nsc
nsc

Segurança

Polêmico, uso de fuzis por Guardas Municipais chega a SC

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
16/10/2021 - 11h13 - Atualizada em: 16/10/2021 - 11h53
Guarda Municipal de Balneário Camboriú vai usar fuzis
Guarda Municipal de Balneário Camboriú vai usar fuzis (Foto: Reprodução)

A flexibilização do uso de armas de grosso calibre pelo governo federal abriu brechas legais para que Guardas Municipais comecem a utilizar fuzis no Brasil – o que não é visto com bons olhos por uma boa parte dos especialistas em segurança pública. A discussão começou a aquecer ao longo dos últimos meses com a aquisição de armas pela GM em São Paulo, no Paraná e no Rio Grande do Sul. Agora, chegou a Santa Catarina por meio da doação de fuzis à GM de Balneário Camboriú.

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

O assunto envolve discussões sobre o preparo dos agentes e a real necessidade de guardas municipais portarem armas com grande poder de fogo, usadas por forças militares em ações de guerra. Mas não só: esbarra na função constitucional das guardas civis, que foram criadas originalmente para a proteção do patrimônio público e relação comunitária, e não para o combate.

Os fuzis de Balneário Camboriú são calibre 556 modelo T4, semiautomáticos - o mesmo modelo adquirido por GMs em outros estados. O armamento foi doado pelo Balneário Shopping, do Grupo Almeida Junior, em uma ação intermediada pelo Conselho Comunitário de Segurança Pública e Cidadania (Conseg). Foi o Conseg que escolheu dividir as armas entregues pelo shopping entre a Polícia Militar, a Polícia Civil e a Guarda Municipal. Segundo o presidente do Conseg, Valdir de Andrade, a decisão levou em conta a flexibilização do uso do armamento e a compra de fuzis por outras guardas municipais no país.

Surfistas se deparam com tubarão em Balneário Camboriú

Por que o alargamento da praia em Balneário Camboriú atraiu tubarões

Em agosto, o comandante da 3ª Região da PM, coronel Jofrey Santos da Silva, denunciou o fato ao Ministério Público. Alegou que, para portar fuzis, os guardas municipais precisam de autorização especial do Exército Brasileiro. De fato, a liberação das armas para a GM ainda depende do aval das Forças Armadas, que está em andamento - por isso, PM e Polícia Civil já receberam as armas doadas, mas a GM ainda não.  À coluna, o coronel disse que não discute o direito da GM utilizar os fuzis, mas o cumprimento das exigências legais.

- Que primeiro preencham os requisitos, se capacitem. Qualquer instituição que monitora a legalidade precisa cumprir os requisitos legais - afirmou

Prédio mais alto da América do Sul tem Neymar, Luan Santana e números recordes em Balneário Camboriú

Prédio balança em Balneário Camboriú com vento e causa "ondas" em triplex de R$ 17 milhões

O comandante da Guarda Municipal de Balneário Camboriú, Douglas Ferraz, diz que as exigências estão sendo cumpridas e a liberação do armamento deve ocorrer nos próximos dias. Segundo ele, o uso dos fuzis será reservado a ações especiais. Para Ferraz, os fuzis têm caráter preventivo - ele afirmou que a decisão de incorporá-los à GM veio após a ação do "novo cangaço" em Criciúma, em abril deste ano. 

- Onde tem polícia bem aparelhada, as ações criminosas não são estimuladas - disse. 

Uso é restrito mesmo na PM

Na própria Polícia Militar, o uso de fuzis é restrito. Até pouco tempo atrás, somente os grupos táticos podiam se especializar nesse tipo de armamento. A regra mudou recentemente e policiais que atuam na rádio patrulha, por exemplo, já podem fazer curso para portar fuzil. Mesmo assim, o uso desse tipo de arma é reservado para operações especiais na PMSC, e não para o policiamento regular.

Moisés avalia ir à Conferência do Clima em Glasgow em comitiva de governadores

Especialistas ouvidos pela coluna, dentro e fora das polícias, indicam que há uma relação inversamente proporcional entre poder de fogo e sensação de segurança. Agentes fortemente armados em locais de grande circulação de pessoas, por exemplo, aumentam a percepção de que o local é inseguro. Por isso as PMs não usam fuzis no policiamento cotidiano no Estado.

Além disso, há controvérsias que envolvem a necessidade de incorporar uma arma de tamanho poder letal às forças de segurança.

- Não se usa fuzis para a segurança pública, se usa apenas para guerras, quando o objetivo é eliminar pessoas. Se há criminosos com fuzis, que a polícia investigue, prenda estes criminosos e acabe com o comércio ilegal de fuzis - avalia o advogado Felippe Angeli, gerente de advocacy do Instituto Sou da Paz.

Dario Berger apresenta relatório final do Sistema Nacional de Educação no Senado

Função constitucional da GM

O assunto é especialmente delicado quando se trata de uma guarda que tem como função constitucional primária a proteção do patrimônio público, e não o combate direto à criminalidade. A partir desse ponto de vista, o uso dos fuzis seria não apenas desnecessário, mas uma afronta à prerrogativa constitucional das guadras municipais.

Em setembro, a Defensoria Pública de São Paulo entrou na Justiça para suspender a compra de fuzis pela Guarda Municipal da capital paulista, alegando ação "absolutamente inconstitucional, ilegal e abusiva". A Defensoria alegou que a prefeitura de São Paulo está atribuindo à GM "a função de atuar como se polícia ostensiva e investigativa fosse, o que o faz com claro desvio de finalidade”.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz

Leia também

Teve reação à vacina da Covid-19? Saiba o que fazer

Entenda o conflito no Afeganistão com volta do Talibã ao poder em 10 perguntas e respostas​​​​

Variante Delta: veja a eficácia de cada uma das vacinas da Covid​​

Conheça os 16 animais mais estranhos e raros vistos em SC

As diferenças entre as vacinas da Pfizer, Astrazeneca e Coronavac

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas