nsc
nsc

Política

Vereadores de SC pedem que Netflix retire Round 6 do catálogo

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
29/10/2021 - 11h13 - Atualizada em: 29/10/2021 - 14h35
Round 6 mostra competição violenta com jogos infantis
Round 6 mostra competição violenta com jogos infantis (Foto: produção, Netflix)

A Câmara de Vereadores de Içara, no Sul do Estado, enviou um ofício à Netflix para que retire do catálogo seu maior sucesso de todos os tempos: a série sul-coreana Round 6, que já foi assistida por mais de 100 milhões de assinantes em todo o mundo. No documento, os parlamentares alegam que a série pode ter impacto sobre a saúde mental de crianças e adolescentes por misturar brincadeiras infantis com cenas de tortura e violência.

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

O ofício para que a Netflix retire do ar sua galinha dos ovos de ouro é resultado de um requerimento do vereador Edson Freitas, que foi aprovado pelos demais parlamentares. O Legislativo de Içara já havia aprovado uma outra proposta do vereador sobre o tema, menos ousada e mais factível – em uma indicação à prefeitura, ele pediu um alerta às escolas municipais sobre o conteúdo da série.

Queima de fogos do Réveillon em Balneário Camboriú tem recorde de ofertas milionárias

Outras cidades no Estado, como Itajaí, já tiveram manifestações semelhantes no Legislativo e algumas escolas fizeram orientações aos pais. Esse tipo de preocupação tem surgido também em outros estados, com recomendações pontuais para que os responsáveis estejam atentos ao que as crianças acessam na plataforma de streaming. 

Vereadora de Florianópolis quer derrubar o passaporte da vacina

Ao que consta, no entanto, o pedido para exclusão da série, como foi feito pela Câmara de Içara, é inédito - o que soa incoerente diante da oferta infinita de produtos direcionados a adultos (e portanto impróprios para crianças) que estão disponíveis nas redes. Se os vereadores de Içara decidirem ir à caça de qualquer produção que contenha violência e sexo, faltará tempo para legislar. 

Não é para crianças

A série em questão mostra adultos em uma competição de vida ou morte por dinheiro, que envolve jogos infantis tradicionais coreanos. Hwang Dong-hyuk, criador de Round 6, disse que queria retratar uma fábula sobre sociedade capitalista moderna e competitiva ao extremo. Evidentemente, não se trata de uma temática infantil – a indicação etária da série é 16 anos.

Lei que libera educação domiciliar em SC tende a parar na Justiça

O próprio criador disse recentemente, em entrevista ao jornal O Globo, que a série não é para crianças.

- Não estou em nenhuma rede social, então nem pensei na possibilidade de crianças assistirem por essas mídias. Essa obra não é para elas. Estou perplexo que crianças estejam vendo.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz

Leia mais:

Por que o alargamento da praia em Balneário Camboriú atraiu tubarões

Prédio mais alto da América do Sul tem Neymar, Luan Santana e números recordes em Balneário Camboriú

Polêmico, uso de fuzis por Guardas Municipais chega a SC

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas