A não renovação do decreto de estado de calamidade pública em Santa Catarina para enfrentamento da pandemia de Covid-19 representa, na prática, o retorno dos ritos habituais nos processos de gestão administrativa, especialmente no âmbito da Secretaria da Saúde. 

Continua depois da publicidade

> Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

> Beach Clubs de Jurerê Internacional têm 60 dias para remover decks

O Centro de Operações em Emergências em Saúde (COES), por exemplo, deixa de existir. O órgão deu suporte técnico às decisões tomadas pelos gestores públicos no enfrentamento à pandemia. O que eram regras anteriormente passam a ser orientações agora, como o uso de máscaras.

Uma entrevista coletiva está marcada para as 11h na sede estadual da Defesa Civil para explicar a não postergação.

Continua depois da publicidade

A decisão é baseada no cenário epidemiológico atual e no avanço da vacinação. Carlos Moisés da Silva irá apresentar um balanço da gestão da pandemia. Irá ressaltar que as indústrias não deixaram de trabalhar e que o estado foi o primeiro do país a determinar o fechamento de algumas atividades após o primeiro caso de contaminação comunitária, em 17 de março de 2020.

Leia Mais:

TCE “abre caixa-preta” dos ônibus em Florianópolis

Juiz de SC defende inspeções carcerárias: “Sistema cruel”

Praça Forte São Luiz, em área nobre de Florianópolis, pode sair da maquete

BR-101 em SC pode mudar de nome e personalidades “disputam” homenagem

Destaques do NSC Total