nsc
    nsc

    Economia

    Vendas do comércio de SC ficam estáveis em fevereiro, mostra IBGE

    Compartilhe

    Estela
    Por Estela Benetti
    13/04/2021 - 14h30 - Atualizada em: 13/04/2021 - 15h35
    Centro de Florianópolis
    Movimento no comércio do centro de Florianópolis (Foto: Diorgenes Pandini)

    O comércio de Santa Catarina registrou em fevereiro queda de 0,2% nas vendas em volume frente ao mês anterior, na comparação que considera efeitos sazonais, segundo a pesquisa PMC do IBGE. O resultado, com uma pequena queda, pode ser considerado estável e mostra uma melhora nessa série com ajustes porque em dezembro teve queda de 5,55 e em janeiro, de 3,7%. Na comparação com fevereiro do ano passado, o setor recuou 3,2%, no acumulado deste ano caiu 1,1% e no acumulado de 12 meses, cresceu 4,9%.

    No varejo ampliado, que considera veículos, peças e materiais de construção, o comércio catarinense cresceu 0,3% na série frente ao mês anterior com ajuste, caiu 0,6% frente a fevereiro de 2020 e cresceu 1,9% em 12 meses.

    > Grupo que controla a Cremer compra outra indústria de Blumenau

    > Quer receber notícias por WhatsApp? Inscreva-se aqui

    Considerando a receita nominal, o varejo restrito de SC cresceu 3,2% em fevereiro frente ao mês anterior e o varejo ampliado teve alta de 1,5%. Frente a fevereiro de 2020, o varejo ampliado cresceu 10,1% e 7,4% em 12 meses. 

    Esses dados da receita nominal no varejo mostram o impacto da inflação do setor, enquanto no ampliado registram o crescimento de vendas dos setores de materiais de construção e veículos, que seguem em alta em SC. No Brasil, o varejo cresceu 0,6% na série com ajuste sazonal, e o varejo ampliado, nessa comparação, teve alta de 4,1%.

    > Bares, restaurantes e esportes: o que pode mudar nas restrições contra a Covid-19 em SC

    As maiores altas nas vendas do comércio de SC em fevereiro frente ao mesmo mês de 2020 ocorreram em materiais de construção (20%), artigos farmacêuticos (12,7%), moveis (8,1%), hipermercados e supermercados (1,4%). 

    As maiores retrações foram registradas nos setores de livros, jornais e revistas (-38%), equipamentos de escritórios (-25%), combustíveis (-4%), tecidos, confecções e calçados (-2,2%) e veículos (-0,8%).

    Leia também

    > Dr. Honesto volta a ser alvo de ladrão na BR-470: "olhou até o vencimento dos produtos"

    > Evandro de Assis: entre “lockdown inverso” e “atendimento precoce”, SC descobre arma contra a Covid-19

    > Rosa Weber suspende decretos de Bolsonaro sobre posse e porte de armas

    Mais colunistas

      Mais colunistas