nsc
nsc

Opinião

Fim do Bolsa Família é um desastre para quem mais precisa

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
31/10/2021 - 12h42 - Atualizada em: 01/11/2021 - 06h45
Cartão do Bolsa Família, programa extinto pelo governo
Cartão do Bolsa Família, programa extinto pelo governo (Foto: Wikipedia Commons)

É oficial: foi paga pelo governo a última parcela do Bolsa Família, programa que se tornou referência mundial no combate à pobreza. A partir de novembro, espera-se que esteja na rua o Auxílio Brasil. A esta altura, no entanto, há apenas incertezas – da fonte de financiamento ao valor ao qual quem depende do auxílio terá acesso no mês que vem. Ao longo dos últimos anos, cerca de 100 mil famílias foram beneficiadas pelo programa somente em Santa Catarina.

Receba as principais informações de Santa Catarina pelo Whatsapp

A promessa do governo é subir o valor mensal do auxílio para R$ 400. Mas, caso não consiga viabilizar o financiamento, o valor deve ser alterado. Esse upgrade é temporário e vale só no ano eleitoral – ou seja, passadas as Eleições de 2022, ninguém sabe o que será do programa.

Essa é apenas uma das inconsistências do Auxílio Brasil. Não se trata apenas de uma repaginada no Bolsa Família, mas da troca de uma política pública eficiente por um Frankenstein mal enjambrado. O governo está substituindo um programa com lastro, porta de entrada e de saída, por um puxadinho.

Queima de fogos do Réveillon em Balneário Camboriú tem recorde de ofertas milionárias

Não se discute a necessidade de aumentar os valores do benefício e o número de famílias beneficiadas, como prevê o Auxílio Brasil. Ao longo dos anos, o Bolsa Família não foi reajustado de acordo as perdas inflacionárias e o poder de compra das famílias diminuiu consideravelmente. Em 2004, o benefício correspondia a 30% do salário mínimo. Hoje, não passa de 17% - um valor baixo demais diante dos preços que não param de aumentar.

Vereadores de SC pedem que Netflix retire Round 6 do catálogo

O problema não é dar mais, é abrir mão de um programa que não era uma simples transferência de renda. Os condicionantes do Bolsa Família fizeram com que a União tivesse uma fotografia mais clara da pobreza no Brasil, e garantiram o acesso dos mais vulneráveis às políticas públicas mais elementares. 

Esses condicionantes incluíam a obrigatoriedade de que as crianças estivessem matriculadas na escola e estivessem com a carteirinha de vacinação em dia, por exemplo. Reportagem da BBC Brasil mostrou o impacto que o programa teve em redução da insegurança alimentar, aumento na escolaridade das mulheres e o efeito multiplicador no PIB.

Alargamento de Balneário Camboriú termina; veja como foi a obra

Dados trazidos por outra reportagem, do Estadão, mostraram que 69% dos primeiros beneficiários do Bolsa Família, em 2003, deixaram voluntariamente o programa porque encontraram meios de aumentar a própria renda. Isso coloca por terra a crença rasa de que pessoas assistidas por programas sociais se acomodam em viver de verbas governamentais. A dignidade é irmã da oportunidade.

O problema com o Auxílio Brasil é que ele traz um amontoado de programas acessórios como bolsa atleta e de iniciação científica, tudo junto e misturado. Não foi construído para melhorar o programa antigo, mas para sepultá-lo apenas. É como uma estátua oca de bronze, brilhante por fora e vazia por dentro.

Beto Carrero World faz proposta para comprar Hopi Hari em parceria com outros parques

Diante do empobrecimento dos brasileiros, o governo Bolsonaro poderia – e deveria - ter deixado os valores do Bolsa Família mais robustos. Poderia até mesmo ter mudado o nome do programa, se faz questão de imprimir uma marca própria para disputar a reeleição no ano que vem. Mas o desmonte de uma política pública eficiente, para substituí-a por um arremedo, poderá custar muito caro ao Brasil. Especialmente para quem mais precisa.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz

Leia mais:

Por que o alargamento da praia em Balneário Camboriú atraiu tubarões

Prédio mais alto da América do Sul tem Neymar, Luan Santana e números recordes em Balneário Camboriú

Polêmico, uso de fuzis por Guardas Municipais chega a SC

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas