nsc
    nsc

    Tradição do Vale

    Santa Catarina oficializa a receita da linguiça Blumenau

    Compartilhe

    Evandro
    Por Evandro de Assis
    20/08/2020 - 10h27 - Atualizada em: 20/08/2020 - 13h57
    Documento diz que iguaria deve ter sabor de alho e forma de ferradura
    Documento diz que iguaria deve ter sabor de alho e forma de ferradura (Foto: Divulgação)

    Paleta, pernil, lombo ou sobrepaleta suína. Adicione toucinho moído sem pele. Misture alho, sal e pimenta do reino. Embale tudo num invólucro natural. Pronto: é só defumar e secar naturalmente e a linguiça Blumenau estará pronta.

    Essa iguaria criada por imigrantes alemães, que Santa Catarina e o Brasil aprenderam a saborear, tem agora nome, sobrenome e documento oficial. Uma portaria da Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, publicada segunda-feira (17), define identidade e características mínimas do produto.

    > Que tal receber notícias de Blumenau e região direto no seu Whatsapp? É só clicar e confirmar.

    O documento, rico em detalhes, preconiza que não pode haver mais de 42% de gordura e menos de 15% em proteínas. A umidade não pode passar dos 55%. Ou seja, antes de começar a preparar o risoto de linguiça Blumenau, agora você pode ter certeza de que o produto comprado é o correto.

    A portaria faz mais do que isso. Ela reconhece a existência de um produto único, regional, totalmente conectado ao Vale do Itajaí e dá tranquilidade aos produtores. De acordo com o empresário Luiz Antonio Bergamo, da Olho Alimentos, de Pomerode, a legislação federal que define genericamente a "linguiça defumada" provocava dificuldades. Isso porque o diferencial da linguiça Blumenau está no processo de secagem.

    — Como ela fica exposta no supermercado, vai secando e perdendo umidade. Então a gordura se sobressai. Quando a VIgilância Sanitária pegava o produto no ponto de venda, dizia que o produto estava fora dos parâmetros — explica.

    Vale Europeu

    O próximo passo da indústria relacionada à linguiça Blumenau no Vale do Itajaí é conseguir o reconhecimento da Indicação Geográfica (IG) junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). Entre as características únicas elencadas está o clima do Vale do Itajaí, onde a iguaria é produzida.

    — Se você pegar a mesma linguiça, a mesma marca, no mesmo lote, e defumar, por exemplo, no Oeste de Santa Catarina, não fica igual — garante Bergamo.

    O procedimento para conseguir a IG está avançando, com a ajuda do Sebrae. Neste momento, está sendo feito um levantamento histórico. A receita da linguiça Blumenau chegou a Santa Catarina pelas mãos da família Weege, que em 1934 começou a produzi-la em escala industrial em Pomerode — à época ainda era parte do municípiio de Blumenau, por isso o nome.

    A expectativa é concluir o dossiê para envio ao INPI até o fim do ano.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas