O Supremo Tribunal Federal (STF) determinou nesta quinta-feira (7)  a soltura do “pastor” Dirlei Paiz, de Blumenau, preso na 14ª fase da Operação Lesa Pátria, que apura os crimes relacionados aos ataques do dia 8 de Janeiro. A liberação foi confirmada pelo advogado Jairo Santos, que representa o blumenauense.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Blumenau e região por WhatsApp

Ainda não foi informado se o STF determinou alguma outra medida restritiva, como uso de tornozeleira eletrônica, por exemplo. No início da noite, o advogado informou que estava tratando do processo de liberação no presídio.

Pastor de Blumenau preso foi acordado pela PF e tem cargo de confiança na Câmara

Paiz estava detido desde agosto, quando foi deflagrada a 14ª etapa da operação, que teve alvos em seis estados. Essa fase da Lesa Pátria mirou nos organizadores e incitadores da tentativa de golpe. Os alvos foram suspeitos de terem fomentado o movimento violento chamado de “Festa da Selma”, codinome usado entre manifestantes extremistas para se referir às invasões.

Continua depois da publicidade

Pastor detido em Blumenau zombou da Justiça em vídeo: “Preso? Só que não”

Até ser preso, Dirlei Paiz tinha um cargo de confiança na Câmara de Vereadores de Blumenau. Era lotado no gabinete do presidente do Legislativo, Almir Vieira (PP), como coordenador político, com salário de R$ 5.075.

Leia mais:

Delegado da Lava Jato está por trás de “boom” nas investigações de crimes financeiros em SC

Após acordo, Porto de Itajaí volta a ter três navios “em fila” e movimentação simultânea

Governo revela que abriu mão de R$ 1,5 bi para não aumentar imposto em SC

Como jovens de classe média de Balneário Camboriú viraram bilionários da Faria Lima investigados pela PF

Quem é o britânico chefão do tráfico na Europa que vivia secretamente em Balneário Camboriú

Destaques do NSC Total