nsc
nsc

Política

Arquivamento da investigação pela PGR cria constrangimento para condenar Moisés

Compartilhe

Renato
Por Renato Igor
15/04/2021 - 05h00
Carlos Moisés da Silva
Carlos Moisés da Silva (Foto: Reprodução /NSCTV)

A decisão da subprocuradora-geral da República, Lindôra Araújo, pelo arquivamento da investigação do governador afastado, Carlos Moisés da Silva, cria um constrangimento para uma possível condenação no mérito do Tribunal Misto do Impeachment, ainda sem data marcada. Mesmo sabendo-se que trata-se de um julgamento jurídico-político, é muito difícil justificar o afastamento de um governante eleito de forma democrática quando todos os órgãos de controle descartam a participação criminosa do acusado. 

> Clique aqui e receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

O Ministério Público de Santa Catarina (MP-SC), o Ministério Público de Contas e o Tribunal de Contas (TCE-SC) apontam não haver envolvimento de Moisés na compra desastrada dos 200 respiradores por R$ 33 milhões. O inquérito da Polícia Federal (PF) conclui da mesma forma e, agora, a posição do Ministério Público Federal no mesmo caminho.

Há, também, uma questão cronológica importante a ser levada em consideração: não haverá sequer processo penal, na medida em que todos os órgãos de controle concluíram pela falta de indícios que apontem possibilidade de crime. As investigações apontam que não há elementos suficientes que indiquem que Moisés sabia do pagamento antecipado e, assim sendo, enfraquece a tese da omissão.

Tudo isso, entretanto, pode não fazer a menor diferença quando sabe-se que há um componente político muito forte em processos de impeachment. Mesmo assim, qualquer tipo de previsão, agora, seria leviana. Há que se provar, cabalmente, a responsabilidade do governador ou então devolver a ele o mandato legitimado pelas urnas.

Vale lembrar que na votação pela admissibilidade e que resultou no afastamento temporário de Moisés não constava nos autos o inquérito da PF. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) não havia liberado a documentação pois aguardava o parecer da PGR, agora divulgado. Talvez aí esteja um elemento consistente para que a defesa de Carlos Moisés consiga reverter votos dos desembargadores.

O placar do dia 26 de março e que resultou na admissibilidade do processo e, consequentemente, no afastamento temporário de Moisés foi de 6x 4. Os cinco magistrados e o deputado Laércio Schuster (PSB) votaram pela continuidade do processo. O mesmo placar no julgamento do mérito garante o retorno de Moisés à função. Para cassação de mandato são necessários sete votos.

Acompanhe a entrevista com o advogado de Carlos Moisés da Silva, Marcos Probst:

Leia Mais:

> Senadores catarinenses são contrários à CPI da Pandemia

> A bolha de Bolsonaro: o que o presidente vê quando navega nas redes sociais

Renato Igor

Colunista

Renato Igor

Apresentador e comentarista na CBN Diário e NSC TV, Renato Igor faz análises e traz as notícias sobre o que acontece em Santa Catarina e o que influencia os rumos do Estado.

siga Renato Igor

Renato Igor

Colunista

Renato Igor

Apresentador e comentarista na CBN Diário e NSC TV, Renato Igor faz análises e traz as notícias sobre o que acontece em Santa Catarina e o que influencia os rumos do Estado.

siga Renato Igor

Mais colunistas

    Mais colunistas