nsc
    nsc

    Opinião

    Diante da tragédia do coronavírus, Blumenau escolhe a resignação

    Compartilhe

    Evandro
    Por Evandro de Assis
    27/07/2020 - 16h35 - Atualizada em: 27/07/2020 - 16h48
    Com as mudanças, medidas de Blumenau se parecem com as das cidades vizinhas
    Com as mudanças, medidas de Blumenau se parecem com as das cidades vizinhas (Foto: Patrick Rodrigues)

    Blumenau tentou por duas semanas convencer os municípios vizinhos a endurecer as regras contra a disseminação do coronavírus no Médio Vale. Sem sucesso, o prefeito Mário Hildebrandt optou por juntar-se a eles.

    Embora tenham sido apresentadas sob o eufemismo de "adequação", as medidas desta segunda-feira (27) estimulam a circulação de pessoas. Lojas, academias, bares e restaurantes estarão abertos das 10h às 17h. Há mais motivos para as pessoas saírem de casa e interagirem.

    > Clique aqui e receba as notícias de Blumenau e região via Whatsapp.

    Grosso modo, é o que o Médio Vale vem praticando desde a semana passada, com variações de cidade para cidade.

    O recuo de Hildebrandt lembra movimento semelhante de Gean Loureiro, em Florianópolis, que anunciou restrições e depois voltou atrás. Ambos tinham empresas, eleitores e prefeitos vizinhos remando na direção contrária. Cederam.

    Existem argumentos compreensíveis sobre o sofrimento de negócios, o risco aos empregos, o cansaço geral das comunidades com as quarentenas. Mas essas não são razões "técnicas", nem de saúde e nem de economia. Quanto mais tempo aceita-se a circulação do vírus, maior é o preço pago em vidas e empregos. Basta observar boas (e más) práticas internacionais.

    O cancelamento da Oktoberfest, anunciado na mesma live, serviu para transmitir ar de gravidade e rigor ao momento. A verdade é que perdemos a Oktober já no mês de abril, quando Santa Catarina desistiu de suprimir o vírus e arriscou atalhos para sair da pandemia. Fosse só a festa, menos mal.

    Blumenau voltará às compras sobre mais de 40 corpos, entre gente doente e profissionais de saúde esgotados. Que se fale o português claro: é uma tragédia. Pior que a de novembro de 2008.

    Não só pelas perdas econômicas e humanas. Doze anos atrás, a capacidade coletiva desta comunidade enfrentou lama e água, reergueu tudo. Um orgulho brasileiro.

    A Blumenau resignada diante da catástrofe do coronavírus é uma cidade sombria.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas