nsc
nsc

Valorização

Salário mínimo de R$ 5 mil para professores em SC vai incluir os ACTs; mas não é piso salarial

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
16/06/2021 - 11h04 - Atualizada em: 16/06/2021 - 11h14
Professores temporários também receberão R$ 5 mil ou mais em SC
Professores temporários também receberão R$ 5 mil ou mais em SC (Foto: Betina Humers, Arquivo NSC)

O anúncio do governador Carlos Moisés (PSL), de que nenhum professor de 40 horas na rede estadual receberá menos de R$ 5 mil em Santa Catarina, vai incluir os efetivos ativos e inativos, e também os ACTs – os trabalhadores temporários da educação. Mas a medida não mexe com o piso do Magistério no Estado, que hoje é de R$ 2,8 mil.

Professores terão ‘salário mínimo’ de R$ 5 mil em SC, diz Moisés

O salário mínimo de R$ 5 mil está sendo tratado pelo governo como “piso remuneratório”. O secretário de Administração, Jorge Tasca, explica que se trata do salário final, somados o piso do Magistério e todas as gratificações e adicionais às quais o trabalhador tem direito. Esses benefícios são individuais, e variam para cada profissional da Educação.

Estado vai liberar R$ 1,2 bi em crédito sem juros para pequenos empresários e MEIs

No caso dos professores, podem entrar na soma os adicionais por tempo de serviço e a gratificação por atividade em sala de aula, por exemplo. Os profissionais que, mesmo somados todos os adicionais, não alcançarem R$ 5 mil de remuneração, terão complemento pago pelo governo. A expectativa é que o mínimo estadual alcance 50 mil profissionais, de um total de 76 mil entre ativos, inativos e ACTs.

Reforma da Previdência em SC vai prever economia de até R$ 37 bi em 20 anos

A definição sobre quais benefícios entrarão ou não na conta ainda está sendo debatida pelo governo, e estará descrita na lei que autorizará a concessão. Uma ressalva que tem sido feita pelo Estado é que o “salário mínimo” não interfere nas discussões sobre o novo plano de carreira, que foram retomadas esta semana em comissão mista na Alesc. A intenção é melhorar o plano de carreira, para aumentar o reconhecimento dos profissionais e aumentar o interesse de novos profissionais.

Renato Igor: Aumento para professor é excelente, mas medida isolada não melhora educação

O principal obstáculo é a Lei Complementar 173, que proíbe reajustes ao funcionalismo público estadual e municipal, em todo o país, como contrapartida pelos recursos extras recebidos do governo federal na pandemia. De acordo com o secretário Jorge Tasca, a determinação do governo é “estudar todas as possibilidades jurídicas” para estabelecer o salário mínimo e conceder o aumento ainda este ano. As negociações são tocadas pela Fazenda, Educação e PGE.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Leia também:

Médico de SC é convocado por engano pela CPI da Covid no lugar de “cloroquiner”

Como mudanças na Lei de Improbidade podem ser "estouro da boiada" no controle da corrupção

Ação do Estado que questiona leilão dos aeroportos é suspensa no STF

Saúde recomenda restrições às prefeituras de SC diante de piora da Covid-19

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas