nsc

    Agora vai?

    Cinco rotas de transporte marítimo estão em estudo na Grande Florianópolis

    Análise de viabilidade, com participação do BID, contempla ligações do Sul ao Norte da Ilha com Palhoça, São José e Biguaçu

    31/10/2020 - 06h00 - Atualizada em: 31/10/2020 - 17h06

    Compartilhe

    Por Márcio Serafini
    Ponte Hercílio Luz liga Ilha e continente
    Tão elementar quando necessária, ligação marítima não sai do papel
    (Foto: )

    A Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade está estudando cinco rotas para implantação do transporte marítimo na Grande Florianópolis, em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). A análise inclui as travessias entre Tijuquinhas (Biguaçu) e Canasvieiras; Biguaçu (mais ao centro) e o bairro Santo Antônio de Lisboa; São José e a região central de Florianópolis; Palhoça e o bairro Tapera; e a Beira Mar de São José com a Beira Mar Norte da Capital (onde será construída uma marina).

    A informação foi divulgada nesta sexta-feira (30) pela Secretaria de Comunicação do Estado. A análise prévia da viabilidade econômica, ambiental e técnica das rotas é fundamental para se chegar na melhor proposta, destaca o secretário de Infraestrutura, Thiago Vieira:

    - O transporte hidroviário é uma prioridade para a Secretaria de Infraestrutura. Por isso rescindimos um contrato que estava de forma irregular na Secretaria, procuramos consultores experientes e fizemos um termo de cooperação técnica com o BID para fazer uma análise do transporte nessa conexão entre a Ilha de Santa Catarina e o continente. Estamos fazendo análise de engenharia de transporte de cinco rotas.

    > Marina da Beira-Mar Norte terá estrutura para transporte marítimo, segundo construtora

    > Estado muda os planos sobre o transporte marítimo em Florianópolis

    Além do estudo para definição de rotas, há análises sobre transporte elétrico, sistema de barcas e ferry boat, a instalação de terminais integrados, com estacionamento para veículos e bicicletário, entre outras opções. Otimista, Thiago Vieira afirma:

    - Florianópolis deixará de estar de costas para o mar.

    Longa novela

    Vários projetos já trataram da implantação do transporte marítimo entre Ilha e Continente. Em 2014, reportagem do Diário Catarinense mostrava que um estudo iniciado em 2010 estava emperrado, num emaranhado de licenças ambientais e de uso de áreas costeiras.

    Na mais recente iniciativa, o Departamento de Transportes e Terminais (Deter) chegou a anunciar a operação regular de dois catamarãs a partir de dezembro de 2018, depois adiada para fevereiro de 2019, o que não se confirmou. 

    A rota ligaria o trapiche da Ponta de Baixo, em São Jose, ao Centro de Florianópolis, perto da passarela Nego Quirido. A operação seria feita pela BB Construções de Barcos. Cada uma das duas embarcações que seriam usadas teria espaço para 198 pessoas. Até o preço da passagem chegou a ser anunciado: R$ 9.

    Catamarã que faria a travessia anunciada para 2019
    Catamarã que faria a travessia anunciada para 2019
    (Foto: )

    A notícia logo gerou críticas. A prefeita de São José, Adeliana Dal Pont, considerou inviável o embarque e desembarque na Ponta de Baixo e defendeu a Avenida Beira-Mar da cidade, onde há mais movimento e lugar para estacionar. Além disso, se disse surpresa por não ter sido consultada. 

    Outros pontos criticados foram o preço da tarifa e a falta de integração com outros modais, como ônibus, o que tornaria a travessia cara para o usuário contumaz - por exemplo, quem se desloca diariamente de ônibus até a Ilha para trabalhar ou estudar. Na época, porém, o atraso na implantação foi atribuído, mais uma vez, à falta de licenças.

    Viagem experimental em março de 2018
    Viagem experimental em março de 2018 trouxe otimismo, mas...
    (Foto: )

    Um ano antes, na manhã de 12 de março de 2018, uma viagem experimental mostrou como seria a travessia entre Ilha e continente. Às 9h37 partiu do Iate Clube Veleiros da Ilha, na Capital, um catamarã com capacidade para 180 passageiros em direção à Ponta de Baixo, em São José.

    Mesmo com as condições adversas em parte do trajeto, com chuva, ondas e vento Sul, o catamarã manteve a estabilidade e o conforto dos passageiros. O percurso levou menos de 15 minutos. Já a implantação efetiva do transporte marítimo, dois anos e sete meses depois, ainda não passa de um projeto.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas