrupção na prestação de serviço público já ocorra há pelo menos uma década no Estado e que muitos prefeitos tenham sido cooptados antes mesmo de assumirem as prefeituras.

Continua depois da publicidade

Propina no escândalo do lixo de SC passaria de R$ 100 milhões; empresa teria lucrado R$ 430 mi

No momento, contratos do Grupo Serrana com mais de 40 municípios estão sob análise. Os investigadores buscam indícios de pagamento de propinas não apenas a prefeitos, mas também a funcionários do segundo e terceiro escalão de diferentes prefeituras.

Leia mais

Aluguel da Universidade da PRF em Florianópolis tem custo milionário

Escândalo do lixo tem filmagem de maços de dinheiro em frente a casa de prefeito

A vida de luxo do “braço direito” do Escobar Brasileiro em Balneário Camboriú

Jorginho institui Escola Sem Partido em SC para atender deputada que “caçou” professores

Destaques do NSC Total