nsc
dc

Comprova

É falso que polícia tenha prendido enfermeiro impostor em hospital onde Bolsonaro foi internado

São inverídicos os posts que circulam no Facebook e no WhatsApp

20/07/2021 - 07h00

Compartilhe

Por Projeto Comprova
Comprova
A imagem utilizada pelos autores foi feita em abril de 2021, em Manaus, e a prisão em São Paulo foi desmentida pela Polícia Civil
(Foto: )

É falso que um homem, se passando por enfermeiro, tenha sido preso no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, onde o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) estava internado. A informação foi desmentida pela unidade hospitalar e também pela Polícia Civil do Estado de São Paulo, ao serem procurados pelo Comprova.

> Receba notícias do NSC Total em seu WhatsApp

A imagem veiculada junto à informação falsa pertence a um homem preso em abril deste ano, em um hospital de Manaus, capital do Amazonas, segundo reportagens publicadas na época. A Polícia Civil do estado e a assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde amazonense confirmaram a informação.

O autor da postagem mais antiga localizada pelo Comprova no Facebook foi procurado via Messenger e afirmou ter recebido o conteúdo de “alguém”. A informação falsa foi apagada logo após o contato.

> Estudo é insuficiente para comprovar eficácia da ivermectina contra Covid-19

Como verificamos?

Bastou realizar a busca reversa da foto que aparece nas postagens – utilizando o Google Imagens – para que o Comprova detectasse diversas notícias publicadas com a mesma imagem em abril deste ano em portais locais de Manaus (AM).

A partir dessa informação, o Comprova encaminhou e-mails para as assessorias de imprensa do governo e da Polícia Civil do Amazonas, questionando as circunstâncias das reportagens e a veracidade das informações.

A equipe de verificação também entrou em contato com a Rede D’Or, responsável pelo Hospital Vila Nova Star, onde o presidente ficou internado, e com a Polícia Civil do Estado de São Paulo, ambas citadas nas publicações falsas.

Em seguida, consultamos o repositório de dados eleitorais do TSE, onde constam os nomes de todas as pessoas filiadas a partidos políticos no Brasil. Por fim, também entramos em contato com os autores das postagens no Facebook.

> Urnas brasileiras não foram hackeadas nos EUA

Verificação

Caso é de Manaus

A pessoa que aparece na foto que circula com a mensagem falsa foi presa, na verdade, no Hospital e Pronto-Socorro Platão Araújo, em Manaus, em abril deste ano. Segundo a Secretaria de Saúde do Amazonas, o homem de 36 anos se passava por técnico de enfermagem da unidade, da rede estadual, e foi detido por militares da 27ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom). Com ele, foram encontrados medicamentos de vários tipos, além de materiais cirúrgicos.

A direção do hospital disse que o falso profissional de saúde entrou na unidade por meio do serviço de pronto-atendimento, se passando por um paciente. Depois, em um dos consultórios, vestiu um jaleco e passou a circular dentro do hospital, onde solicitou medicamentos aos verdadeiros profissionais de saúde. Ele foi descoberto por uma enfermeira que desconfiou da presença dele e acionou a segurança da unidade e a polícia.

> É falso que a atriz Maria Flor recebeu R$ 10 mi de governos anteriores

A Secretaria de Segurança Pública do Amazonas também confirmou a história, acrescentando que ele foi detido pelos crimes de tentativa de furto e falsificação de documento (RG). Um inquérito foi aberto sobre o caso e enviado à Justiça.

O Comprova também entrou em contato com a Rede D’Or, que administra o Hospital Vila Nova Star, e com a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, para confirmar se algum caso do tipo foi registrado enquanto o presidente estava internado, mas ambos negaram.

> Doses da Janssen doadas pelos EUA ao Brasil estavam aptas para uso e foram aprovadas pela Anvisa

Filiação ao PCdoB

As publicações verificadas afirmam que o homem que teria entrado no hospital onde Bolsonaro estava internado se chama Joilton Batista Silvério, teria passagem na polícia por tentativa de homicídio e seria filiado ao Partido Comunista do Brasil (PCdoB).

Isso também não é verdade. Consultamos o repositório de dados eleitorais do TSE, onde constam os nomes de todas as pessoas filiadas a partidos políticos no Brasil. Não há ninguém com esse nome na relação de eleitores filiados ao PCdoB:

Comprova
Comprova
(Foto: )

No sábado, dia 17 de julho, quando Bolsonaro ainda estava internado, o deputado federal pelo PCdoB, Orlando Silva, desmentiu, no Twitter, as ligações da suposta pessoa com o partido.

O Comprova ainda tentou buscar pelo nome Joilton Batista Silvério no Google, mas os únicos resultados encontrados foram as postagens falsas e as verificações realizadas por outros veículos. A Polícia Civil do Amazonas não informou o nome do rapaz detido por lá.

> Universidade de Oxford não encontrou ‘fortes indícios’ da eficácia da ivermectina contra a Covid

Internação de Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro sentiu dores abdominais e foi internado no Hospital das Forças Armadas, em Brasília, na última quarta-feira (14). Sua equipe médica decidiu levá-lo para o Hospital Villa Nova Star, na zona sul de São Paulo, para avaliar a necessidade de uma cirurgia emergencial. Ele ficou em observação durante quatro dias devido a uma obstrução intestinal e teve alta neste domingo (18). Ele não precisou passar por procedimento cirúrgico.

O presidente politizou a sua internação ao relembrar o atentado a faca que sofreu durante a campanha eleitoral de 2018. Ele voltou a alegar falsamente que Adélio Bispo, responsável pelo ataque, teria recebido ordens do PT e do PSOL. Bispo já foi filiado ao PSOL, mas deixou a legenda em 2014, quatro anos antes do atentado. Além disso, as falas de Bolsonaro contrariam a conclusão de todas as investigações policiais feitas até o momento e que apontaram para ação isolada de Bispo.

> Bolsonaro nega conflito com Poderes: "Sempre fui de paz e amor"

Autor da postagem

A página “Aconteceu em Praia Grande” foi a primeira a postar a imagem no Facebook, segundo a ferramenta de análise de redes sociais CrowdTangle. A página foi criada em 14 de setembro de 2018 e diz falar de “festas, eventos, atos de corrupção, prefeitura, policiamento, informações, desaparecimentos”. Parte de suas postagens são em defesa de Bolsonaro.

Procurado pelo Comprova, o responsável afirmou: “Só copiei de alguém, já apaguei”. De fato, a imagem foi excluída na manhã desta segunda-feira (19), após o contato da reportagem.

> ‘Motociata’ promovida por Bolsonaro em São Paulo não gerou renda de R$ 40 milhões

Por que investigamos?

Em sua quarta fase, o Comprova checa conteúdos suspeitos sobre o governo federal, eleições ou a pandemia de covid-19 que tenham atingido alto grau de viralização. Em julho de 2021, os participantes decidiram também iniciar a verificação da desinformação envolvendo possíveis candidatos à presidência da República. Desde então, o projeto tem monitorado nomes que vêm sendo incluídos em pesquisas dos principais institutos.

Desde antes do pleito que elegeu Jair Bolsonaro presidente, em 2018, ele e apoiadores atacam partidos de esquerda, como o PCdoB. Assim como a sigla, PT e PSOL também são alvos frequentes de informações falsas ou enganosas que circulam amplamente em redes sociais, publicadas principalmente por contas bolsonaristas.

> É falso que senadores republicanos tenham descoberto origem da Covid-19

Uma das postagens analisadas pelo Comprova foi compartilhada ao menos 255 vezes no Facebook e recebeu 429 reações. O mesmo conteúdo também circula em aplicativos de mensagem, como o Whatsapp. A alegação foi verificada pelo Boatos.Org e também pelo G1.

Falso, para o Comprova, é conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

A checagem acima foi produzida pelo Projeto Comprova, iniciativa que reúne a NSC Comunicação e outros 32 veículos de mídia do país no combate à desinformação.

Leia também

Conheça os 16 animais mais estranhos e raros vistos em SC

As diferenças entre as vacinas da Pfizer, Astrazeneca e Coronavac

Nevascas históricas em Santa Catarina; veja fotos e quando aconteceram

Efeitos colaterais da astrazeneca; veja os sintomas mais relatados

Colunistas