Os altíssimos juros no país, criticados pelo atual governo devido a taxa Selic em 13,75% ao ano, foram temas também na reunião dos governadores do Consórcio de Integração Sul e Sudeste (Cosud), no fim de semana, no Rio de Janeiro. Em entrevista para o evento, o governador de Santa Catarina, Jorginho Mello, defendeu redução dos juros bancários no país, o que chamou de “agiotagem oficializada”. E na Carta do Rio de Janeiro, assinada no fim da reunião, os sete governadores defenderam redução dos juros cobrados pela União nas dívidas dos estados.   

Continua depois da publicidade

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Para o governador de Santa Catarina, o Brasil precisa aprovar uma reforma tributária que desonere as empresas e, assim, elas possam produzir mais, elevando a arrecadação de impostos. A partir disso, será possível fazer um pacto federativo que possa garantir maior retorno de recursos aos estados dessas duas regiões, que são as que mais arrecadam no Brasil.

– O que vai fazer arrecadar mais é a reforma tributária e a coragem do governo em mexer com a agiotagem oficializada que é juro bancário. É impossível alguém crescer, empreender, correr riscos com taxas do tamanho que nós pagamos – alertou o governador catarinense.

O foco do governador catarinense não é o mesmo do presidente Lula, que tem criticado diretamente o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, por manter a taxa Selic alta, o que encarece o crédito e inibe investimentos, achatando o crescimento econômico. A justificativa do BC é a necessidade de conter a alta da inflação.

Continua depois da publicidade

Jorginho critica os altos juros cobrados dos empreendedores, que é um problema crônico no Brasil e também inibe investimentos e crescimento. Para o governador, os juros altos podem atrapalhar inclusive a venda de créditos de carbono que será oferecida no futuro via fundo, por SC, para melhorar a renda dos pequenos agricultores.

E os juros cobrados pela União para as dívidas públicas ganharam um tópico amplo na carta dos govenadores. Segundo eles, hoje essas dívidas custam para os estados o IPCA (inflação oficial) mais 4% ao ano, ou a taxa Selic, o que for menor. Os estados do Sul e Sudeste devem 93% da dívida púbica com a União, o que soma R$ 630 bilhões.

– É impensável que, num ambiente onde o crescimento econômico é muito inferior aos encargos dos contratos de dívida com a União, os Estados paguem suas dívidas e ainda invistam em infraestrutura, modernização e na manutenção dos serviços públicos essenciais. Ao persistirmos neste descompasso, os Estados acabarão por perder dinamismo econômico, gerando menos emprego e renda, dificultando o combate à redução da pobreza. A manutenção desta lógica é o “perdem todos” – alertaram os governadores na Carta.

Ainda na publicação, eles argumentaram que é necessário que esses contratos passem a ter seus encargos compatíveis com o comportamento da economia nacional. Para os governadores do Sul e Sudeste, no bojo da discussão do pacto federativo, que contempla também a tão urgente reforma tributária, é necessário que a União e o Congresso Nacional enfrentem este debate.

Continua depois da publicidade

Leia também

Primeiro WTC Woman do mundo é lançado no Brasil por empresárias de SC

Entenda razões da complexidade dos reajustes de combustíveis

Mulheres são 44% em SC na carreira que controla números

Preços de imóveis em Florianópolis e São José sobem acima da inflação

Caso de vaca louca atípico mantém bom cenário para setor de carnes

Destaques do NSC Total