nsc
dc

Tragédia no Oeste

"A situação era de caos": testemunhas de ataque a creche em SC são ouvidas em primeira audiência

Ao todo, 13 pessoas foram ouvidas nesta quinta-feira (5); réu prestará depoimento no fim do mês

05/08/2021 - 18h11 - Atualizada em: 20/08/2021 - 16h27

Compartilhe

Carolina
Por Carolina Fernandes
Por Luana Amorim
Ao todo, 13 testemunhas foram ouvidas neste primeiro dia de audiência sobre o caso
Ao todo, 13 testemunhas foram ouvidas neste primeiro dia de audiência sobre o caso
(Foto: )

A primeira audiência do processo que apura o ataque contra uma creche de Saudades, no Oeste catarinense, terminou por volta das 18h30 desta quinta-feira (5). O crime, que ocorreu em maio, deixou cinco mortos, sendo três crianças com menos de 2 anos e duas educadoras.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

A audiência ocorreu em Pinhalzinho, também no Oeste, e iniciou por volta das 13h30. Nesta primeira etapa, foram ouvidas 13 das 15 pessoas previstas, sendo que seis eram sobreviventes do massacre. Duas das tesmunhas, segundo o Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), desistiram de depor. O réu, de 18 anos, não acompanhou a audiência.

Uma das testemunhas que prestou depoimento nesta quinta-feira é o bombeiro militar Rafael Blasechi. Ele estava no plantão no dia em que ocorreu o ataque e foi um dos primeiros a chegar no local. 

— A situação era de caos. A gente fez o primeiro atendimento ali das vítimas e do acusado em si e a gente participou de toda a situação. Darei minha contribuição para ver como vai ser o desenrolar do caso — disse em entrevista ao G1.

Como o processo está em sigilo, apenas a equipe do fórum e os depoentes puderam participar da audiência, que é presidida pelo juiz Caio Lemgruber Taborda. Além disso, devido à pandemia, juiz, promotor de justiça e o advogado de defesa participaram de modo online, enquanto as testemunhas prestaram depoimento no fórum. 

O teor dos depoimentos não foram divulgados, já que o caso está em sigilo.

Cenas de horror e gritos por socorro: professora relata desespero durante ataque a creche em SC

Réu será ouvido no fim do mês 

Uma nova audiência sobre o caso está marcada para ocorrer no dia 24 de agosto. Este também será o dia em que o réu, que segue preso, será ouvido por meio de videoconferência. Na ocasião, outras 14 pessoas também serão ouvidas.

Ele responde por cinco homicídios qualificados por motivo torpe, cruel e em ação que impossibilitou a defesa das vítimas. Além disso, o homem é réu por 14 tentativas de homicídio - de pessoas que também estavam na creche.

Relembre o caso 

O caso aconteceu em 4 de maio quando um homem de 18 anos entrou na creche armado com duas facas. Segundo o delegado Jerônimo Marçal, o agresso teria atacado uma professora na entrada da escola. Ela, então, correu para uma sala onde estavam quatro crianças e a uma agente educativa. 

Ao chegar no local, o autor continou os ataques, matando a professora e três crianças. Já a agente, chegou a ser socorrida, mas não resistiu. Todas foram atingidas com ao menos cinco golpes. 

Leia também: 

Quem são as três crianças vítimas do ataque a creche em Saudades, no Oeste de SC

Ataques a escolas no Brasil: 8 vezes em que o país viveu cenas de terror

Quem era a professora morta em ataque a creche no Oeste de SC

Colunistas