nsc
nsc

Obra

Da Estrada da Poeira a uma rota de romeiros em Criciúma

Compartilhe

Denis
Por Denis Luciano
08/06/2021 - 08h24
Buracos e poeira na Rodovia João Cirimbelli, zona sul de Criciúma
Buracos e poeira na Rodovia João Cirimbelli, zona sul de Criciúma (Foto: Denis Luciano / NSC Total)

Quando os colonizadores italianos, e depois os alemães, chegaram na região de Criciúma, na segunda metade do século 19, precisaram de estradas para trafegar entre as florestas, campinas e matas. Um caminho aberto aqui, outro ali, alguns foram sendo estendidos e passaram a conectar as pequenas colônias que se formaram.

Receba as notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Um desses caminhos, que serviam aos carros de boi e depois aos primários caminhões e carros antigos, deu origem à Rodovia João Cirimbelli. Tanto quanto antiga, ela foi se tornando esquecida, submetendo as comunidades dos bairros Sangão e Morro Estevão, na zona sul de Criciúma, a uma antiga conexão viária que tornou-se um tormento.

A Estrada da Poeira

De esquecimento em esquecimento, a João Cirimbelli passou a ser chamada de Estrada da Poeira. E dos buracos, muitos buracos. Mas se trata, de algumas décadas para cá, de um braço importante para o tráfego rural e não tão rural, afinal, o caminho conecta as duas principais rodovias de acesso ao Sul e ao Centro de Criciúma, as rodovias Jorge Lacerda e Luiz Rosso.

Reforço nas vacinas e busca de mais leitos para Criciúma

Algumas chácaras, sítios e pequenas propriedades foram se estabelecendo nas margens dos quase dois quilômetros da estrada. Gente que sofre nos dias secos, com a poeira que é inclemente, e nos chuvosos, em que a lama toma conta, até disfarça os buracos, mas os revela maiores e múltiplos. - Lavar roupa aqui sempre foi um sufoco. Você lava, estende no varal e o primeiro carro que passa, já levanta aquele poeirão. Se for um caminhão, então, pior ainda - confirma a moradora Agmar Topanotti.

Os buracos da Estrada da Poeira
Os buracos da Estrada da Poeira
(Foto: )

Os caminhões são frequentes por ali. Levam cargas entre os bairros, fazem entregas e se aventuram pelos trechos desnivelados. E tem os ciclistas também. Afinal, para quem mora no Morro Estevão, a estrada é o melhor caminho para o Sangão, e vice-versa. - Tem gente com problemas respiratórios aqui por causa da poeira. E os ciclistas comem uma poeira danada - comenta Agmar.

Eduardo Moreira: da Covid à eleição para a Alesc

Finalmente, uma solução

Mas parece que a agonia da região vai se aproximando do fim. Os moradores observam, com satisfação, o movimento de máquinas que vão levando adiante uma obra na antiga estrada. - Temos visto umas máquinas por aqui, estão mexendo com estaqueamento, topografia e começaram a alargar a estrada em alguns pontos - conta Agmar. 

O investimento foi lançado no último dia 22 de maio, com a assinatura da ordem de serviço para pavimentação da estrada. - Era um sonho de 50 anos que felizmente está se realizando - comemora o prefeito Clésio Salvaro (PSDB), que assinou a autorização para o contrato de R$ 3,4 milhões para asfaltar o trecho de 1,6 quilômetro.

A estrada é tão precária que, certa vez, um caminhão da prefeitura caiu em um dos buracos dela. Foi em janeiro de 2020, tempos de seca e muita poeira. Um trator do município teve que ser acionado na ocasião para remover o caminhão. 

O caminhão da prefeitura tombado em um buraco da João Cirimbelli
O caminhão da prefeitura tombado em um buraco da João Cirimbelli
(Foto: )

Em outra ocasião, bem antes, em 2014, moradores improvisaram lombadas e placas, para tentar conter a velocidade de alguns corajosos que, mesmo diante da precariedade da via, insistiam em acelerar. E levantar mais poeira.

Lombada e sinalização improvisadas por moradores em 2014
Lombada e sinalização improvisadas por moradores em 2014
(Foto: )

A pavimentação vai chegar à Serra do Corvo Branco

Rota dos Romeiros

Os próximos meses ainda serão de obras, e a meta da prefeitura é que em 2021 o novo asfalto já esteja trafegável. Com ele, sairá do papel um outro projeto: de transformar o trecho em uma via com vocação para o turismo religioso. 

Ocorre que a Rodovia João Cirimbelli chega ao Bairro Morro Estevão e termina em uma rótula na Rodovia Luiz Rosso. Dali por diante, avança pela Rua Pedro Dal Toé (pavimentada recentemente), e que em seguida torna-se ICR-253, já no município de Içara, e leva ao Santuário do Sagrado Coração Misericordioso de Jesus. Trata-se do segundo maior santuário religioso de Santa Catarina, inaugurado em abril de 2017.

Onde acaba o asfalto e começa o chão batido, no Morro Estevão
Onde acaba o asfalto e começa o chão batido, no Morro Estevão
(Foto: )

- Esse projeto da Rota dos Romeiros nos foi apresentado por um pessoal da prefeitura em 2020, quando teve o lançamento da obra de drenagem da estrada - lembra a moradora Agmar. - Eles dizem que vão fazer essa etapa com ciclovias e toda a sinalização e, provavelmente, 15 estações para peregrinos que se deslocam até o santuário - finaliza.

Leia também:

Estados do Sul se unem em busca de recursos federais contra a estiagem

Médicos de SC serão alertados sobre agravamento da pandemia

Bebê sufocado pelo pai em Siderópolis acende debate sobre revisão do Código Penal

Denis Luciano

Colunista

Denis Luciano

Jornalista com longa experiência no rádio e no digital, Denis Luciano aborda os principais assuntos do Sul catarinense, uma das regiões mais relevantes no Estado.

siga Denis Luciano

Denis Luciano

Colunista

Denis Luciano

Jornalista com longa experiência no rádio e no digital, Denis Luciano aborda os principais assuntos do Sul catarinense, uma das regiões mais relevantes no Estado.

siga Denis Luciano

Mais colunistas

    Mais colunistas