nsc
dc

COMUNICAÇÃO

Carta de Bolsonaro "escorrega" no português em ao menos oito pontos

Trechos da nota trazem uso de regência verbal e concordância em desacordo com a norma padrão da Língua Portuguesa; entenda

11/09/2021 - 06h00

Compartilhe

Jean
Por Jean Laurindo
Carta de Bolsonaro tem oito situações que fogem à norma padrão da Língua Portuguesa
Carta de Bolsonaro tem oito situações que fogem à norma padrão da Língua Portuguesa
(Foto: )

A carta do presidente Jair Bolsonaro em que ele baixou o tom das críticas ao Supremo Tribunal Federal (STF) após as manifestações de 7 de setembro traz alguns “escorregões” na chamada norma padrão da Língua Portuguesa.

Ex-governador de SC esteve com Temer mas diz que não participou da carta de Bolsonaro

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Após a divulgação da nota, que teve apoio do ex-presidente Michel Temer (MDB) e foi publicada na quinta-feira (9), postagens em redes sociais apontaram o que seriam erros de português na carta assinada por Bolsonaro.

A reportagem do Diário Catarinense consultou a doutora em Linguística Ana Paula Kuczmynda da Silveira para analisar a carta divulgada pelo presidente.

Pelo menos oito trechos apresentam o que ela chama de desvios da variante padrão da Língua Portuguesa. Outros dois pontos chegaram a ser assinalados em uma publicação nas redes sociais, mas são casos aceitos pela norma culta do idioma.

A professora explica que embora a língua comporte variações que vão além da norma culta, considerando até mesmo aspectos sociais, regionais e do espaço de uso, quando se trata de comunicações oficiais, a expectativa é sempre de que seja utilizada a variante padrão – aquela ensinada na gramática normativa.

– Ainda que a gente esteja pensando em diversos espaços de circulação dessa nota, como ela não é uma nota assinada pela pessoa física, que pudesse utilizar outra variante, mas sim pela pessoa investida do cargo, a gente imagina que vá se seguir a variante padrão – afirma.

As situações mais graves citadas pela especialista são de regência verbal, concordância nominal e a separação de sujeito e verbo por vírgula. Outros casos, como o uso de vírgulas, também foram citadas pela professora, mas costumam ser alvos mais frequentes de dúvidas ou questionamentos.

– A gente evita purismos, mas a questão é essa: uma coisa é a pessoa que, no seu Facebook, no seu Instagram, pode fazer um registro mais coloquial. Outra coisa é uma pessoa investida do cargo, de quem se espera que seja utilizada a variante padrão – completa.

Leia na íntegra a carta de Bolsonaro à nação

Veja oito pontos da carta de Bolsonaro que escapam da norma padrão

1. Uso da vírgula

No instante em que o país se encontra dividido entre instituições é meu dever, como Presidente [...]”.

A primeira frase da carta tem com uma oração com indicação temporal (“No instante em que o país se encontra dividido entre instituições”) que está no início da frase. Por isso, a oração deveria estar separada por vírgula do restante da sentença, da seguinte forma:

No instante em que o país se encontra dividido entre instituições, é meu dever, como Presidente [...]”.

2. Uso da vírgula

“Mas na vida pública as pessoas que exercem o poder não têm o direito de 'esticar a corda' [...]”.

A oração "na vida pública" é uma expressão adverbial que, pela norma culta, deveria estar intercalada, entre vírgulas:

“Mas, na vida pública, as pessoas que exercem o poder [...]”.

3. Separação de sujeito e verbo

“Mas na vida pública as pessoas que exercem o poder, não têm o direito de 'esticar a corda', a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia”.

Este trecho utiliza uma vírgula para separar o sujeito da oração (as pessoas que exercem o poder) do verbo (têm), o que não é admitido na norma padrão da Língua Portuguesa e costuma ser um equívoco clássico do uso da língua. A versão da nota que estava no ar no site da Presidência da República nesta sexta-feira (10) já não trazia a vírgula neste trecho.

4. Regência verbal

“Por isso quero declarar que minhas palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum”.

Visar, no sentido de almejar, exige uso da preposição para ligar o verbo ao complemento. Visar o bem comum, sem preposição, é entendido como o sentido de “dar visto”. Assim, o uso correto da regência pela norma padrão seria:

“Por isso quero declarar que minhas palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram ao bem comum”.

5. Concordância verbal

“Sendo assim, essas questões devem ser resolvidas por medidas judiciais que serão tomadas de forma a assegurar a observância dos direitos e garantias fundamentais previsto no Art 5º da Constituição Federal”.

Neste trecho, o termo “previsto”, nesse caso como particípio do verbo prever, deveria concordar com os substantivos que o antecedem (“direitos e garantias”), no masculino e no plural, da seguinte forma:

“Sendo assim, essas questões devem ser resolvidas por medidas judiciais que serão tomadas de forma a assegurar a observância dos direitos e garantias fundamentais previstos no Art 5º da Constituição Federal”.

6. Uso da vírgula

“Democracia é isso: Executivo, Legislativo e Judiciário trabalhando juntos em favor do povo e todos respeitando a Constituição”.

Embora não seja apontada como um erro, a ausência de vírgula antes da expressão “e todos” também foi sinalizada pela professora. Nesses casos, a vírgula costuma ser empregada porque os sujeitos das orações são diferentes.

7. Pleonasmo

Sempre estive disposto a manter diálogo permanente com os demais Poderes [...]”.

Segundo a professora, "sempre" e "permanente" são termos que caminham na mesma direção em termos de significado e representariam uma redundância na frase. A escolha de apenas um desses termos poderia dar o mesmo sentido.

8. Nome próprio com letra minúscula

“Presidente da República federativa do Brasil”.

Por se tratar do nome oficial do país, o termo “Federativa” deveria ter a primeira letra maiúscula. A versão da nota oficial que estava no ar nesta sexta-feira também já trazia alteração neste ponto.

Aliado de Bolsonaro, João Rodrigues diz que fechar STF é "maluquice" e admite risco de impeachment

Parece, mas não é

Outros dois trechos foram apontados em uma das postagens como erros de português na carta de Bolsonaro, mas não fogem à norma padrão. Confira:

1. Concordância verbal

“Sei que boa parte dessas divergências decorrem de conflitos de entendimento”

Embora possa causar estranheza ou dúvida para alguns, nesses casos em que o sujeito é chamado de expressão partitiva (a maioria de, parte de, metade de) se permite que o verbo seja conjugado no singular ou no plural. No primeiro caso, ele concorda com o núcleo do sujeito (“boa parte”), e, no segundo, acompanha o complemento dele, que aparece no plural (“divergências”).

2. Início de frase

Mas na vida pública as pessoas que exercem o poder não têm o direito de “esticar a corda [...]”.

Também citado como um erro da nota do português, o uso da conjunção adversativa “mas” no início da frase não é considerado desvio da norma padrão da língua, conforme a professora. Nesse trecho, o ponto questionado é a ausência de vírgulas entre a expressão adverbial, já citada acima.

Leia também

Bolsonaro publica nota oficial à nação e diz que não teve intenção de agredir STF

Gasolina chega a 95% dos postos de SC após fim dos bloqueios, diz sindicato

Preso em SC por falar em caça a ministros do Supremo pede habeas corpus ao STF

Colunistas