Ratos circulando pelas ruas, animais mortos, mau cheiro e lixo boiando. Este é o cenário da capital gaúcha, Porto Alegre, após a água das chuvas começar a baixar. A situação pode ser vista nos bairros Menino Deus, Cidade Baixa e Centro Histórico. As informações são do g1.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Por causa dos temporais, que atingem o Rio Grande do Sul há mais de duas semanas, o nível do Guaíba subiu e atingiu um nível histórico de 5 metros e 35 centímetros, o maior já registrado desde a enchente de 1941. Nos últimos dias, no entanto, o rio começou a baixar e a água em algumas regiões escoou.

Não há imóveis para tantos desabrigados, diz prefeito de Porto Alegre

Isso porque, na situação atual, parte das ruas estão secas por conta das casas de bombas que voltaram a operar em Porto Alegre. De acordo com o g1, das 23 que compõem o sistema anticheias, 19 precisaram ser desligadas devido à enchente ou ao risco de choque elétrico. Atualmente, há nove em operação, segundo o Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae).

Continua depois da publicidade

Em entrevista ao g1, moradores relatam o que têm visto ao circularem pelas ruas da capital.

— É muito barro e, de vez em quando, [a gente] vê um peixinho morto jogado assim pela rua. A água é um nojo, lixo boiando. Eu vi uma cena absurda, que era um monte de barata na parede correndo da água — descreveu o assistente de leilão imobiliário Mateus Marchant.

— São peixes mortos que estão aparecendo, outros animais, rato, e o cheiro dessa água. Isso é algo que jamais pensei que veria e que sentiria tão perto da minha casa. Jamais pensei que eu, morando em Porto Alegre, fosse ser uma refugiada climática — relatou  a auxiliar administrativa Nathália Sachett de Lima, que mora perto do Centro Histórico e tem evitado sair de casa.

Situação do Rio Grande do Sul

No total, 149 pessoas já perderam a vida em decorrências das chuvas no Rio Grande do Sul. Cinco dessas vítimas são de Porto Alegre e tratam-se de:

  • Érico Luis Dos Santos Cardoso
  • Julio Cesar Fitz De Oliveira
  • Sergio Luiz Sette
  • Vilmar Enar Lozado
  • Outra vítima não identificada

Continua depois da publicidade

O estado gaúcho também registra 143 desaparecidos e 756 feridos. No total, 1,9 milhão de pessoas foram afetadas pelas chuvas. Além disso, 70.772 mil pessoas estão em abrigos e 337,3 mil estão desalojados nas casas de familiares ou amigos.

Dos 497 municípios gaúchos, 437 relataram problemas relacionado ao temporal.

Leia também

Entenda causas de uma das piores tragédias climáticas do RS que deixa mortos e desalojados

Entenda por que chuva do RS não chegou com intensidade a SC

Nível dos rios no Rio Grande do Sul só deve normalizar no final de maio, dizem especialistas

Destaques do NSC Total