nsc
nsc

Balneário Arroio do Silva

Há um mês sem energia, moradores de duas praias do Sul de SC improvisam

Compartilhe

Denis
Por Denis Luciano
13/08/2021 - 13h50 - Atualizada em: 13/08/2021 - 14h29
Botijão é utilizado para iluminar a casa de Cleiton Batista, na Praia do Melão
Botijão é utilizado para iluminar a casa de Cleiton Batista, na Praia do Melão (Foto: Cleiton Batista / Divulgação)

Cleiton Batista comprou dois lotes na Praia do Melão, no Balneário Arroio do Silva, litoral Sul catarinense, faz cerca de 2 anos. Queria morar por ali mesmo. Lugar pacato, perto do mar. E não imaginava, quando teve o aval do escritório que intermediou a negociação, o que estaria por viver.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Faz um mês que Cleiton e outras nove famílias da localidade vivem sem energia elétrica, 24 horas por dia. - É um sufoco - reconhece. No dia 13 do mês passado, a Celesc foi até a região e interrompeu o fornecimento de energia elétrica para 159 unidades consumidoras, 107 na Praia do Melão e 52 na vizinha Praia da Meta. - Eles alegam que tudo aqui era clandestino - aponta Cleiton.

Acontece que as famílias foram se estabelecendo, comprando lotes e erguendo casas com a garantia de que, quando chegasse a hora da regularização fundiária, tudo estaria resolvido na infraestrutura. Enquanto isso, faziam uso de sistemas provisórios. - A energia nós puxávamos de casas próximas, compartilhávamos entre vizinhos em um sistema que nunca deu problema, e pagávamos a conta todo mês - relata o morador.

Com base nisso, a Celesc foi até as praias e efetuou os cortes. A partir de então, os moradores começaram uma batalha para recuperar o fornecimento de energia e também o abastecimento de água. - É que o bombeamento da água para as casas era feito por bombas elétricas. Sem energia, elas não funcionam, e ficamos sem água também - detalha Cleiton.

Cleiton relata o drama vivido pelos moradores
Cleiton relata o drama vivido pelos moradores
(Foto: )

Famílias estão indo embora

O avanço do problema nas últimas quatro semanas fez várias famílias desistirem, ao menos provisoriamente, de morar nas casas sem energia. - Dessas mais de 150 casas, havia cerca de 50 ocupadas, as demais são de veranistas. Desses 50, uns 40 foram embora, chamaram caminhão de mudança e foram para a casa de amigos, parentes ou até saíram da cidade - comenta Cleiton.

A luta pela solução iniciou tão logo houve a interrupção do serviço pela Celesc. - Recorremos à prefeitura que alegou que, legalmente, essas residências não existiam no mapa da prefeitura, já que elas não foram legalizadas ainda. Nós precisamos efetuar a regularização fundiária e, somente com esse processo feito, a Celesc virá aqui religar a energia - destaca Cleiton. - Assim, não temos nem previsão de quando a energia voltará - emenda.

Postes estão sem fios depois da operação da Celesc
Postes estão sem fios depois da operação da Celesc
(Foto: )

Enquanto isso, o improviso prepondera. - A gente usa botijões de gás para acender lâmpadas, não temos como conservar comida em geladeira, o banho é gelado. Usamos baterias de carro e vamos em vizinhos que tenham energia para pelo menos carregar um celular para poder se comunicar - afirma o morador. - Tem vizinhos com crianças e que estão no escuro, passando muitas dificuldades - argumenta.

> Anel Viário e binário, obras alcançam etapas decisivas em Criciúma

Para avançar o ajuste fundiário, era necessário a aprovação de uma lei municipal, o que ocorreu em seguida via Câmara de Vereadores. Com apoio do prefeito Evandro Scaini (PSL), a comunidade fez contato com o deputado estadual José Milton Scheffer (PP) que intermediou contatos para agilizar a situação. - A Celesc aprovou o projeto para o nosso loteamento na última quarta-feira. Agora faltam os últimos documentos para que possamos ter um registro provisório e, então, pedir a ligação da luz - aponta Cleiton.

Prefeitura instalou um ponto para moradores retirem água para o consumo
Prefeitura instalou um ponto para moradores retirem água para o consumo
(Foto: )

Mas essa solução é provisória, e não para todos. Acontece que somente conseguirão esse registro emergencial os imóveis que enquadram-se no plano de regularização fundiária Reurb S, para lotes simples. Os imóveis localizados em lotes maiores só poderão ter acesso à energia com um processo mais longo e burocrático. - É o meu caso - lamenta Cleiton, prevendo mais dificuldades.

