Inovar em tudo o que é possível numa empresa faz diferença. No caso da Nugali Chocolates, de Pomerode, um dos resultados foi se tornar a marca brasileira mais premiada do setor no mundo. Outro, é registrar vendas crescentes. É isso que contabiliza a fundadora da empresa, Maitê Lang, apaixonada por indústria e por inovação.

Continua depois da publicidade

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

A empresária falou sobre esses diferenciais na trajetória de 19 anos da Nugali durante a reunião da diretoria da Federação das Indústrias do Estado (Fiesc), sexta-feira. Disse que a Páscoa 2023 vai elevar as vendas em 20%, mas a qualidade dos produtos mantém a demanda em alta o ano todo.

Pioneira nas Américas ao adotar em 2005 a produção de chocolates bean-to-bar, que vai das amêndoas do cacau até os produtos ao consumidor, a Nugali, investe em tecnologia, inovação e sustentabilidade em todas as etapas, o que permite atender os consumidores mais exigentes.

Um exemplo é o chocolate amargo 70% cacau, que conquistou “Ouro” no prêmio America Award, em 2021, nos EUA. A embalagem informa, com os devidos símbolos, que o produto é isento de glúten, lactose, conservantes, corantes e aromatizantes. É produto vegano, feito com energia limpa (carbono zero) e de cacau adquirido direto de produção sustentável.

Continua depois da publicidade

Maitê Lang (C) na exposião do Espaço Fiesc, com o presidente da entidade, Mario Aguiar (D) e o vice Gilberto Seleme (E) Foto: Filipe Scotti

Engenheira que deixou carreira na Embraer para ter a própria indústria, atividade que está no DNA da família – é filha do empresário do setor Cid Lang – Maitê disse para os colegas na Fiesc que o encantamento que tem pela indústria resulta da forma como esse setor pode impactar positivamente a vida das pessoas e o meio ambiente.

Logo nos primeiros anos de atividades, ela já passou a visitar propriedades de cacau para conhecer os métodos de cultivo. O primeiro parceiro foi o produtor João Tavares, da Bahia, um dos mais avançados da época, que cultivava cacau entre árvores nativas da Mata Atlântica.

– Era o cara que estava mais à frente na produção de cacau gourmet e o que estava mais à frente também em sustentabilidade – disse a empresária, que hoje adquire cacau também de cooperativas produtoras do Pará e do Espírito Santo.

Outra motivação de Maitê Lang são os investimentos em sustentabilidade em todas as etapas. Foi com o desenvolvimento de uma embalagem de plástico 100% biodegradável para barras de chocolates que a Nugali foi uma das vencedoras do Prêmio Nacional de Inovação de 2022.

Continua depois da publicidade

– Quanta coisa a gente já conseguiu fazer em sustentabilidade sendo uma empresa pequena, e quanta coisa ainda dá para fazer. Hoje, a Nugali é carbono neutro, lixo zero, a gente utiliza energia solar, reuso de água, embalagem biodegradável e redução drástica de plástico de uso único. São todas ações contínuas – explicou a empresária.

Esse perfil diferenciado de processos produtivos e atuação no mercado com venda direta aos estabelecimentos comerciais levaram a Fiesc conceder a medalha da Ordem do Mérito Industrial de SC para Maiê Lang. A entrega da homenagem para ela e mais quatro industriais será dia 19 de maio deste ano. Na última semana, a empresa ocupou também o Espaço da Indústria, onde a Fiesc mostra, na sua sede, produtos de empresas de SC.

Serão 250 mil ovos de Páscoa

A Nugali produz 50 chocolates diferentes o ano todo e, na Páscoa, acrescenta mais 10 itens, com destaque para ovos e outros itens alusivos à data. Para este ano, serão cerca de 250 mil ovos que estão recebendo embalagem manual.

A produção para a Páscoa somará 60 toneladas, informa o diretor de produção Ivan Blumenschein. Ele é marido de Maitê e também deixou cargo de engenheiro da Embraer em 2004 para ser cofundador da Nugali em Pomerode.

Continua depois da publicidade

Entre os destaques da empresa para a data estão o ovo 70% cacau, ovo de chocolate ao leite 45% cacau e também o ovo da Joaninha da Sorte, o Glückskäfer. Outro produto que segue fazendo sucesso na data é uma galinha metálica com ovos de chocolate.

A maior parte das vendas acontecem nas regiões Sul e Sudeste, mais próximas da empresa, no Vale do Itajaí. De acordo com o diretor, chama a atenção o crescente interesse de consumidores por produtos saudáveis, sem glúten, sem lactose e com maior concentração de cacau.

Além da produção, a Nugali também se tornou uma das âncoras do turismo municipal. Ela integra a Rota Exaimel Pomerode ao oferecer tour na fábrica para as pessoas verem todas etapas do processo produtivo de chocolates. Entre as atrações, estão até pés de cacau em uma estufa, construída no estilo enxaimel.

Leia também

Grupo que adotou praça investe em dois projetos bilionários em SC

BRF se despede de Zoé Silveira D’Ávila, que ajudou a Sadia ser referência global em proteína

Legado econômico e social da Covid-19 no Brasil e em SC é abordado em livro lançado na UFSC

Favela de Florianópolis recebe IBGE para ação do Censo 2022

Destaques do NSC Total