nsc
    nsc

    Política

    Enquanto impeachment avança, ‘governo interino’ está no forno em Santa Catarina

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    21/10/2020 - 14h09 - Atualizada em: 23/10/2020 - 09h52
    Governador Carlos Moisés
    Governador Carlos Moisés (Foto: Tiago Ghizoni, Arquivo NSC)

    Do ponto de vista político, não há salvação para o governo Moisés. O resultado da votação do segundo processo de impeachment, na terça-feira (20), mostra que os movimentos tardios do governador na tentativa de consertar os erros na relação com o parlamento não surtiram qualquer efeito.

    > Acompanhe AQUI a votação AO VIVO a votação do impeachment de Moisés e Daniela no tribunal de julgamento

    > Impeachment de Moisés por compra de respiradores é aprovado por deputados

    Oficialmente, tenta-se ainda manter o clima de que o resgate do governo é possível. Mas o recado dado pelos 36 votos a favor do impeachment na Alesc sinalizam o oposto e minam as expectativas.

    A movimentação de currículos por parte dos comissionados, que começou no ‘andar de baixo’ do governo, já ocorre sob as barbas do governador, entre sua equipe mais próxima.

    > Anderson: Os dois votos de Moisés: uma derrota do tamanho da inabilidade política

    Upiara: Placar do impeachment mostra que governo Moisés acabou, mesmo que continue

    Renato: Só um milagre salva Moisés e Daniela no Tribunal de Julgamento do impeachment

    Existe, é claro, a possibilidade de que Moisés seja poupado, ou mesmo a vice-governadora Daniela Reinehr. Mas as chances são remotas.

    O fato é que a inabilidade política do governo Moisés abriu espaço para que os deputados enxergassem a chance de um governo ‘gerido pela Alesc’, sem porteiras. E essa possibilidade é deveras atraente para o parlamento.

    Para completar o cenário, a paralisação da Operação Alcatraz, com uma forcinha do Judiciário, teve o poder de ofuscar, ainda que temporariamente, a aura de suspeição que poderia envolver a transição. Isso faz com que, esta altura - como ressaltou o colega Renato Igor - só um milagre operado pela Justiça seja capaz de salvar Moisés do impeachment.

    Enquanto as peças se encaixam, o ‘governo interino’ que pode assumir o comando de Santa Catarina está no forno. Se na superfície impera o silêncio, nos bastidores o burburinho é grande e o entendimento é de que uma mudança de governo abre inúmeras possibilidades na Alesc.

    Há parlamentares interessados em assumir secretarias, outros de olho numa futura movimentação de cadeiras no comando do Legislativo, mais à frente, e outros ainda que miram cargos no governo para abrir espaço para os suplentes, num jogo de ganha-ganha. Tudo, é claro, sob as bênçãos dos partidos.

    O Tribunal de Julgamento, na sexta-feira (23), indicará qual será o futuro do governo de Santa Catarina. Se a história jogar o comando no colo da Alesc, tudo indica que o time estará escalado para entrar em campo - ainda que o aquecimento ocorra longe dos holofotes. 

    Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

    Mais colunistas

      Mais colunistas