> Troca do Distritão por coligações: como votaram os deputados de SC

Prefeitura e Alesc participam

Quando do incidente com a Celesc, há um mês, a prefeitura de Balneário Arroio do Silva se manifestou por ofício. Na ocasião, o Executivo informou que se tratava de uma ação da Celesc, sem relação direta com a Secretaria Municipal de Planejamento Urbano.

Deputado, prefeito e moradores foram até a Celesc em Florianópolis
Deputado, prefeito e moradores foram até a Celesc em Florianópolis
(Foto: )

O prefeito Scaini, o deputado José Milton e representantes da comunidade estiveram em audiência com a área técnica da Celesc no último dia 23, quando foi elaborada uma estratégia para tentar alcançar uma solução mais ágil para as famílias.

Uma obra de um mês

A Celesc acompanha a situação de perto. - Era uma situação totalmente irregular e arriscada - avalia o diretor técnico do escritório regional da Celesc em Criciúma, engenheiro Zulnei Casagrande. - E não temos como providenciar qualquer nova ligação sem os registros desses imóveis - confirma.

Casagrande aponta, ainda, que a solução técnica levará ao menos um mês para ser entregue a partir da regularização dos documentos dos lotes. - Precisamos fazer as extensões das redes de alta e baixa tensão em todas as ruas, instalar transformadores e o consumidor precisará adequadr o imóvel para o padrão de entrada da energia - especifica o engenheiro. - Isso levará cerca de 30 dias a partir do início do processo - registra.

O diretor técnico sublinha que a Celesc só poderá arcar com o custo da rede para os imóveis enquadrados no Reurb S. - No caso dos demais imóveis, caberá aos proprietários esse custeio - constata. - Mas na maioria desses casos, a Celesc poderá sim entrar com investimento, há amparo legal para isso - ameniza.

Alguns dos postes foram serrados pela Celesc
Alguns dos postes foram serrados pela Celesc
(Foto: )

> SC tem nove concursos abertos e salário chega a R$ 15 mil

Abaixo, a nota emitida pela Celesc quando da realização da operação nas praias da Meta e do Melão:

Para combater ações ilícitas de desvio de energia elétrica, as equipes da Celesc fiscalizam, periodicamente, unidades comerciais e residenciais em operações que ocorrem em todo o estado. Em Balneário Arroio do Silva, nas localidades da Praia da Meta e da Praia do Melão, as equipes técnicas do Núcleo Sul da Celesc fiscalizaram, no dia 13 de julho, 52 unidades consumidoras na Praia da Meta e 107 unidades consumidoras na Praia do Melão com irregularidades, sem medidores de energia e com ligações clandestinas (gatos) da rede elétrica, em locais sem Alvará de construção ou Habite-se. As ações são realizadas em parceria com a Polícia Civil. As operações de fiscalização têm como objetivo combater o desvio de energia elétrica, prática que, além de ser ilícita, pode causar sérios danos em uma instalação elétrica e acidentes de grandes dimensões. Os furtos na rede prejudicam a qualidade da distribuição da energia, uma vez que a potência dos transformadores é calculada de acordo com os consumidores legalmente cadastrados, além de provocarem sobrecarga no sistema elétrico, o que provoca queda de energia nos bairros dos municípios. A Resolução Normativa nº 414/2010 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), estabelece que quando for constatado o fornecimento de energia elétrica sem outorga federal para o serviço de distribuição, a distribuidora deve interromper, de forma imediata, a interligação ou o fornecimento da unidade consumidora da qual provenha a interligação. Consumidores de energia elétrica podem denunciar irregularidades anonimamente por meio de chamada gratuita à Ouvidoria da Celesc (0800 048 3232) e também no Canal de Denúncia, disponível no site da companhia.

Leia também:

> Morte de jovens agrava semana violenta nas estradas de SC

> Conheça Yuri, menino autista de SC que quer ser poliglota

> Ex-governador Eduardo Moreira assume diretoria do BRDE

Denis Luciano

Colunista

Denis Luciano

Jornalista com longa experiência no rádio e no digital, Denis Luciano aborda os principais assuntos do Sul catarinense, uma das regiões mais relevantes no Estado.

siga Denis Luciano

Denis Luciano

Colunista

Denis Luciano

Jornalista com longa experiência no rádio e no digital, Denis Luciano aborda os principais assuntos do Sul catarinense, uma das regiões mais relevantes no Estado.

siga Denis Luciano

Mais colunistas

    Mais colunistas