nsc
dc

Games

A psicologia nos eSports e a influência da Universidade Federal de Santa Catarina

O burnout é um assunto sério quando falamos de saúde mental dos jogadores de esportes eletrônicos. Lidar com pressão, treinos exaustivos e expectativas por bons resultados são os principais motivos pelo colapso

20/08/2021 - 17h24

Compartilhe

Por Matheus Dal Prá
Os Esports giram em torno de competições de jogos eletrônicos, onde atletas profissionais de determinados jogos disputam partidas
Os Esports giram em torno de competições de jogos eletrônicos, onde atletas profissionais de determinados jogos disputam partidas
(Foto: )

Os Esportes Eletrônicos, ou apenas Esports como é mundialmente conhecido, é uma modalidade esportiva que vem dominando o mundo gamer e tecnológico. Numa definição simples, os Esports giram em torno de competições de jogos eletrônicos, onde atletas profissionais de determinados jogos disputam partidas, seja presencial ou online. Na maioria delas, com espectadores, presencialmente no local do evento, ou em plataformas de streaming em disputas online.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

> Conheça o Torneio Universitário de eSports, o TUeS

O mundo por trás dos Esports gira em torno de diversas coisas, uma delas é a saúde mental dos atletas profissionais. Esse assunto é muito comentado nos dias atuais e vivenciado por muitos atletas de alto rendimento que sofrem com burnout devido a exaustão extrema de treinamentos e competições. Com isso, a psicologia nos Esports cresce com o passar dos anos e vamos saber um pouco mais sobre o assunto agora.

Graduação e Pós Graduação em Psicologia na UFSC

Rafael Pereira é natural de Timbó-SC e cursou Psicologia na Universidade Federal de Santa Catarina. Durante a graduação entre os anos de 2014 a 2016, Rafael foi auxiliado pelos professores Doutores Psicólogos da UFSC para prestar assessoria ao time profissional de League of Legends CNB e-Sports Club. Na época, o assunto não era difundido e os jogadores não olhavam com os mesmos olhos sobre a importância que a psicologia tem dentro dos esportes eletrônicos.

Rafael Pereira prestou assessoria ao time profissional de League of Legends da CNB e-Sports Clu
Rafael Pereira prestou assessoria ao time profissional de League of Legends da CNB e-Sports Clu
(Foto: )

Rafael sempre acompanhou o cenário competitivo do jogo, mas ao realizar pesquisas sobre ao assunto, notou a falta de pesquisas científicas. Com isso, ele criou um Projeto de Pesquisa e Extensão com a UFSC com objetivo de estruturar esse campo voltado a psicologia. A dissertação do mestrado de Rafael também envolveu o assunto, com o título: “Associações entre personalidade e coping na qualidade de vida em jogadores profissionais de League of Legends no Brasil”.

A importância da psicologia nos Esports

No ano de 2020 em meio uma pandemia, diversos jogadores profissionais se ausentaram de suas funções para se recuperarem de danos a saúde mental e encontrar motivação para seguir treinando e competindo. O burnout (Síndrome do Esgotamento Profissional) afeta principalmente as pessoas que possuem um laço forte com seu trabalho. Há diversos motivos para que isso ocorra, mas principalmente nos Esports as expectativas que o jogador cria, a pressão por resultados e insatisfação de treinos são os principais aspectos.

A Síndrome do Esgotamento Profissional também está presente nos Esports
A Síndrome do Esgotamento Profissional também está presente nos Esports
(Foto: )

Dois jogadores muito conhecidos no cenário mundial de Counter Strike Global Offensive decidiram dar um tempo em 2020. Lukas "gla1ve" Rossander e Andreas "Xyp9x" Højsleth fazem parte da equipe da Astralis e atualmente estão ativos, após um bom tempo de pausa para reestabelecer a saúde mental. No Brasil, André “tiburci0” Rossett também percorreu o mesmo caminho no último ano.

Uma das melhores referências na psicologia no Esports tem nome e sobrenome, João Cozac. Ele começou nos esportes convencionais até que resolveu se especializar nos esportes eletrônicos, passando por equipes de League of Legends da Vivo Keyd, e de CS:GO da MIBR. Além disso, João é Presidente da Associação Paulista da Psicologia do Esporte.

> TUeS 2021: entenda como funciona cada modalidade

João sempre ressaltou que o problema do burnout nos Esports estão relacionados com a expectativa que o jogador cria em torno de uma possível evolução. Ele cita que quanto mais jovem o jogador, mais difícil de lidar com outros aspectos que podem influenciar na saúde mental, como a fama. Como citado acima, a pressão por resultados pode ser um ponto chave. Porém, no final das contas, em estudos que investigam se o tempo de jogo influencia no bem-estar do indivíduo, chega-se à conclusão que as motivações, paixão e necessidades psicológicas básicas do jogador podem ter maior impacto nas variáveis de bem-estar.

A realidade na prática

É com esses fatores que as maiorias das equipes de Esports estão investindo em pelo menos um psicólogo especializado para cada modalidade. Chegou-se à conclusão que o burnout é um problema sério e isso pode levar a complicações irreparáveis, não somente nos esportes eletrônicos. Importante ressaltar que como ao exemplo da UFSC em Santa Catarina, outras universidades com o curso de Psicologia constituem de projetos voltados para os esportes em geral e também para os Esports.

Leia também

Game com temática manezinha é desenvolvido por primos de Florianópolis durante a pandemia

Jogo feito em Florianópolis ganha destaque em premiação internacional de games

Game com temática manezinha é desenvolvido por primos de Florianópolis durante a pandemia

Colunistas