nsc
nsc

Apreensão recorde

Ministro cita parlamentares de SC e outros Estados no caso das madeiras apreendidas no Pará

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
26/04/2021 - 21h43 - Atualizada em: 27/04/2021 - 06h23
Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente
Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente (Foto: Marco Favero, Agência RBS)

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse nesta segunda-feira (26) em entrevista ao jornalista Rodrigo Bocardi, na rádio CBN, que agiu no caso da apreensão recorde de madeira no Pará a pedido de parlamentares. Entre os citados por Salles estão o senador Jorginho Mello (PL) e a deputada federal Caroline de Toni (PSL).

> Um dia após promessa na Cúpula do Clima, Bolsonaro corta verba para meio ambiente

A interferência do ministro no caso resultou em uma notícia-crime contra ele, e na substituição do superintendente da Polícia Federal na Amazônia, delegado Alexandre Saraiva, que o acusou de agir para favorecer madeireiros.

> Análise: Bolsonaro modera discurso na Cúpula do Clima, mas mente sobre fiscalização

Salles afirmou, na entrevista, que Jorginho Mello e Caroline de Toni o teriam procurado em defesa de empresários de Santa Catarina que atuam no ramo de madeiras no Pará. 

Além dos dois catarinenses, Salles citou outros três parlamentares, todos da região Norte do país: os senadores Telmário Mota (PROS-RR), Zequinha Marinho (PSC-PA) e Mecias de Jesus (Republicanos-RR).

Acompanhe o trecho em que os parlamentares são citados:

Bocardi - Ministro, o senhor avalia que é o caso de um ministro de Estado se envolver em questões desse tipo?

Salles - Bocardi, veja só, nós fomos procurados. Primeiro, pelo senador Jorginho Mello e pela deputada Caroline de Toni, poque eles são representantes do estado de Santa Catarina, e parte desses empresários que se acham prejudicados são de Santa Catarina mas estão há décadas no Pará. Depois fomos procurados pelo senador Telmario Mota, porque seus eleitores lá no estado de Roraima também foram objeto de fiscalização. Fomos procurados pelo senador Zequinha Marinho e Mecias de Jesus. Ou seja, estou falando de quatro senadores. 

> Bolsonaro promete reduzir emissão de carbono e fala em "neutralidade climática" até 2050

Salles diz que agiu por celeridade

O ministro argumentou que o pedido de intervenção teria partido dos parlamentares e de diferentes órgãos para que o processo fosse agilizado. Ele afirma que o delegado Alexandre Saraiva não respeitou o prazo de 120 dias de inquérito, nem ouviu todas as partes no decorrer do processo. Salles acusou Saraiva, na entrevista à CBN, de uma "narrativa mentirosa" e de "tentativa de criar um fato político".

A deputada Caroline de Toni informou, por meio de sua assessoria, que sua manifestação sobre o caso foi feita na audiência pública da Comissão de Legislação Participativa em que o delegado Alexandre Saraiva foi ouvido, nesta segunda-feira.

> Floresta amazônica perde dois campos de futebol por minuto para o desmatamento

Em sua fala, a deputada afirmou ter intercedido por empresários de Santa Catarina porque, segundo ela, o delegado não abriu espaço para contraditório e ampla defesa na apreensão de madeiras.

- Tem pessoas no estado de Santa Catarina, ao qual eu pertenço, que têm propriedades no estado do Pará e que são honestas e corretas. E eu fui pedir se estava tudo certo mesmo e me apresentaram um rol, a lista e o procedimento. Vi que havia todos os protocolos - disse a deputada. 

O senador Jorginho Mello confirmou à coluna que foi procurado por empresários catarinenses que afirmaram haver irregularidades na apreensão. Segundo o parlamentar, uma reunião foi realizada com o ministro Ricardo Salles, a pedido deles, no dia 25 de março. 

- Estava ocorrendo uma situação inusitada, estavam aprendendo madeiras com tudo legalizado, com plano de manejo. Pediram pra mim uma audiência com o ministro do meio ambiente. Não vieram pedir algo ilegal - afirma Jorginho.

> CPI da Pandemia: "Não é Bolsonaro o culpado pelo vírus", diz Jorginho Mello

Ainda de acordo com o senador, a reunião contou com a participação de parlamentares e representantes do Ministério da Justiça, Polícia Federal, Incra, ICM Bio e procuradoria do Estado do Pará. Segundo Jorginho, nesse encontro o ministro disse que iria verificar in loco as acusações dos empresários. 

A visita do ministro ocorreu no início de abril. O senador diz que ele e a deputada Caroline de Toni não viajaram ao Pará com Ricardo Salles porque a data coincidiu com a vinda do presidente Jair Bolsonaro a Chapecó. 

Delegado acusa ministro

Durante audiência na Câmara dos Deputados, nesta segunda-feira, o delegado Alexandre Saraiva voltou a afirmar que o ministro do Meio Ambiente legitimou a ação de madeireiros ilegais, em vez de apoiar as ações de fiscalização que ocorriam na Amazônia. Ele foi o responsável pela notícia-crime contra Ricardo Salles, que tramita no STF.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Leia também:

Daniela exonera Mané Ferrari da presidência da Santur

Vacina da Pfizer: Florianópolis será a única cidade de SC que receberá o imunizante mais eficaz

​Elon Musk decidiu em Florianópolis que iria investir foguetes e revolucionar a corrida espacial​

Ex-ministro José Eduardo Cardozo diz que impeachment de Moisés foi "aberração"

Interrogatório de Moisés: Roesler diz que Tribunal do Impeachment não é "palco inquisitivo"​

Secretário catarinense de Bolsonaro troca o PSL pelo PL

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas