nsc
nsc

Previdência

Sindicato dos Servidores de Joinville reage e inicia mobilização contra reforma

Compartilhe

Saavedra
Por Saavedra
08/02/2021 - 18h21
Déficit da prefeitura de Joinville com Ipreville é um dos principais motivos da reforma
Déficit da prefeitura de Joinville com Ipreville é um dos principais motivos da reforma (Foto: Arquivo pessoal)

O Sindicato dos Servidores Municipais de Joinville (Sinsej) iniciou a mobilização contra a reforma da Previdência pretendida pelo governo Adriano Silva. Sindicalistas estão percorrendo os locais de trabalho para “alertar” sobre as propostas. Na quinta-feira, será realizada assembleia, pela internet, para tratar da questão. No dia seguinte, há previsão de ato público. “Claro que vamos fazer o enfrentamento, se a categoria já rejeitou uma reforma que previa a ampliação da alíquota, agora haverá mais mobilização, afinal, a prefeitura quer repetir a reforma do governo federal de 2019”, diz a presidente do Sinsej, Jane Becker.

Nesta segunda-feira, a prefeitura de Joinville informou ter sofrido bloqueio de R$ 908 mil em repasses federais de convênios por não contar com o certificado de regularidade previdenciária (CRP) em dia. A alegação do município é que sem a reforma, o CRP não será renovado. “Vamos abordar a possibilidade de recorrer à Justiça para renovar o certificado, como já fizeram outras cidades”, diz a presidente Jane, alegando que não há prazo definido para os municípios realizarem as reformas.

> Joinville já enfrenta bloqueio de recursos por causa da falta de certificado

> Duas décadas após compra, Cidadela Cultural de Joinville vai virar praça

> Déficit bilionário na previdência em Joinville pode ficar ainda maior

> Para reduzir déficit, prefeitura de Joinville quer reforma da Previdência mais ampla

A prefeitura de Joinville aponta ainda o déficit atuarial como motivo para a reforma. Hoje, o município já tem de desembolsar mais de R$ 900 milhões, em parcelas mensais até 2043, por causa desse déficit. Cálculo atuarial concluído em dezembro do ano passado apontou a necessidade de aporte de mais R$ 295 milhões. Com a reforma, alega o governo Adriano, esse déficit será reduzido de forma expressiva.

O Sinsej alega que a conta não pode “ser paga pelos servidores”. O sindicato está em contato com profissional do setor (atuário) para analisar a questão. O sindicato vai insistir em diálogo com Adriano Silva. “No governo anterior, não fomos nem comunicados do projeto de reforma. Em reunião com o prefeito no início do ano, ele se mostrou mais aberto ao diálogo”, lembra Jane. A prefeitura de Joinville pretende enviar os projetos da reforma à Câmara ainda em fevereiro.

> Prefeitura de Joinville vai fazer licitação do transporte público

> Quer receber notícias de Joinville e Norte de SC por WhatsApp? Clique aqui

Jefferson Saavedra

Colunista

Saavedra

Jefferson Saavedra traz análises e notícias exclusivas dos assuntos mais relevantes do Norte catarinense, com foco nos bastidores de todos os temas que envolvem especialmente Joinville e região, como política, segurança, mobilidade, saúde e educação.

siga Saavedra

Jefferson Saavedra

Colunista

Saavedra

Jefferson Saavedra traz análises e notícias exclusivas dos assuntos mais relevantes do Norte catarinense, com foco nos bastidores de todos os temas que envolvem especialmente Joinville e região, como política, segurança, mobilidade, saúde e educação.

siga Saavedra

Mais colunistas

    Mais colunistas