nsc
nsc

Setor em expansão

Setor de tecnologia de SC vai abrir 5,2 mil vagas e busca apoio do governo para mais qualificação

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
12/07/2021 - 10h39 - Atualizada em: 12/07/2021 - 12h22
Governo e Acate se reuniram para buscar alternativas de mais cursos técnicos ao setor
Governo e Acate se reuniram para buscar alternativas de mais cursos técnicos ao setor (Foto: Peterson Paul, Secom)

Sondagem preliminar que está sendo feita pela Associação Catarinense de Tecnologia (Acate) apurou que o setor de tecnologia da informação de Santa Catarina vai abrir 5.200 postos de trabalho. Como há falta de profissionais qualificados no mercado, a associação se reuniu com o governo do Estado na tarde de sexta-feira com o objetivo de buscar soluções.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

Participaram da reunião o governador Carlos Moisés, o presidente da Acate Iomani Engelmann, secretários de Estado e diretores da associação. Moisés prometeu criar um grupo de trabalho conjunto para definir programas que aumentem a formação de profissionais para o setor.

- As vagas que mapeamos para Santa Catarina com as empresas são, basicamente, para desenvolvedores, ou seja, programadores de sistemas. É nesse intuito que a gente tem orientado e procurado o governo do Estado para nos ajudar na formação dessas pessoas, garantindo alta empregabilidade e um salário bem acima do que temos na média nacional. Com certeza, se a gente explorar para as outras áreas que as empresas também precisam, como profissionais de marketing e vendas e outros, esse número de vagas, com certeza, será bem maior – explica Iomani Engelmann.

O programador precisa de qualificação específica, mas tem uma carreira promissora. Atualmente, o salário médio desses profissionais em Santa Catarina está em torno de R$ 5.000.

A propósito, o mundo inteiro enfrenta falta de programadores, o que até aqueceu um mercado de contratos internacionais. É cada vez mais comum um desenvolvedor de sistemas do Brasil ou da Índia trabalhar em home office para uma empresa americana, por exemplo. Vale destacar que nessa projeção de vagas da Acate não estão incluídos programadores ou operadores de robôs, cada vez mais necessários em indústrias de um modo geral em Santa Catarina.

Leia mais:

Afroempreendedorismo acontece mais por necessidade e enfrenta falta de crédito

Projeto de R$ 640 milhões fortalece oferta de energia em Florianópolis

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas