nsc
dc

Balanço

Onze fatos que marcaram o 2º turno em Santa Catarina e no Brasil

Teve prefeito eleito em quarto de hospital, candidato vitorioso no dia do enterro da mãe, eleitos em SC que se destacaram no país e abstenção acima do esperado pelo TSE

30/11/2020 - 05h00 - Atualizada em: 30/11/2020 - 16h00

Compartilhe

Cristian Edel
Por Cristian Edel Weiss
Mario Hildebrandt recebeu a segunda maior votação proporcional neste segundo turno e a primeira mais expressiva entre as cidades do interior
Mario Hildebrandt, eleito em Blumenau, recebeu a segunda maior votação proporcional neste segundo turno e a primeira mais expressiva entre as cidades do interior
(Foto: )

Neste domingo (29), cerca de 26,5 milhões de eleitores compareceram às urnas em 57 cidades do Brasil para o segundo turno das eleições municipais 2020. Entre elas, 18 capitais tiveram o futuro prefeito escolhido. Em Santa Catarina, Blumenau e Joinville decidiram na segunda rodada a disputa pelo comando do poder executivo nos próximos quatro anos. Mario Hildebrandt (Podemos), por exemplo, ao vencer em Blumenau se destacou com a maior votação proporcional entre as cidades do interior e a segunda maior deste segundo turno. Já Adriano Silva, eleito em Joinville, é o primeiro prefeito do partido Novo no país.

> Confira os prefeitos eleitos nas 18 capitais que tiveram 2º turno

As eleições do segundo turno registraram o fortalecimento de partidos tradicionais, como o MDB e o DEM, mas realçaram o enfraquecimento do PT, que exerceu grande influência na política dos municípios e dos Estados entre 2003 e 2016.

> Saiba como receber notícias do NSC Total no WhatsApp

Na disputa deste domingo, teve prefeito eleito no quarto de hospital, candidato vitorioso que estava de luto um dia após perder a mãe, decisões apertadas, vitórias de lavada e abstenção acima do esperado pelo Superior Tribunal Eleitoral, devido à pandemia de coronavírus. 

'Vamos governar para todos', diz Adriano Silva após ser eleito prefeito de Joinville

"Não sou candidato a nada em 2022", afirma Mário Hildebrandt, prefeito reeleito de Blumenau

Confira alguns destaques do segundo turno destas eleições, que já entra para a história devido às restrições da pandemia de coronavírus:

A maior diferença de votos no segundo turno

Em Boa Vista, Arthur Henrique obteve 116.792 votos no segundo turno, o que concedeu a ele 85,36% dos votos válidos, contra 14,64% de Ottaci (Solidariedade). Foi a maior diferença proporcional na eleição deste domingo.

Em Blumenau, 44,2 pontos percentuais separaram Hildebrandt do adversário, a maior marca entre as cidades do interior
Em Blumenau, 44,2 pontos percentuais separaram Hildebrandt do adversário, a maior marca entre as cidades do interior
(Foto: )

O resultado de Mario Hildebrandt (Podemos), em Blumenau, foi o segundo maior do segundo turno em todo o país e o primeiro entre as cidades do interior. Ele obteve 72,1% dos votos válidos contra 27,9% de João Paulo Kleinübing (DEM). Foram 44,2 pontos percentuais que separaram Hildebrandt do adversário.

A votação mais apertada 

Em três cidades do país, a diferença dos votos válidos recebidos pelos candidatos foi menor do que 2 pontos percentuais, transformando o resultado nas disputas mais acirradas do segundo turno. Em Taboão da Serra (SP), Aprigio (Podemos) obteve 50,63% dos votos contra 49,37% de Engenheiro Daniel (PSDB). A diferença entre os dois foi de 1.695 votos.

Também no Estado de São Paulo, em Mauá, Marcelo Oliveira (PT) obteve 50,74% dos votos contra 49,26% de Atila (PSB). A diferença entre os dois foi de 2.676 votos. Já em São Gonçalo (RJ), 50,79% dos votos foram para Capitão Nelson (Avante) contra 49,21% de Dimas Gadelha (PT). A diferença foi de 5.908 votos.

A capital com o resultado mais apertado foi Manaus, onde David Almeida (avante) obteve 51,27% dos votos válidos contra 48,73% de Amazonino Mendes (Podemos).

Primeiro prefeito do partido Novo no país é de SC

Adriano Silva comemora com a família a vitória conquistada em Joinville
Adriano Silva comemora com a família a vitória conquistada em Joinville
(Foto: )

É de Santa Catarina o primeiro prefeito do partido Novo no Brasil. Adriano Silva, futuro chefe do Executivo em Joinville, venceu Darci de Matos (PSD) com 55,43% dos votos válidos. Com regras distintas de outras siglas, como processo seletivo para os candidatos, pagamento de mensalidade de membros e renúncia às verbas do fundo eleitoral, o partido Novo foi criado em 2011 por pessoas sem carreira política. Em 2018, elegeu um governador: Romeu Zema, de Minas Gerais.

Apuração foi mais rápida em SC do que no primeiro turno

Mário Hildebrandt vibra com o resultado das urnas em Blumenau
Mário Hildebrandt vibra com o resultado das urnas em Blumenau
(Foto: )

Em Santa Catarina, os primeiros dados começaram a ser liberados às 17h40min pelo Tribunal Superior Eleitoral, a partir de votos apurados em Blumenau. Em Joinville, começou às 17h59min. O primeiro turno não teve os contratempos registrados no primeiro, com gargalo no carregamento das informações devido à centralização da apuração no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília.

O prefeito Mario Hildebrandt (Podemos) foi considerado eleito matematicamente às 18h10min, quando havia 72,68% das urnas apuradas. Naquele momento, Mario tinha 72% contra 28% de João Paulo Kleinübing (DEM).

Já em Joinville, o novo prefeito foi conhecido às 18h52min, quando a carga de dados do TSE totalizou 99,7% e deixou Adriano Silva (NOVO) com 55,42% dos votos válidos contra 44,58% de Darci de Matos (PSD).

Apuração mais ágil nas capitais

A rapidez na apuração em relação ao primeiro turno foi observada em outros estados também. A primeira capital do país a ter decretado o resultado foi Belém (PA), às 17h40min. Em seguida, está Vitória (ES), que já conhecia o futuro prefeito às 17h50min. 

O prefeito mais jovem e o mais velho das capitais

João Campos é o prefeito mais jovem das capitais
João Campos é o prefeito mais jovem das capitais
(Foto: )

João Campos (PSB) é o prefeito mais jovem das capitais brasileiras. Aos 27 anos, ele conquistou 56,27% dos votos válidos e venceu a prima Marilia Arraes (PT) para comandar a prefeitura do Recife, em Pernambuco, a partir de 1º de janeiro.

Dr. Pessoa será o mais velho a assumir o cargo de prefeito das capitais
Dr. Pessoa será o mais velho a assumir o cargo de prefeito das capitais
(Foto: )

Já aos 74 anos, Dr. Pessoa será o mais velho a assumir o cargo de prefeito de uma capital em 1º de janeiro. Ele foi eleito prefeito de Teresina, no Piauí, com 62,31% dos votos, superando o adversário Kleber Montezuma (PSDB).

Vitória em meio ao luto

David Almeida perdeu a mãe no sábado
David Almeida perdeu a mãe no sábado
(Foto: )

Em Manaus, o candidato David Almeida (Avante) foi eleito no dia do enterro da própria mãe. Rosa Almeida morreu no sábado, 28, vítima de complicações da covid-19. David recebeu 51,27% dos votos válidos contra 48,73% de Amazonino Mendes (Podemos). Manaus foi uma das cidades mais afetadas pela pandemia de coronavírus em todo o país, sofrendo colapso do sistema de saúde.

Prefeito eleito internado em hospital

Maguilo Vilela no leito do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde se trata dos efeitos da covid-19
Maguito Vilela no leito do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde se trata dos efeitos da covid-19
(Foto: )

O prefeito de Goiânia, Maguito Vilela (MDB), foi eleito mesmo internado há duas semanas, entubado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, devido a complicações da covid-19. Ele obteve 52,52% dos votos válidos, contra 47,48% de Vanderlan Cardoso (PSD). Vilela, que tem 71 anos, perdeu duas irmãs recentemente devido à covid-19.

Cidades sem vencedor definido, mesmo no 2º turno

Em Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro, o candidato mais votado foi Wladimir Garotinho (PSD), com 52,4% dos votos válidos, contra 47,6% de Caio Vianna (PDT). Apesar de estar na frente, Garotinho teve os votos anulados pela Justiça Eleitoral, porque teve a candidatura indeferida. Os recursos do candidato ainda precisam ser julgados para confirmar o resultado das urnas oficialmente.

O mesmo aconteceu em outra cidade do Rio de Janeiro: Petrópolis. Rubens Bomtempo (PSB) obteve 55,18% dos votos válidos contra 44,82% de Bernardo Rossi (PL), mas teve o resultado anulado temporariamente pela Justiça Eleitoral.

Onde mais eleitores faltaram às urnas

Candidato derrotado à prefeitura de Goiânia, Vanderlan Cardoso votou domingo pela manhã. O adversário dele estava internado e não votou
Candidato derrotado à prefeitura de Goiânia, Vanderlan Cardoso votou domingo pela manhã. O adversário dele estava internado e não votou
(Foto: )

Goiás registrou o maior índice de abstenção neste segundo turno: 35,92% dos eleitores de Goiânia e de Anápolis deixaram de comparecer às urnas neste domingo (29) para escolher o futuro prefeito. Em Santa Catarina, o índice foi de 29,38% entre os eleitores de Joinville e Blumenau

Com 100% das seções eleitorais apuradas, a abstenção dos eleitores no Brasil foi de 29,5%, equivalente a 11,1 milhões de pessoas. Para o presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, a abstenção foi maior do que desejável pela Justiça Eleitoral. Barroso afirmou que a pandemia da covid-19 fez com que parte do eleitorado deixasse de comparecer às urnas por medo de contaminação pelo novo coronavírus.

PT não venceu nas capitais

No Recife (PE), Marília Arraes foi a candidata do PT que mais se aproximou da vitória neste segundo turno
No Recife (PE), Marília Arraes foi a candidata do PT que mais se aproximou da vitória neste segundo turno
(Foto: )

Entre os maiores partidos do país, o principal derrotado é o PT. A sigla concorria a duas capitais no segundo turno: Vitória (ES) e Recife (PE). Mas perdeu nas duas. Com isso, o partido não conseguiu eleger prefeitos em nenhuma das 26 capitais. É a primeira vez que isso ocorre desde 1985.

Leia também:

Sebastião Melo é eleito prefeito de Porto Alegre nas Eleições 2020

Nas capitais, centro avança, e PT fica sem eleger prefeitos pela primeira vez desde 1985

Em site especial, saiba tudo sobre as eleições municipais 2020

Veja o resultado do 2º turno nas capitais do Brasil nas Eleições 2020

Colunistas