nsc
nsc

Opinião

Aqui vai uma proposta de acordo para destravar os R$ 200 milhões da BR-470

Compartilhe

Evandro
Por Evandro de Assis
05/08/2021 - 10h20
A hipótese de perder os R$ 200 milhões tem de ser retirada da mesa de negociações
A hipótese de perder os R$ 200 milhões tem de ser retirada da mesa de negociações (Foto: Patrick Rodrigues, BD, Santa)

No dia 17 de agosto o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, explicará ao Senado por que está sentado há dois meses sobre os R$ 200 milhões oferecidos pelo governo de Santa Catarina para a duplicação da BR-470. A depender do que disser, o governador Carlos Moisés (sem partido) pode retirar a contribuição, incluindo os R$ 100 milhões da BR-163 e os R$ 50 milhões da BR-280, e gastar os recursos em outro lugar. 

Uma vez que o impasse tem natureza político-eleitoral, e não técnica, há certa resignação no ar do Vale do Itajaí, como se o dinheiro já estivesse perdido. Pois aqui vai uma proposta de acordo para impedir que essa tragédia aconteça.

> Receba notícias de Blumenau e região direto no Whatsapp.

Mesmo o leitor pouco familiarizado com o assunto pode concluir que razões técnicas jamais levariam um gestor público a recusar R$ 200 milhões para uma obra que, em sete anos de lenga-lenga, nunca teve dinheiro grosso como esse à disposição. Ninguém em dia com as faculdades mentais rasga dinheiro, afinal. O que impede o avanço das máquinas é a interpretação que o eleitor virá a fazer sobre a duplicação da BR-470 em 2022.

Em resumo é o seguinte: Moisés exige aplicar o dinheiro nos lotes 1 e 2, entre Navegantes e Gaspar, que podem ser entregues ainda no primeiro semestre do próximo ano. O governador deseja apresentar aos catarinenses uma entrega que justifique o aporte estadual numa obra da União e, óbvio, reforce a campanha à reeleição. Para isso, escolheu lotes adiantados, que serão entregues no próximo ano com ou sem a ajuda do Estado.

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), que é comandado pelo partido do senador Jorginho Mello (PL), passou a agir em contrário, exigindo que cada um dos quatro lotes, até Indaial, receba R$ 50 milhões, atacando os trechos mais movimentados. Essa opção pulveriza os recursos e torna menos tangível o apoio do Estado à duplicação. O que estiver duplicado em 2022 deverá ser creditado ao presidente Jair Bolsonaro e ninguém mais. Jorginho também pretende concorrer ao governo.

O que o Vale do Itajaí deveria articular até o dia 17 é a possibilidade de atender às necessidades técnicas e políticas de ambos os lados dessa disputa. Ou seja, aplicar o dinheiro em obras importantes e visíveis, mas localizadas nos quatro lotes. Basta selecionar cinco ou seis viadutos, pontes e acessos a municípios e carimbá-los como sendo responsabilidade do Estado. É fácil pensar em opções: o viaduto do Badenfurt, o acesso ao bairro Fortaleza, na antiga Dudalina, os acessos a Gaspar, os viadutos de Luiz Alves e Ilhota, ou a travessia sobre a BR-101, em Navegantes.

O DNIT já fez algo parecido quando ouviu a comunidade da região e priorizou o complexo da Mafisa e os trevos de Indaial. Seria uma forma de atender aos interesses de mais usuários da rodovia, de mais cidades e empresas ansiosas pelo desenvolvimento econômico que virá com as obras prontas. 

Ao mesmo tempo, o governador teria melhorias importantes para apresentar aos catarinenses em troca da doação de R$ 200 milhões ao governo federal. Multiplique a Mafisa por cinco ou seis...

Desde os anos 1970 uma obra rodoviária do Vale do Itajaí não recebe um aporte desse montante. A hipótese de perdê-lo tem de ser retirada da mesa de negociações.

Receba textos e vídeos do colunista Evandro de Assis direto no WhatsApp.

Leia também

Unifique vai às compras após estreia na bolsa de valores

Blumenau confirma o maior número de mortes por Covid-19 num único dia

Empresários de Blumenau protestam contra paralisação dos ônibus

Vitrais de igreja histórica de Blumenau são enviados para restauro no Rio de Janeiro

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Evandro de Assis

Colunista

Evandro de Assis

Notícias e comentários exclusivos sobre o cotidiano de Blumenau e do Vale do Itajaí.

siga Evandro de Assis

Mais colunistas

    Mais colunistas