nsc
hora_de_sc

Crime bárbaro

Acusada de matar grávida em Canelinha vai a júri popular na próxima semana

Mulher está presa desde agosto do ano passado

19/11/2021 - 18h52

Compartilhe

Camilla
Por Camilla Martins
Local onde grávida foi morta em Canelinha, na Grande Florianópolis
Crime aconteceu em agosto do ano passado
(Foto: )

O julgamento da mulher acusada de assassinar uma grávida em Canelinha, na Grande Florianópolis, que aconteceria no mês de outubro, vai ocorrer na próxima quarta-feira (24). A intenção da acusada, que confessou o crime, era retirar o bebê do ventre da vítima. 

> Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

A sessão do Tribunal do Júri será no plenário da Câmara de Vereadores de Tijucas e terá início durante a manhã.  

Segundo o Tribunal de Justiça, está previsto o depoimento de 16 testemunhas no processo. A ré também será ouvida. Após as falas da defesa e acusação, os jurados votam em uma sala secreta e o juiz profere a sentença.

Presa preventivamente, a mulher vai responder pelos crimes de feminicídio qualificado por motivo torpe com emprego de meio cruel, mediante dissimulação, e para encobrir outro crime; crime de tentativa de homicídio qualificada pela impossibilidade de defesa (em relação ao bebê), além dos crimes de ocultação de cadáver, parto suposto, subtração de incapaz e fraude processual. 

> Mulher planejou assassinato de amiga e roubo de bebê por dois meses, diz polícia

> Causa da morte de grávida em Canelinha foi o ferimento cortante na barriga, diz polícia

Crime em agosto de 2020

No dia 27 de agosto do ano passado a acusada teria convidado a vítima, Flávia Godinho, que estava 36ª semana de gravidez, para um chá de bebê. No entanto, a jovem de 24 anos foi levada para uma cerâmica desativada em Canelinha.  

Ainda de acordo com a investigação, a gestante foi golpeada por tijoladas e ficou desacordada. A acusada ainda teria pego um estilete e retirado o bebê do ventre da vítima, que morreu de hemorragia.

> Fotos de bebê roubada de mãe grávida em Canelinha devem ser excluídas das redes sociais, decide Justiça

Segundo a denúncia do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), a acusada planejou a morte de Flávia para ficar com o bebê, pois simulava uma gestação no mesmo período. 

Leia também

Vídeos bizarros de falsa freira que na verdade é homem revelam cirurgias ilegais em SC

Cliente tem ataque de fúria e invade bar de Joinville com o carro após briga

Corpo enterrado em roça de SC é achado após briga de casal e crime de 2019 é desvendado

Colunistas