nsc
    nsc

    Articulação

    A estratégia política de Moisés contra o impeachment

    Compartilhe

    Upiara
    Por Upiara Boschi
    31/07/2020 - 11h25
    Moisés tenta sair do isolamento político
    Moisés tenta sair do isolamento político (Foto: Secom, Divulgação)

    O governo Carlos Moisés (PSL) vai recorrer à política - tão negada ou ignorada em diversos momentos do mandato - para tentar sobreviver ao processo de impeachment deflagrado na quinta-feira pela Assembleia Legislativa. Os movimentos estão sendo realizados e visam construir não apenas os 14 votos necessários para impedir a cassação, mas também uma coalizão política o que permita governar com menos sobressaltos até 2022.

    A data não é mero acaso. Nas conversas que o governador Moisés e seus emissários têm mantido com lideranças políticas estaduais uma das cartas que coloca na mesa é a eleição para governador em 2022 - quando, se tudo der certo para o atual inquilino da Casa d’Agronômica, será disputada sua sucessão. Moisés tem garantido que não pretende disputar a reeleição e que precisa de apoio para terminar bem o mandato.

    Antes da crise política, o governador falava abertamente da intenção de ter o mandato avaliado nas urnas em 2022. Agora, mudou o tom. Com isso, espera adoçar as conversas com nomes que podem ser candidatos a governador nas próximas eleições, como os senadores Esperidião Amin (PP), Jorginho Mello (PL) e Dário Berger (MDB) - e que eles influenciem as bancadas de seus partidos.

    Para quem não quiser defender explicitamente o governo Moisés no processo de impeachment contra ele e a vice-governadora Daniela Reinehr (sem partido), a senha é posicionar-se contra a possibilidade de que o próximo governador seja definido em eleição indireta - eleito pelos 40 deputados. Para que a eleição seja direta, é necessário que o processo de impeachment seja concluído com a cassação de Moisés e Daniela ainda em 2020. Se o processo de estender até o ano que vem, como se prevê nos bastidores, a eleição será indireta, precedida pela interinidade do presidente da Alesc, Júlio Garcia (PSD), no comando do Estado.

    Moisés também está disposto a mudar um discurso que adotava até poucas semanas atrás: o de não nomear deputados estaduais para o secretariado. Na entrevista que concedeu a mim e ao colega Raphael Faraco no final de junho, o governador disse: “Não há planos e não há deputados cotados, pelo menos pelo governo, para exercerem secretarias”. Agora, essa possibilidade está aberta na tentativa de recomposição do governo, a começar pela Casa Civil - núcleo político do governo, vaga desde a saída de Amandio João da Silva Júnior no final de junho. A nomeação de um deputado também atrelaria ao governo o suplente que assumisse a vaga - atualmente um parlamentar do PP é o favorito para assumir o posto.

    A abertura do governo aos deputados fica clara na própria manifestação do governador ao comentar a abertura do processo de impeachment, na quinta-feira, quando focou no presidente Júlio Garcia a decisão pela deflagração. Na escolha das palavras, enfatizou respeitar “a Alesc e os deputados estaduais”. Nessas horas, todo gesto vale. Resta saber há tempo ou disposição dos parlamentares para conversas que deveriam ter acontecido antes de uma crise política estourar.

    Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que publico no NSC Total e outras mídias. É só procurar por Upiara Boschi - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/upiaransc

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas