nsc
nsc

Crônica

“Com ou sem gás?”: quem é você no bar e restaurante

Compartilhe

Marcos
Por Marcos Piangers
15/05/2022 - 14h00
coluna-marcos-piangers-agua-com-ou-sem-gas
Piangers: "Este não é um texto contra a água com gás. A água gaseificada tem valor. (...) O que estamos propondo é que a água com gás seja colocada no seu lugar" (Foto: Freepik)

Você está no restaurante, todos fazem os pedidos, um pede cerveja, outro vinho, outro suco e você quer apenas uma água. É então que o garçom, experiente com tantas idas e vindas causada por este confuso item do cardápio, pergunta: “Com ou sem gás?”.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Alguns podem achar assunto pequeno e bobo, mas, como dizem os alemães, o diabo mora nos detalhes. Este detalhe específico, que passa despercebido por milhares de brasileiros, me parece ser causador de imensa perda de produtividade e bem-estar entre nossos compatriotas. Garanto que, entre tanto “com ou sem?”, o país perde bilhões de dólares.

> Piangers: "Mamãe é super"

É possível pesquisar informalmente e descobrir que cerca de 99,99% dos pedidos de água são sem gás. Portanto, por causa de 0,01% dos pedidos, todos os pedintes de água precisam responder a abjeta pergunta “com ou sem?”. Além disso, quantas vezes uma água sem gás foi pedida e uma água com gás foi entregue? Quanta água foi desperdiçada neste processo?

Peço que o leitor responda sinceramente. Quantas vezes uma água com gás foi pega por engano na loja de conveniência do posto de gasolina? Quantas vezes, no frigobar do hotel, águas com gás e águas sem gás se apresentaram em igual número, apesar das primeiras seres desproporcionalmente menos consumidas? Quantos hóspedes abriram uma água com gás esperando que fosse sem? Quantas garrafinhas transbordaram de madrugada nos hotéis deste país, molhando roupas, chão, roupas de cama desnecessariamente?

> Vídeo: casal de joão-de-barro faz "condomínio" em semáforo

Este não é um texto contra a água com gás. A água gaseificada tem valor. Queremos que ela continue aplacando nossa ressaca, refrescando-nos com limão e gelo, servindo como ótima substituta para momentos em que não podemos consumir bebida alcóolica. O que estamos propondo é que a água com gás seja colocada no seu lugar, cerca de um milésimo do tamanho da água sem gás. Que tenha outro nome! Podemos chamá-la de gasosa, carbonatada ou suco de bolinha, como minha filha chamava, quando era pequena. Mas não de água! Que pare de confundir garçons, clientes, hotéis e restaurantes.

> Leia outras colunas de Marcos Piangers

Queremos que ela encontre seu lugar fora do mundo das águas. Que ela entenda sua importância, mas em um patamar infinitamente menor do que a água sem gás, a qual consideraremos apenas água. Sem confusão. Sem perda de tempo com perguntas desnecessárias. Sem explosão de gás e líquido na roupa de clientes desavisados. Para um país melhor e mais feliz!

Vamos juntos!

Leia também:

> Onda de frio intenso pode provocar neve em Santa Catarina

> Dois senadores de SC usaram mais de R$ 100 milhões em emendas do orçamento secreto

> Saiba como ver o eclipse total com Lua de Sangue no domingo

Marcos Piangers

Colunista

Marcos Piangers

Marcos Piangers é autor do best seller O Papai é Pop, com mais de 300 mil livros vendidos e traduzidos em inglês, espanhol e catalão. É uma das maiores referências sobre paternidade do Brasil e cinco vezes palestrante do TEDx, a maior conferência de ideias do mundo. Seus vídeos já ultrapassaram a marca de meio bilhão de views na internet.

siga Marcos Piangers

Marcos Piangers

Colunista

Marcos Piangers

Marcos Piangers é autor do best seller O Papai é Pop, com mais de 300 mil livros vendidos e traduzidos em inglês, espanhol e catalão. É uma das maiores referências sobre paternidade do Brasil e cinco vezes palestrante do TEDx, a maior conferência de ideias do mundo. Seus vídeos já ultrapassaram a marca de meio bilhão de views na internet.

siga Marcos Piangers

Mais colunistas

    Mais colunistas