nsc
nsc

Energia elétrica

Projeto de R$ 640 milhões fortalece oferta de energia em Florianópolis

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
11/07/2021 - 07h00
energia-1
Registro de um dos trechos onde a passagem dos cabos de energia será abaixo do mar (Foto: ISA Cteep, Divulgação)

O apagão do final de outubro de 2003, que deixou mais de 300 mil pessoas sem energia elétrica em Florianópolis devido a um acidente no cabo de transmissão da distribuidora Celesc para a Ilha, na ponte Colombo Salles, deverá ficar para a história. Com o objetivo de evitar que um caso assim se repita, o Norte da Ilha de Santa Catarina está recebendo uma obra de duas linhas de transmissão de energia, com investimento de R$ 640 milhões. É o projeto Linha de Transmissão 230 kV Biguaçu – Ratones C1 e C2. A conexão com os consumidores será feita pela Celesc.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

Como está em operação a linha submarina do Sul da Ilha, feita pela Eletrosul, quando essa nova obra for concluída Florianópolis terá “contingência tripla”, isto é, três linhas ligadas à rede básica nacional. Cada uma com capacidade para suportar sozinha toda a carga de energia necessária para a cidade, explica Ferdinand do Vale, gerente de Execução e Projetos de Leilão da companhia ISA Cteep, que venceu o leilão e está executando a obra.

> Startup de SC desenvolve máquina para produzir bioplástico a partir do milho

As linhas duplas de transmissão saem da Subestação Biguaçu em trecho aéreo, vão até a região costeira continental, passam pela Praia de Baixo e atravessam a Baía Norte até a Praia Comprida, em Santo Antônio de Lisboa, em trecho subaquático. A partir daí, entram na Ilha de forma subterrânea e vão até ser transformadas em linha aérea para atender a Subestação Ratones. A extensão é de aproximadamente 28 quilômetros, com 11 quilômetros de linha aérea, 13 quilômetros abaixo do mar e quatro quilômetros de linha subterrânea até a subestação, onde a Celesc vai iniciar a distribuição.

Esse investimento deve tornar a Ilha uma das áreas do país mais seguras para distribuição de energia vinda do sistema interligado nacional. Além de atender a região insular, as linhas podem ajudar também na transmissão de energia para a região continental, caso ocorra acidente que interrompa linhas em Palhoça e São José, por exemplo.

energia-2
Registro de outro trecho onde a companhia avança com as obras de reforço na energia elétrica em Florianópolis
(Foto: )

A sugestão para que o sistema de transmissão de energia da Ilha fosse fortalecido veio da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Em estudo solicitado pela Celesc e pelo Operador Nacional do Sistema (NOS), a EPE identificou que ainda havia o risco de ter um novo apagão na cidade, apesar das linhas do Sul e da ponte. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) acatou o conselho e promoveu leilão em junho de 2018, quando a ISA Cteep fez a melhor oferta e venceu. A companhia vai fazer a obra e fornecer o serviço de transmissão por 30 anos.

> Celesc lança campanha pelo uso consciente de energia no inverno

Após obter a licença ambiental de instalação em março deste ano junto ao Instituto do Meio Ambiente (IMA) de SC, a empresa iniciou as obras em abril, para as quais estão sendo oferecidos 230 empregos diretos pela própria companhia e fornecedores.

mapa-projeto-energia-eletrica-grande-florianopolis
Mapa com detalhes da obra
(Foto: )

Ferdinand do Vale informa que o ritmo de atividades está dentro do esperado e conta com a participação de diversas empresas prestadoras de serviços, entre as quais a catarinense WEG, que está fazendo a subestação em Ratones, que terá dois transformadores de 150 MVA cada. A expectativa é de que a obra seja antecipada.   

Um dos trechos mais complexos é a instalação dos dois cabos submarinos a uma distância de 50 metros cada. Esse trabalho está em andamento e é executado por outro fornecedor especializado. Para evitar que os cabos sejam rompidos, eles são colocados no mar e enterrados a uma profundidade de um metro, explica o executivo. O prazo para o término da obra é em meados do ano que vem, mas deve ser concluída antes do esperado.

– As duas novas linhas não só aumentarão a confiabilidade do sistema de distribuição atual, mas também permitirão o atendimento da demanda de carga que vem crescendo em Florianópolis – afirma o executivo.

> Bandeira vermelha aumentará conta de luz de 3 milhões de consumidores em SC

A ISA Cteep é a maior empresa de transmissão de energia do Brasil, multinacional com 20 anos no país e presente em 17 estados, inclusive em Santa Catarina. É responsável por fornecer 94% da energia consumida em São Paulo e 33% no Brasil.   

Este ano, a companhia está fazendo linhas de transmissão que totalizam R$ 1 bilhão e o maior projeto é esse da Grande Florianópolis. A empresa já opera no Estado com outras linhas: soma 173 quilômetros de linhas e três subestações, em Joinville Norte, Siderópolis e Forquilhinha.

Celesc vai investir R$ 60 milhões

Enquanto o projeto da ISA CTeep tem a função de colocar energia na llha pela rede básica administrada pelo Operador Nacional do Sistema (NOS), a Celesc Distribuição trabalha para levar a energia até os consumidores locais. Os investimentos para esse trabalho serão de aproximadamente R$ 60 milhões, para linha subterrânea e aérea, informa o diretor de Distribuição da Celesc, Sandro Levandoski.

> Energia elétrica pode representar até 40% dos custos de produção nas empresas; saiba como economizar

Ele observa que esse projeto vai reforçar a oferta de energia, garantindo atendimento de qualidade no verão, quando o uso de carga cresce em função do turismo e do calor. 

– Houve aquele evento em 2003 (o rompimento dos cabos na ponte que gerou o apagão) e, de lá para cá, a Celesc e o Operador Nacional do Sistema (ONS) solicitaram para a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) um reforço para que a ilha ficasse abastecida de forma mais segura – comenta Levandoski.

Segundo ele, a partir da Subestação Ratones, serão feitas conexões entre a rede básica e a da Celesc. Assim, serão três linhas da rede básica para a Ilha de SC, além das duas linhas da estatal catarinense na ponte, que continuam em operação. A conclusão das obras está prevista para abril de 2022. Levandoski explica que existe o contrato firmado com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) com prazo até 2023, mas depois foi feita solicitação de antecipação para melhor atender a Ilha.

> Sem luz há mais de três dias moradores de Caçador fazem fila para carregar celular

O diretor também está participando das negociações em busca de uma solução do problema de oferta de energia no Meio-Oeste do Estado, onde teve um apagão de 96 horas em Caçador e região, a partir de 28 de maio.

Segundo ele, o ONS já vem acompanhando a situação na região e foi feito o leilão para uma nova linha de transmissão da rede básica para melhorar a segurança. Desde 2016 a Celesc vem apontando problema na região. Por isso foi organizado o leilão de concessão de linha entre Abdon Batista e Caçador.

Leia também:

> Veja uma síntese de notícias econômicas da semana em SC

> Tupy, Westport e AVL se unem para fazer motor sustentável a hidrogênio

> Multinacional de SC fornece tecnologia para hidrelétrica no Oeste dos EUA

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas