nsc
nsc

Covid-19

Reforço nas vacinas e busca de mais leitos para Criciúma

Compartilhe

Denis
Por Denis Luciano
04/06/2021 - 13h01 - Atualizada em: 04/06/2021 - 13h09
Secretário cita esforço por mais leitos e vacinas
Secretário cita esforço por mais leitos e vacinas (Foto: Maurício Vieira / Secom)

Das nove mortes registradas por Covid-19 em Criciúma nesta quinta-feira (3), o dia mais letal da pandemia até aqui na cidade, um caso envolveu uma jovem de 23 anos. 

Receba as notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Internada no começo de maio, Jaqueline Cruz da Rosa permaneceu em leito clínico na primeira semana. Depois, o quadro agravou-se, forçando a transferência para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Jaqueline precisou ser intubada e submetida a uma traqueostomia, para garantir a respiração mecânica. Completou os 23 anos hospitalizada, no último dia 22. 

Sem doenças pré existentes, Jaqueline perdeu a luta pela vida nesta quinta. A jovem era irmã de Jana Cruz, cantora criciumense que participou do programa The Voice Brasil, da Rede Globo, em 2013. A mãe delas havia falecido, também por Covid-19, no dia 12 de maio, quando Jaqueline já se encontrava na UTI.

Covid-19: O dia com mais mortes em Criciúma

Secretário de Saúde do Estado comenta

Esse e outros 508 óbitos registrados nos últimos 14 meses em Criciúma ilustram a dificuldade que a cidade enfrenta com a pandemia de Covid-19. - É o início da terceira onda - define o secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro. - E essa terceira onda acaba vindo mais forte em algumas regiões, como aí em Criciúma - disse, enquanto realizava uma visita a Chapecó na manhã desta sexta-feira (4).

É o início da terceira onda André Motta Ribeiro, secretário de Estado da Saúde

O secretário aponta a dificuldade de prever o rumo dessa terceira onda. - Muito difícil saber até quando e onde vai. Olhando para um passado recente, deve levar de quatro a seis semanas. Acontece que o vírus está com suas mutações e temos o inverno também como um complicador - analisa.

Motta Ribeiro acena com mais vacinas para as cidades. - O nosso ritmo de vacinação está bom, um dos melhores do Brasil, mas podemos melhorar - reconhece. - O Ministério da Saúde nos garantiu que a cada quatro ou cinco dias mandará uma remessa de 200 a 300 mil doses. Essa semana chegaram 230 mil - contabiliza.

Covid hoje: mapas mostram dados de mortes e da vacina em SC

Mas o secretário não nutre muitas expectativas de Santa Catarina reforçar a malha de leitos SUS para pacientes com Covid com aval do Ministério da Saúde. - Não temos expectativas de lá para mais leitos. A ajuda externa é menos provável - confirma. - O que vamos fazer é por aqui mesmo, contratando com os municípios, pactuando com a rede de hospitais filantrópicos, realizando mais pregões eletrônicos para aquisição de leitos - informa.

Chegaram mais 6,2 mil vacinas

A prefeitura de Criciúma anunciou, no fim da manhã, o recebimento de mais 4,5 mil doses de vacinas AstraZeneca e 1,7 mil da Coronavac. O secretário municipal de Saúde, Acélio Casagrande, relata que está tentando incluir motoristas no grupo de prioritários que serão imunizados já neste sábado (5).

- Continuamos vacinando os professores e trabalhadores da educação e as pessoas acima de 18 anos com comorbidades, além de servidores da segurança e salvamento e funcionários do sistema prisional, mais os idosos acima de 60 anos - explica. 

Secretário projeta incluir motoristas em grupo de vacinados neste sábado
Secretário projeta incluir motoristas em grupo de vacinados neste sábado
(Foto: )

O dado apurado pela NSC, de que 80 mil vacinados com a primeira dose não retornaram para tomar a segunda dose contra a Covid, não chega a preocupar em Criciúma. - O nosso sistema Minha Vacina está funcionando bem, ele avisa as pessoas e também a rede, para fazermos a busca ativa. Nesse sentido estamos tranquilos, a grande maioria tem sim procurado a segunda dose - garante Acélio.

Reforço de leitos no Rio Maina

O índice de ocupação de leitos SUS para Covid em Criciúma está em 100% no Hospital São José, que é o de referência, com 65 leitos disponíveis. O Hospital Materno Infantil Santa Catarina, que atende crianças, também está lotado, enquanto o Hospital do Rio Maina tem um leito disponível dos dez instalados.

Antiga Casa de Saúde foi transformada em hospital no ditrito do Rio Maina
Antiga Casa de Saúde foi transformada em hospital no ditrito do Rio Maina
(Foto: )

O tema foi tratado em reunião do secretário Acélio e do prefeito Clésio Salvaro (PSDB) na última quarta-feira (2) com o secretário de Estado da Saúde. - Temos uma fila de espera de 15 pacientes hoje em Criciúma para os leitos de UTI. O Hospital São José não tem mais condições de abrigar novos leitos, mas o Hospital do Rio Maina tem - anuncia Acélio. 

- Pedimos apoio ao secretário André, para colocar mais dez leitos de UTI no Rio Maina, mas para isso precisamos de mais dez respiradores e de recursos humanos, hoje a maior dificuldade de todas para conseguir - relata. Por isso, não há previsão ainda de quando Criciúma poderá ganhar esses novos leitos.

Leia também:

"Conforme a vacina, eles recusam", observa comandante da PM no Sul de SC

Criciúma chega a 500 mortes por Covid-19

Moisés projeta agravamento da pandemia em visita ao Sul de SC

Denis Luciano

Colunista

Denis Luciano

Jornalista com longa experiência no rádio e no digital, Denis Luciano aborda os principais assuntos do Sul catarinense, uma das regiões mais relevantes no Estado.

siga Denis Luciano

Denis Luciano

Colunista

Denis Luciano

Jornalista com longa experiência no rádio e no digital, Denis Luciano aborda os principais assuntos do Sul catarinense, uma das regiões mais relevantes no Estado.

siga Denis Luciano

Mais colunistas

    Mais colunistas