nsc
nsc

Análise

Trump antecipa risco de instabilidade nas eleições brasileiras em 2022

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
05/11/2020 - 16h17 - Atualizada em: 05/11/2020 - 17h47
Jair Bolsonaro e Donald Trump se encontraram na Casa Branca
Jair Bolsonaro e Donald Trump se encontraram na Casa Branca (Foto: JIM WATSON / AFP)

A postura do presidente Donald Trump, de judicializar as eleições nos Estados Unidos alegando fraude – sem provas, por enquanto – acende o alerta para o cenário das eleições de 2022 no Brasil. Não apenas porque Jair Bolsonaro é um notório fã do presidente norte-americano. Mas também porque o presidente brasileiro é veterano na tática de questionar o resultado eleitoral.

> Trump x Biden: acompanhe a apuração das eleições nos EUA

Nas eleições de 2018, brotou nas redes sociais a informação de que as urnas eletrônicas seriam fraudáveis. Que atire a primeira pedra quem não recebeu uma mensagem dessas no Whatsapp entre o primeiro e o segundo turno – ainda que não houvesse nenhum indício das tais fraudes.

> Internautas viralizam 'previsão' de Simpsons sobre resultado das eleições nos EUA

Apuração das eleições nos EUA

Houve até um vídeo, amplamente divulgado, mostrando que a urna ‘puxava magicamente o 13 de Fernando Haddad (PT)' quando o eleitor clicava apenas no número 1. Era evidentemente uma montagem, como foi provado pelo TSE. 

> Trump volta a questionar apuração, e Biden quer contar "cada voto"

Curiosamente, as redes sociais silenciaram sobre os alegados problemas da votação eletrônica conforme Bolsonaro foi se confirmando o franco favorito. Mas o fruto podre das desconfianças sobre nosso sistema eleitoral já tinha contaminado muita gente. 

O presidente sabe usar essa suposição a seu favor - tanto é que voltou a afirmar, este ano, ter ‘provas’ de que as eleições foram fraudadas e que ele deveria ter vencido no primeiro turno. As tais ‘provas’ não apareceram até hoje.

> Bolsonaro reafirma torcida por Trump nas eleições dos EUA

​> Acompanhe a apuração das eleições nos EUA em tempo real

Essa construção narrativa de insegurança sobre o sistema eleitoral prepara o caminho para uma eventual contestação em 2022. Tudo dependerá, é claro, do cenário que se desenhará até lá. O governo, hábil em criar versões, já deixa pronto o terreno para qualquer eventualidade.

O TSE precisa estar atento ao avanço de informações infundadas e trabalhar para cortar o mal das fake news, da desinformação, pela raiz. Nossa legislação eleitoral avançou nesse quesito, mas há muito a corrigir.

Caberá às instituições que servem de lastro para nossa democracia observar esses movimentos com cuidado. Nos EUA, país orgulhoso de seu sistema democrático, o estrago está feito - a instabilidade coloca em xeque o sistema eleitoral e aprofunda a polarização, independetemente de quem será declarado vencedor.

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas