nsc
nsc

Educação

Escolas cívico-militares vendem marketing da disciplina

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
11/02/2021 - 17h29 - Atualizada em: 11/02/2021 - 19h15
Investimento é o que aumenta a efetividade da escola militar
Escola militar (Foto: Cristiano Estrela)

Às vésperas do retorno às aulas presenciais, depois de quase um ano, chama atenção que o primeiro ato do emedebista Luiz Fernando Vampiro à frente da Secretaria de Estado da Educação tenha sido o anúncio de uma nova escola cívico-militar em Criciúma. Nesta quinta-feira (11), foi a fez de Tubarão. Uma pauta essencialmente bolsonarista, sob medida para o aceno a uma fatia do eleitorado.

> Sétima escola cívico-militar de SC será implantada em Tubarão

> Anderson: Com sete escolas, Santa Catarina aposta em modelo cívico-militar

As escolas cívico-militares voltaram com tudo à pauta dos governos – especialmente em Brasília – depois de terem arrefecido em 2020, em meio à pandemia e à troca de ministro na Educação. Mas seguem como a grande aposta do MEC para o ensino público no Brasil. Trata-se, basicamente, do marketing da disciplina.

> Volta às aulas: veja as regras para o retorno dos alunos da rede estadual de ensino

> Volta às aulas nas escolas estaduais de SC será em 18 de fevereiro; confira calendário

O modelo simula o dos conceituados colégios militares, escolas públicas de elite que dividem com os institutos federais e colégios de aplicação alguns dos melhores resultados do país. Mas, convenientemente, ignora que o sucesso dessas escolas está escorado em uma receita com ingredientes fundamentais: professores bem pagos, infraestrutura exemplar e alto investimento. O do Exército, por exemplo, chega a R$ 19 mil por aluno – pelo menos três vezes mais do que uma escola pública comum.

Hierarquia e disciplina estão, evidentemente, no cardápio dos colégios militares. Mas não só. Apesar disso, esse foi o aspecto da escola militar vendido como ‘solução’ para o ensino público brasileiro. 

> SC tem 22 entre as 357 cidades do país sem mortes por covid-19

Na prática, o modelo cívico-militar ‘embala’ as escolas públicas de sempre com uniforme, corte de cabelo obrigatório e alunos prestando continência para militares da reserva remunerada – a maioria deles, de alta patente e melhor pagos que qualquer um dos professores em sala de aula.  

> Painel do Coronavírus: saiba como foi o avanço da pandemia em SC

A propaganda convence muitos pais e responsáveis, que acreditam na promessa de um futuro melhor para suas crianças e adolescentes. Só que, sem atacar problemas reais da educação, como a má formação e a péssima remuneração dos professores, a escola cívico-militar é instrumento político e ideológico. Muito distante da educação libertadora, horizontalizada e criativa de países como a Finlândia, que tem alguns dos melhores indicadores do mundo nessa área. 

Disciplina, uniformização e verticalização são respostas simples para a complexidade da educação. Mas a política, no Brasil, tem uma queda irresistível pelas soluções que parecem fáceis demais.   

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas