As cidades do Norte de Santa Catarina serão as primeiras do Estado a receberem doses de vacina contra a dengue. Neste primeiro momento, 13 municípios serão contemplados. Este envio faz parte do segundo lote de distribuição do governo federal. As informações foram enviadas à reportagem do NSC Total pelo Ministério da Saúde.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

As 13 cidades em questão foram escolhidas porque fazem parte da região de saúde de Joinville, que já registrou cinco mortes pela doença e tem a maior incidência de casos, com 6296 prováveis, conforme dados da InfoDengue captados de 4 de fevereiro a 10 de fevereiro de 2024. Por isso, há cidades da região que receberão as vacinas que não estão em vermelho ou laranja, por exemplo (conforme tabela abaixo).

Por nota, a pasta informou que está trabalhando para garantir a entrega do imunizante “o mais breve possível”, mas não especificou uma data. A expectativa é que todos os 521 municípios brasileiros selecionados recebam a vacina até a primeira quinzena de março.

A remessa inicial, que começou a ser entregue há duas semanas, enviou 712 mil doses que contemplaram 315 municípios do Distrito Federal, Goiás, Bahia, Acre, Paraíba, Rio Grande do Norte, Mato Grosso do Sul, Amazonas, São Paulo e Maranhão. Com isso, com o quantitativo disponível, o Ministério da Saúde atendeu 60% dos municípios selecionados.

Continua depois da publicidade

No total, a Saúde recebeu 6,5 milhões de doses do laboratório em 2024, que garantirão a vacinação de todo o público-alvo, de 10 a 14 anos, ao longo dos próximos meses. Para imunização completa, são necessárias duas doses, que devem ser aplicadas com intervalos de três meses.

Embora o imunizante seja indicado para pessoas com idades entre 4 e 60 anos, a campanha nacional será destinada, neste primeiro momento, para adolescentes. A vacina será aplicada para este público gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), mas ela também está disponível para venda na rede privada. Na rede privada, os valores vão de R$ 390 a R$ 490 por dose.

Veja a lista de cidades catarinenses que receberão as vacinas na segunda remessa

  • Joinville;
  • Araquari;
  • São Francisco do Sul;
  • Barra Velha;
  • Garuva;
  • Balneário Barra do Sul;
  • Itapoá;
  • Jaraguá do Sul;
  • Guaramirim;
  • Schroeder;
  • Massaranduba;
  • São João do Itaperiú;
  • Corupá.

Panorama das cidades de SC que receberão vacinas na segunda leva

MunicípiosCasos confirmados*Casos prováveisNúmero de mortes*Nível de alerta
Joinville175662955Vermelho
Araquari3818381Vermelho
São Francisco do Sul7 2420Amarelo
Barra Velha52370Amarelo
Garuva52880Vermelho
Balneário Barra do Sul67100Amarelo
Itapoá17810Verde
Jaraguá do Sul551880Verde
Guaramirim6920Vermelho
Schroeder2150Amarelo
Massaranduba5200Verde
São João do Itaperiú030Verde
Corupá060Verde
Os dados foram compilados pelo NSC Total no painel InfoDengue e dizem respeito ao período de 4 de fevereiro a 10 de fevereiro de 2024

*Os casos prováveis são os que não foram confirmados oficialmente, mas que estão em investigação

Continua depois da publicidade

*O nível de alerta diz respeito à incidência de novos casos por 100 mil habitantes

Por que SC ficou de fora da primeira leva da vacina

Santa Catarina ficou de fora do envio das primeiras remessas de vacina. De acordo com a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVE), o fato ocorreu devido a quantidade limitada de imunizantes disponíveis. Além disso, os 10 estados escolhidos nesta primeira leva são os com maior alta da doença e pelo menos quatro deles já decretaram situação de emergência.

Laboratório restringe vacina contra a dengue na rede privada; prioridade será a 2ª dose

Em Santa Catarina, as prefeituras de Florianópolis, São José, Balneário Piçarras, Coronel Martins, Penha, Itapiranga, Araquari e Joinville também assinaram o decreto — três delas foram selecionadas para receber as vacinas na segunda remessa. A expectativa é de que o governo estadual decrete situação emergencial na quinta-feira (21), conforme informou a secretária Carmen Zanotto, em entrevista ao Bom Dia SC.

João Fuck, diretor da Dive, ainda explica que, com base na Nota Técnica do Ministério da Saúde, a distribuição das doses nos municípios foi determinada com base em três critérios principais: o ranqueamento das regiões de saúde e municípios, o quantitativo necessário de doses para o público-alvo conforme a disponibilidade (prevista pelo fabricante) e o cálculo do total de doses a serem entregues em uma única remessa ao município.

— Desta forma, a Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina aguarda novas informações do Ministério da Saúde acerca do envio de doses ao estado — completa.

Continua depois da publicidade

Leia também

“Explosão” de casos de dengue nas primeiras semanas de 2024 acende alerta em SC

O ciclo de vida do Aedes aegypti, mosquito da dengue, chikungunya e zika

Crise climática e El Niño contribuem para “boom” da dengue em SC, dizem especialistas

Destaques do NSC Total