Em agosto de 2023, o catarinense André Marcheto Silva Cazado foi diagnosticado com leucemia. Desde então, são sessões de terapia, cirurgias e internações frequentes. Mesmo assim, a doença não entrou em remissão, necessário para que ele passe por um transplante. A esperança, agora, é um remédio que não é vendido no Brasil, e cuja dose custa cerca de R$ 120 mil.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Para conseguir comprar ao menos a primeira dose (outras podem ser necessárias), o catarinense e a esposa, Marianne Kreusch, estão arrecadando dinheiro em uma vakinha virtual. As doações podem ser feitas via PIX (chave no final da matéria).

Remissão é necessária para transplante

André até conseguiu um doador de medula compatível, mas o transplante só pode ser feito quando a leucemia linfoide aguda atingir remissão, ou seja, a medula óssea precisa conter menos de 5% de células blásticas, as taxas sanguíneas ficarem dentro dos limites normais, e não existirem sinais ou sintomas da doença.

É isso que o medicamento, a Nelarabina, promete. Mas ele não é vendido no Brasil, e cada dose custa, em média, R$ 120 mil. Isso se André conseguir o objetivo apenas com uma dose, mas outras podem ser necessárias.

Continua depois da publicidade

Diagnóstico

Marianne conta que o diagnóstico do marido foi “do nada”. Em agosto, André começou a perceber que não estava enxergando direito. Buscou um oftalmologista e outros especialistas até chegar na conclusão: leucemia linfoblástica aguda, e grave.

A dificuldade na visão era sintoma da doença. Havia tantas células de sangue (leucócitos) no corpo dele, que o sangue já não conseguia passar pelas veias do olho.

Ele fez um exame de sangue no dia 12 de agosto, e duas horas depois recebeu uma ligação informando que ele precisava ser internado. A alta concentração de células no sangue poderia causar um problema, como um derrame, a qualquer minuto.

— Entre idas e vindas, a gente ficou cinco meses no hospital — conta Marianne. — Esses últimos meses parecem que foram três anos para a gente.

Continua depois da publicidade

Com o diagnóstico, logo vieram as sessões de quimioterapia. Mas a cada sessão, quando a imunidade de André baixava, vinha também uma infecção, uma febre, uma dificuldade, enfrentada por ele e por Marianne, que acompanha o marido durante o tratamento.

— Estamos juntos há 15 anos (quase metade da minha vida), então vou fazer tudo possível, porque nós somos unha e carne.

Esperança na medicação

Até então, apesar dos problemas, a quimioterapia cumpria sua função: a cada sessão, a doença diminuía. Mas a última sessão não funcionou, a leucemia se manteve mesmo com a medicação. Isso fez com que André parasse as sessões, que já não adiantavam, pelo contrário, só trariam mais riscos de novas infecções.

Recentemente, André foi para casa, e continuou com medicação oral para tentar estabilizar a doença. Enquanto isso, um doador compatível foi encontrado. O processo para comprovar a compatibilidade ainda está em andamento, e se comprovada, o transplante pode acontecer, em Curitiba.

O ideal, no entanto, é que o transplante seja feito com a doença em remissão, e é aí que o medicamento entra. Marianne é bióloga, e descobriu esta possibilidade fazendo pesquisas. Os médicos que atuam no caso de André apoiaram a ideia.

Continua depois da publicidade

A medicação pode ser pedida via plano de saúde, mas isso demoraria. E cada dia é crucial para André. A expectativa é que eles possam fazer a compra da Nelarabina ainda nesta quarta-feira (10). A ideia é que ele receba ao menos a primeira dose, e ganhe tempo para poder fazer o pedido pelo plano das próximas doses.

— Ele tomaria uma dose a cada 21 dias até atingir a remissão ou até fazer o transplante — explica Marianne.

Como ajudar

As doações podem ser feitas via PIX, direto na conta de Marianne. A chave é o número de celular: 48984182341.

Leia também

SC tem crescimento de 4,1% nas doações de sangue em 2023

Santa Catarina expande tratamento de AVC no Sistema Único de Saúde

SC registra aumento na cobertura vacinal de três imunizantes em 2023 

Destaques do NSC Total