Poderia a região de Blumenau se tornar um polo industrial de… aeronaves? Ou até mesmo de equipamentos e veículos bélicos? Segundo um estudo da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc) em colaboração com a UFSC, divulgado na última semana, sim: há potencial para desenvolver esses tipos de atividades no Médio Vale.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Blumenau e região por WhatsApp

A pesquisa avaliou a complexidade econômica das 20 microrregiões catarinenses – no caso de Blumenau, o recorte englobou ainda cidades vizinhas como Timbó, Pomerode, Indaial e Gaspar. O levantamento considera também relações existentes entre os setores econômicos e as habilidades já desenvolvidas entre os trabalhadores, entre outras variáveis.

A partir do diagnóstico, foi elaborada uma proposta para a diversificação inteligente dessas regiões, apontando setores e atividades industriais com alto potencial de desenvolvimento. O mapeamento de oportunidades deve ajudar a própria Fiesc a rever os programas de ensino, com a oferta de novos cursos de formação e capacitação voltados a essas áreas.

No caso da microrregião de Blumenau, o estudo destaca a já existência de uma sólida indústria têxtil e de confecções, além de uma presença significativa nos setores de metalurgia e mecânica e em serviços tecnológicos, como o desenvolvimento de softwares empresariais.

Continua depois da publicidade

“Essa concentração industrial, aliada ao destacado nível de complexidade econômica alcançado na região em relação ao Brasil, permitiu a recomendação de uma estratégia de diversificação inteligente de baixo risco para alta complexidade econômica. Com isso, espera-se acelerar um processo de sofisticação produtiva, que já se poderia esperar para região”, cita o material.

Algumas das oportunidades identificadas incluem a produção de equipamentos para as indústrias de comunicação, informática e serviços de TI, além de diversos segmentos produtores de máquinas e equipamentos. Com estreita ligação a essas áreas, o estudo sugere novas vocações intensivas em tecnologia, como aparelhos eletromédicos, equipamentos e veículos bélicos, veículos automotores de passeio e até aeronaves.

Em paralelo, essa diversificação exigiria o desenvolvimento de serviços financeiros e empresariais complementares e específicos, já que essas atividades demandam habilidades pouco frequentes e com salários mais altos em função do alto valor agregado, complementa o estudo.

“Esse é o caminho da criação de empregos qualificados e da consolidação de Blumenau como um polo econômico diversificado e tecnologicamente avançado”, orienta a pesquisa.

Continua depois da publicidade

Leia também

Barragem diminuiu enchente de Blumenau em dois metros, estima hidrólogo

Costão do Santinho vai construir novo resort de luxo em SC

Bistek escolhe Balneário Camboriú para estrear novo formato de loja

Por que a Oktoberfest Blumenau 2023 vai “liberar geral” na última semana

Receba notícias e análises do colunista Pedro Machado pelo WhatsApp

Destaques do NSC Total