nsc
    nsc

    “Morir-se de amor”

    Quando o vinho se transforma numa história de amor

    Compartilhe

    Nara
    Por Nara Caviquioli
    26/11/2020 - 14h42 - Atualizada em: 18/12/2020 - 16h39
    Vinho 'Morir-se de amor' tem uma linda história
    Vinho 'Morir-se de amor' tem uma linda história (Foto: Nara Caviquioli / Arquivo pessoal)

    Quando vi o rótulo deste vinho chamado “Morir-se de amor” fiquei tão apaixonada que resolvi ir atrás do criador desse vinho e da sua história.

    > Compras on-line na Black Friday: veja dicas de proteção contra hackers

    E aí? Bom, fiquei ainda mais encantada!

    Este vinho é um projeto pessoal do Argentino Omar Araujo, que não é enólogo ou sommelier. É apenas mais um apaixonado por vinhos que resolveu fazer sua própria criação. Aos 45 anos de idade, e depois de trabalhar com turismo – e outras coisas sem relação nenhuma com o vinho –, decidiu que algo teria de mudar em sua vida.

    > Quanto custam os desejados champagnes de grife?

    Omar resolveu criar o “Morir-se de amor” quando ficou doente, sem um diagnóstico claro. O argentino passou 40 dias acamado, e logo que acordou desse pesadelo real falou: “Decidi! Vou fazer um vinho”. 

    Em uma conversa descontraída que tivemos online, pois na ocasião da entrevista ele estava em Mendoza, na Argentina e eu aqui no Brasil, Omar me contou a história por trás do vinho. Segundo ele, ideia veio após um longo processo de introspecção: “Estou convencido de que a gente vai e volta da dor, que é sempre subjetiva e são limiares que se ultrapassam. O grande desafio é perceber e decidir o que vamos fazer com o que nos acontece”, disse, com um sorriso no rosto, o apaixonado por vinhos.

    > Compras on-line na Black Friday: veja dicas de proteção contra hackers

    Durante o processo de criação, Omar reconhece que se preocupou bastante com o design (que foi criado por Gachi Ruth Domínguez) e complementa: “Isso exigiu um pouco mais de mim em seu desenvolvimento e me fez pensar que ‘amor’ e ‘morte’ são duas palavras poderosas, pouco usadas e das quais não se retorna. Uma fusão explosiva de grande relevância”.

    Após o processo de criação, Omar concluiu: o Assemblage seria seu reflexo, sua melhor versão. “Com o passar do tempo, todos aprendemos que estamos melhores do que antes, por isso somos como a assemblage ‘Morir-se de Amor’. Hoje estou em outro estágio, com a intenção de seduzir os paladares mais exigentes”, diz um satisfeito Omar.

    Agora vamos contar o resultado dessa história de amor.

    > 10 alimentos para reforçar o sistema imunológico

    O resultado é um vinho com cor vermelha púrpura profunda, mas que, no nariz, é complexo e fresco. Apresenta uma paleta de aromas que lembra frutas pretas e vermelhas, vegetais e especiarias. Em boca é um vinho com persistência delicada e elegante, com taninos aveludados e se fazem presentes no palato, o que deixa uma marca difícil de esquecer.

    É sugerido harmonizar com queijos curados, charcutaria defumada, risoto, massas recheadas, carnes vermelhas grelhadas e caça. Para fãs de sobremesas, o “Morir-se de Amor” vai bem com nozes, chocolates e doces regionais com pimenta e azeite.

    Este vinho é o resultado da requintada composição de Malbec (40%), Merlot (40%), Cabernet Sauvignon (10%) e Petit Verdot (10%). Estagia 12 meses em barricas francesas de primeira utilização e tosta média. Com potencial de armazenamento de 8 anos. A safra 2016 tem apenas 2.100 garrafas, e foi feito pelo Enólogo Adrián Vargas.

    É uma história linda, de um projeto feito com um cuidado em todas as etapas e um vinho maravilhoso... é, aconteceu... fiquei sem palavras, mas amando esta experiência. Ok, estranho para uma jornalista, eu sei. Mas me fala: Como não se apaixonar perdidamente por este "Morir-se de Amor"?!? Eu não resisti... Espero que um dia você também viva algo assim.

    Leia também: 

    Por que existem diferentes tipos de garrafa de vinho?

    Como o vinho é produzido?

    Descubra quais são os benefícios da cerveja na saúde

    Saiba como harmonizar chocolate e vinho

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas