nsc
    nsc

    Regras

    Eventos em SC podem voltar com festa sem dança e até dois músicos no palco; entenda proposta

    Compartilhe

    Renato
    Por Renato Igor
    16/04/2021 - 06h27 - Atualizada em: 16/04/2021 - 13h06
    Regras para a volta de eventos sociais em discussão
    Regras para a volta de eventos sociais em discussão (Foto: Divulgação)

    O setor de eventos sociais e casas de shows está se preparando para uma retomada de atividades em um novo formato. Atualmente a atividade está proibida. Na terça-feira (13), representantes dos profissionais que atuam nesta enorme cadeia produtiva estiveram reunidos com a governadora interina Daniela Reinehr e com a secretária de Saúde (SC), Carmem Zanotto.

    > Mapa Covid de SC hoje: veja em mapa e dados por cidade como está a situação da pandemia

    > Calendário da vacina: veja dados da vacinação em cada município de SC no Monitor da Vacina

    “ Ficou muito claro que pela governadora ela já teria liberado, mas a secretária Carmen interveio e disse que o assunto precisa ser estudado com o estabelecimento de regras claras de acordo com a classificação de risco”, disse o presidente da Associação Catarinense das Casas de Shows, Artistas, Músicos e Similares, Sandro Fortes.

    Nesta quinta-feira (15), ele esteve reunido com os técnicos do Centro de Operações de Emergência em Saúde (COES) para discutir as regras de uma volta aos trabalhos. Nesta sexta-feira (16), às 14h, haverá nova reunião com a governadora para discutir o tema. Não há data para a liberação, mas estima-se em uma semana.

    Entre as propostas do setor para a realização de festas de 15 anos, aniversários, casamentos e formaturas estão o estabelecimento de limite de público, no máximo dois músicos no palco, com distanciamento e máscara. Os músicos devem ser de Santa Catarina para evitar deslocamentos de outras regiões e os convidados ou clientes não poderão dançar.

    “Nós queremos contemplar os boêmios em espaços seguros e com regras, pois hoje as festas estão ocorrendo nas pizzarias, bares e churrascarias”, explicou Fortes. Na região no nível gravíssimo a ocupação seria de 20%, grave 30% e alto 40%, por exemplo, de forma escalonada.

    Leia Mais:

    > Tratamento precoce e crítica às medidas restritivas: o que disse Bolsonaro na 7ª visita a SC

    > Bial diz que só entrevistaria Lula com detector de mentiras e filho do petista responde

    > No início da pandemia, Paulo Gustavo já temia contaminação por Covid-19: “Tenho medo de pegar isso e morrer”

    > Jovem sofre ataques homofóbicos e ameaças de morte com símbolos nazistas em Imbituba

    Mais colunistas

      Mais colunistas